Pai Nosso,

now browsing by tag

 
 
Posted by: | Posted on: julho 20, 2012

Pai Nosso – Orar com o Espírito de Jesus – José Antonio Pagola

“Pai-Nosso”, do mesmo autor de “Jesus – Aproximação Histórica“, apresenta esta oração tendo como objetivo desenvolver a atmosfera espiritual que faz dessa prece a mais vivida no cristianismo. A obra está dividida em duas partes. Na primeira, apresenta uma reflexão ou comentário bíblico-espiritual a respeito do conteúdo desta oração, seguida, na segunda parte, por súplicas dos salmos que ajudam a criar ressonâncias espirituais ao rezar e meditar essa oração. O Pai-nosso apresenta o resumo e o cerne de todo o evangelho, por isso, nada melhor do que conhecê-lo melhor e ter o auxílio dos salmos para mentalizar suas invocações e petições.

Mais um lançamento da Editora Vozes que vai ser um auxiliar importante no desenvolvimento e amadurecimento da espiritualidade dos catequistas.

Posted by: | Posted on: maio 18, 2012

9º Encontro da Novena de Pentecoste

Fomos batizados num só Espírito para formarmos um só corpo (1Cor 12,13)

(Para o dia 26 de Maio – Sábado)

Acolhida e oração inicial: (Depois de acolher os participantes da novena, pode-se iniciar com um cântico).

A – Vamos iniciar esta novena invocando a Santíssima Trindade. Que nossos pensamentos sejam como os pensamentos de Deus Pai. Que nossos sentimentos sejam como os sentimentos de Jesus e que o nosso agir seja guiado pelo Espírito Santo:

T – Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

A – Nesta preparação para a festa de Pentecostes, queremos, em oração, ficar bem unidos com Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Espírito Santo nos dê a conhecer o rosto de Deus, fonte do amor e da bondade.

T – Vinde, Espírito Santo! Ensinai-nos a reconhecer a face de Cristo em nossos irmãos e irmãs. Vinde, Pai dos pobres, doador dos dons, luz dos corações. Fazei com que nossa oração nos aproxime mais do vosso mistério de amor.

Deus nos convida

A – Prezados irmãos e irmãs, revestidos da força do Alto, queremos hoje celebrar a ação de graças pelo infinito amor que Deus tem por nós.

T – Com amor de Pai e de Mãe, Deus tudo faz para que vivamos unidos como família.

A – O Espírito Santo, força de amor que gera a unidade e santifica a Igreja, age em todos os seguidores de Jesus, em todos os que o buscam com sinceridade de coração.

T – Cada pessoa, com suas qualidades e limitações, é convidada a servir a Deus e aos irmãos.

A – Entre os cristãos há diversidade de dons. Há quem se dedica mais à oração, outros mais às obras de caridade fraterna. Uns participam mais da comunidade, outros menos. Todos, porém, devem louvar o Senhor e fazer as obras de Deus.

T – Dai-nos, Senhor, os dons da unidade e da paz.

A Palavra nos orienta

A – Pentecostes é a festa da unidade da Igreja. Unidade criada pelo Espírito Santo que anima e orienta a família de Deus.

T – “Fomos batizados num só Espírito para formarmos um só corpo”.

Cântico de Invocação ao Espírito Santo

Leitura da primeira carta de São Paulo aos Coríntios (1Cor 12,12-20)

Reflexão

A – Ao receber o batismo nós passamos a fazer parte do corpo de Cristo, a Igreja. Cada pessoa tem suas qualidades e suas limitações, mas deve trabalhar pela unidade, como membro de um corpo vivo e saudável.

T – “Há diferentes tipos de dons espirituais, mas é o mesmo Espírito quem dá esses dons”.

L1 – Cristo reza ao Pai suplicando pela unidade dos que nele crêem. Unidade que existe no céu e que deve acontecer na terra.

T – “Como tu, ó Pai, estás em mim e eu em ti, que também eles estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste” (Jo 17,21).

L2 – São João, ao relatar a paixão, diz que os soldados repartiram entre si as vestes de Jesus.

T – Mas a túnica, uma peça sem costura, tecida de alto a baixo, não foi repartida, lançaram sorte para ver quem ficava com ela.

L3 – Tanto a frase colocada no alto da cruz, escrita em várias línguas, como o destino das vestes de Jesus, representam a universalidade do amor de Cristo.

T – A herança de Jesus será levada ao mundo inteiro, como as vestes repartidas.

L4 – Em cada canto do mundo a Igreja pode ter um rosto diferente, diferentes formas de celebrar, de cantar, como o manto que foi repartido.

T – Mas em todos os lugares a Igreja deve conservar uma mesma identidade.

L1 – Apesar da diversidade de raças e culturas, permanece um elemento indivisível; a túnica, símbolo da unidade criada pelo Espírito Santo; uma peça só, que tem sua origem no “alto” tecida de alto a baixo.

T – A unidade da Igreja é obra do amor de Deus, revelado pelo seu Santo Espírito.

A – O mundo inteiro reconhecerá os discípulos como herdeiros do Crucificado que revelam a unidade com Cristo pela prática do amor.

T – “Quem me ama fará as obras que faço, e fará obras ainda maiores”.

A partilha nos enriquece

1 – Existe uma grande preocupação dos pais em batizar seus filhos.

Será que existe a mesma preocupação em viver o compromisso batismal?

2 – Estamos encerrando esta novena. O que de mais importante cada um de nós aprendeu aqui e levará para a vida?

Canto

A oração nos fortalece

A – Em Pentecostes, o Espírito Santo infundiu o amor no coração dos discípulos e dali eles saíram cheios de coragem para anunciar a Boa Nova a todos os povos. Roguemos a Deus que renove em nós essa graça santificante que já recebemos no batismo.

L1 – Para que tenhamos ouvidos atentos e coração aberto para acolher a

Palavra de Deus que pode nos despertar para viver e anunciar o amor de Cristo, rezemos:

T – Vinde, Espírito Santo, aumentai nossa capacidade de amar e servir.

L2 – Por todas as pessoas que vivem longe da Igreja, para que se sintam atraídas a retornar e sejam acolhidas pelo amor de Cristo vivido pelos membros da comunidade, rezemos.

L3 – Por todas as pessoas que foram batizadas, para que perseverem na fé e busquem, através dos sacramentos, a renovação da graça de Deus em suas vidas, rezemos:

L4 – Por todos os nossos parentes e amigos que já parhram para a eternidade, para que tenham, junto a Deus, a paz e o descanso eterno, rezemos:

(Outras preces da comunidade)

A – Milhares de pessoas estão rezando também esta novena. Vamos rezar por elas, do mesmo jeito que elas também estão rezando por nós. Que a graça de Deus esteja sempre em nossos corações para que possamos viver e crescer com Cristo, em família, em comunidade. Rezemos:

T – Pai nosso que estais nos céus…

Maria caminha conosco

A – Maria foi a primeira discípula de Cristo. Hoje, como Mãe da Igreja, ela continua caminhando conosco e pode nos ensinar o caminho. Nosso coração parece ouvir o que um dia ela disse nas bodas de Caná:

T – “Fazei tudo o que meu Filho vos disser”!

L1 – Como Mãe de Cristo e Mãe da Igreja, Maria nunca se distanciou da comunidade. Do mesmo jeito que esteve presente em Pentecostes, está presente hoje, em cada comunidade, em cada família.

T – Como Mãe educadora da fé, ela se faz presente para gerar Cristo no coração de todos os batizados.

A – Ela está presente entre nós para animar a fé nos corações vacilantes, chamar de volta os filhos de Deus que se dispersaram, socorrer os mais necessitados, promover a unidade de toda a família de Deus, a Igreja!

T – E enquanto o mundo girar, enquanto houver uma tarde e uma manhã, a missão de Maria não terá terminado.

A – Maria, Mãe da perseverança,

T – Conservai-nos em comunhão com vosso Filho. Amém!

Oração final

A – Nós vos agradecemos, Senhor nosso Deus, porque em vossa infinita bondade nos dais a graça de viver tão perto de vosso coração.

TFicai conosco, Senhor, pois longe de vós, nada poderemos fazer.

A – Queremos ser como Jesus, reparador dos estragos provocados pelos pecados.

TQueremos ser sol e chuva para todos, sem perguntar se merecem, mas unicamente se precisam.

A – Fazei com que nosso coração seja um novo Sacrário, morada de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que nosso corpo seja um templo do Espírito Santo.

T Guardai-nos de todo o mal, Senhor, e acompanhai nossos passos pelos caminhos que nos levam à feliz eternidade.

Ave Maria…, Glória ao Pai…

(Confirmar sempre o local e o horário da próxima novena).

Posted by: | Posted on: maio 18, 2012

8º Encontro da Novena de Pentecoste

Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal

(Para o dia 25 de Maio – Sexta-feira)

Acolhida e oração inicial

(Depois de acolher os participantes da novena, pode-se iniciar com um cântico).

A – Vamos iniciar esta novena invocando a Santíssima Trindade. Que nossos pensamentos sejam como os pensamentos de Deus Pai. Que nossos sentimentos sejam como os sentimentos de Jesus e que o nosso agir seja guiado pelo Espírito Santo:

T – Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

A – Nesta preparação para a festa de Pentecostes, queremos, em oração, ficar bem unidos com Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Espírito Santo nos dê a conhecer o rosto de Deus, fonte do amor e da bondade.

T – Vinde, Espírito Santo! Ensinai-nos a reconhecer a face de Cristo em nossos irmãos e irmãs. Vinde, Pai dos pobres, doador dos dons, luz dos corações. Fazei com que nossa oração nos aproxime mais do vosso  mistério de amor.

Deus nos convida

A – Aproxima-se a festa de Pentecostes. Todos nós somos chama dos a rezar pela unidade da Igreja, pois, é pelo testemunho de amor fraterno que revelaremos a presença de Cristo entre nós.

T – Vinde, Espírito Santo! Dai-nos os dons da unidade e da paz.

A – Hoje rezamos, com Jesus, pedindo a Deus que não nos deixe cair nas tentações. Vivemos no mundo, temos que conviver com todos os riscos, mas sem nos desviarmos do caminho da salvação.

T – “Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”.

A – Jesus nos ensina a pedir a Deus a prudência para conviver com todas as situações, com todas as pessoas, mas sem perder a confiança em Deus.

T – Temos que conviver com as tentações, sem cair nelas. Pois, nunca podemos nos deixar envolver pelo mal.

A – Quem é de Deus não pode se permitir fazer maldade e nem compactuar com os maus.

T – Com muita firmeza pedimos: “Livrai-nos do mal”.

A Palavra nos orienta

A – Jesus reza pelos seus discípulos e por todas as pessoas que irão acreditar nele por causa do anúncio e do testemunho dos seus seguidores.

T – “Não vos peço que os tireis do mundo, mas que os livreis do maligno.”

Cântico de aclamação ao Evangelho

Proclamação do Evangelho (Jo 17, 6-21)

Reflexão

A – Nesse Evangelho, Jesus pede ao Pai pela unidade da Igreja. Jesus pede pelos discípulos e por todas as pessoas que começarão a acreditar a

partir da pregação desta Boa Nova. Jesus pede que os cristãos vivam unidos entre si e unidos com Deus.

T – “Que todos sejam um, como eu e vós, ó Pai, somos um”.

L1 – Os cristãos vivem no meio do mundo, convivendo com todas as realidades, mas com uma postura diferente.

T – Devemos viver com os pés no mundo, mas com o coração em Deus.

L2 – Quem tem uma fé segura não se deixará enganar pelas tentações; tentação do poder, da posse e do prazer.

T – Tentação de fazer a própria vontade e deixar de lado a vontade de Deus.

L3 – Uma das tentações que mais estragam a vida das comunidades é a tentação de julgar e criticar as outras pessoas.

T – Jesus ensinou: “Não julgueis e não sereis julgados. Não condeneis e não sereis condenados.”

L4 – E melhor caminhar mais devagar, mas com a comunidade unida, do que caminhar depressa deixando para trás os irmãos e irmãs mais fracos na fé. Jesus mostrou esse amor e esse cuidado com a sua comunidade:

T – “Tomei conta deles e nenhum deles se perdeu, a não ser o filho da perdição”.

L1 – Quando alguém escolhe de fato o caminho da perdição, não temos mais o que fazer a não ser rezar pela sua conversão. Mas, como comunidade de Jesus, guiada pelo Espírito Santo, devemos buscar a fidelidade ao amor do Pai.

T – A comunhão com os irmãos nos ajuda a fugir das tentações. A comunhão com Deus nos livra do maligno.

A – E pela oração, pela prática da caridade e a freqüência aos sacramentos que nós nos tornamos fortes para fugir das tentações.

T – “Vigiai e orai para não cairdes em tentação, pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mt 26, 41).

A partilha nos enriquece

1 – Quais são os maiores desafios que encontramos para a vivência da comunhão com Deus e com os irmãos?

2 – Nesse tempo de oração pela unidade da Igreja, o que podemos fazer para gerar mais união em nossas famílias e nossas comunidades?

Canto

A oração nos fortalece

A – A vida de união e fraternidade é dom de Deus, é fruto da ação do Espírito Santo entre nós. Rezemos suplicando a Deus essa graça, para que possamos viver em comunhão com Cristo e com os irmãos.

L1 – Por todas as pessoas que receberam o Sacramento do Batismo, para que perseverem na fé e sejam membros ativos da Comunidade-Igreja, rezemos:

T – Renovai e santificai a vossa Igreja, Senhor!

L2 – Para que o Cristo ressuscitado traga paz às nossas famílias, dando a cada um de nós força para não cair nas tentações e muita perseverança na fé, rezemos:

L3 – Por todas as comunidades que estão rezando, assim como nós estamos aqui, buscando acolher o Espírito Santo que nos ajuda a viver melhor a comunhão com Cristo, rezemos:

L4 – Para que a Campanha da Fraternidade deste ano continue a motivar todos os cristãos para que sejam atentos a todos os que sofrem por causa das doenças e juntos se encontrem formas de saúde para todos, rezemos.

(Outras preces da comunidade)

A – Acolhei, Senhor, as nossas preces; amparai-nos em nossas fraquezas, livrai-nos de todo o mal, aumentai a nossa fé e conservai-nos no caminho da salvação. De mãos dadas, em sinal da nossa unidade, rezemos:

T – Pai nosso que estais nos céus…

Maria caminha conosco

A – Com Maria aprendemos a viver em comunhão com Deus e com os irmãos. A oração da Mãe de Jesus é também modelo da oração do cristão que, seguindo o Pai-Nosso, começa erguendo o espírito a Deus:

T – “Minha alma exalta o Senhor e meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador” (Lc 1,46-47).

L1 – Depois de manifestar a alegria de sentir Deus presente em sua vida, Maria volta-se para as necessidades do povo e proclama a ação de Deus em favor dos mais necessitados:

T – Ele mostra a sua bondade a todos os que o respeitam… Ele sacia de bens os que têm fome e despede os orgulhosos de mãos vazias.

A – Ó Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe, voltai para nós o vosso olhar de amor.

T – Ensinai-nos a acolher Cristo em nossas vidas e nunca mais nos distanciarmos dele.

Oração final 

A – Nós vos agradecemos, Senhor nosso Deus, porque em vossa infinita bondade nos dais a graça de viver tão perto de vosso coração.

T – Ficai conosco, Senhor, pois longe de vós, nada poderemos fazer.

A – Queremos ser como Jesus, reparador dos estragos provocados pelos pecados.

T – Queremos ser sol e chuva para todos, sem perguntar se merecem, mas unicamente se precisam.

A – Fazei com que nosso coração seja um novo Sacrário, morada de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que nosso corpo seja um templo do Espírito Santo.

T – Guardai-nos de todo o mal, Senhor, e acompanhai nossos passos pelos caminhos que nos levam à feliz eternidade.

Ave Maria…, Glória ao Pai…

(Confirmar sempre o local e o horário da próxima novena).

 

Posted by: | Posted on: maio 18, 2012

7º Encontro da Novena de Pentecoste

Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.

(Para o dia 24 de Maio – Quinta-feira)

Oração inicial:

(Depois de acolher os participantes da novena, pode-se iniciar com um cântico).

A – Vamos iniciar esta novena invocando a Santíssima Trindade. Que nossos pensamentos sejam como os pensamentos de Deus Pai. Que nossos sentimentos sejam como os sentimentos de Jesus e que o nosso agir seja guiado pelo Espírito Santo:

T – Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

A – Nesta preparação para a festa de Pentecostes, queremos, em oração, ficar bem unidos com Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Espírito Santo nos dê a conhecer o rosto de Deus, fonte do amor e da bondade.

T – Vinde, Espírito Santo! Ensinai-nos a reconhecer a face de Cristo em nossos irmãos e irmãs. Vinde, Pai dos pobres, doador dos dons, luz dos corações. Fazei com que nossa oração nos aproxime mais do vosso mistério de amor.

Deus nos convida

A – Ao refletirmos, hoje, sobre esse pedido de perdão, precisamos aprender com Jesus a recompor a unidade através da reconciliação.

T – É preciso ser como Jesus, força que reúne o que está disperso, dividido por discórdias e falta de amor.

A – Jesus nos ensina a cuidar da vida com dedicação, do jeito que Deus-Pai cuida de cada um de nós e nos mostra o exemplo a ser seguido:

T – “Sede santos como o vosso Pai celeste é santo”.

A – Uma das exigências da fraternidade é o perdão. Devemos perdoar não só a quem merece o perdão, mas a quem dele precisa para ser libertado do peso das culpas e do isolamento.

T – “Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.

A – Queremos, no encontro de hoje, entender essas palavras de Jesus, pois, mais do que uma condição para o perdão elas nos exortam a viver a misericórdia, o amor que liberta e salva.

T – Queremos aprender sobre o amor, na escola de Jesus.

A Palavra nos orienta

A – Perdoar é curar feridas geradas pela falta de amor.

T – O perdão traz de novo a paz tanto para quem perdoa como para quem é perdoado.

Cântico de aclamação ao Evangelho

Proclamação do Evangelho (Lc 6, 37-42)

Reflexão

A – Ouvimos no Evangelho: “Não julgueis os outros e Deus não vos julgará; não condeneis e Deus não vos condenará”. Noutra passagem Jesus diz:

T – “Com a mesma medida com que medirdes, vós sereis medidos” (Mt 7, 2).

L1 – Jesus vincula o perdão do Pai ao esforço que devemos fazer para perdoar também a quem nos tem ofendido. Só recebe o perdão quem entra na dinâmica do amor, quem pelo menos se esforça para perdoar.

T – Isso não é ameaça, é um convite a entrar na dinâmica do amor.

L2 – No tempo de Jesus havia um costume de celebrar o ano do perdão. De sete em sete anos, todas as dívidas deveriam ser perdoadas.

T – E claro que não havia o mau costume de dar prejuízo aos outros.

L3 – Vejamos bem; quem toma dinheiro emprestado, contrai uma dívida e deve se esforçar para pagá-la. Quem ofende o outro, contrai uma dívida de amor e deve se esforçar para reparar a ofensa, ou seja, pagar a dívida de amor que contraiu.

T – Jesus parte desse costume do povo para ensinar sobre a reconciliação.

L4 – Naquele tempo, quem, mesmo se esforçando não conseguia pagar suas dívidas, recebia o perdão no ano do perdão, para recompor a fraternidade do povo.

T – Quem não conseguia pagar, mesmo tendo se esforçado para isso, alcançava o perdão.

A – Portanto, quando nos esforçamos para perdoar a quem nos ofendeu, se não conseguimos por nossos esforços, aí entra a misericórdia de Deus que nos dá o perdão, como lá acontecia no “ano do perdão”.

T – Só fica fora dessa dinâmica do amor quem se fecha com ódio no coração. Não perdoa e não se abre para ser perdoado.

A partilha nos enriquece

1 – Entendemos melhor o que significa “Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”?

2 – Quais as maiores alegrias que o perdão, dado ou recebido, traz para nosso coração?

Canto

A oração nos fortalece

A – Hoje aprendemos que o verdadeiro perdão é fruto da graça de Deus. Sozinhos nós somos fracos. Unidos com Deus nos tornamos fortes. Apresentemos nossas preces, confiantes na graça de Deus que pode transformar nossa vida:

L1 – Pela Igreja, sacramento de salvação, para que seja conduzida pelo Espírito Santo e anuncie o Evangelho não só com palavras, mas com atitudes de verdadeiro amor, rezemos:

T – Senhor, perdoai nossos pecados e ensinai-nos a perdoar.

L2 – Por todas as pessoas que carregam o coração ferido, cheio de mágoa e ressentimentos, para que se deixem curar pela graça santificadora de Deus, rezemos:

L3 – Pelos casais que sofrem por causa de incompreensões e até mesmo por infidelidades, para que encontrem, através do perdão, o caminho para recompor a paz na família, rezemos:

L4 – Por todas as pessoas que têm dificuldade para perdoar, para que confiem na misericórdia de Deus e busquem junto à cruz de Jesus a consolação de Deus-Pai, rezemos:

(Outras preces da comunidade)

A – Renovando nosso propósito de perdoar e buscar o perdão, recompondo a paz no coração e construindo a fraternidade no mundo, rezemos:

T – Pai nosso que estais nos céus…

Maria caminha conosco

A – Quando contemplamos Maria, a Senhora das dores, compreendemos a grandeza do seu amor e da sua confiança em Deus.

T – Ela soube confiar em Deus e por isso nunca perdeu a sua paz.

LI – Seus braços foram os primeiros a receber o corpo de Cristo na noite de Natal. Foram estes mesmos braços que, aos pés da cruz, receberam o corpo chagado e morto do Homem Deus.

T – No coração de Maria só reinava o amor.

A – Maria continuou serena e confiante mesmo quando parecia que Deus havia esquecido suas promessas de que Jesus seria grande, seria o Filho do Altíssimo e reinaria eternamente.

T – Ó Maria, Mãe das dores, curai os nossos corações machucados pelas ofensas. Ensinai-nos a grandeza de amar e perdoar.

Oração final

A – Nós vos agradecemos, Senhor nosso Deus, porque em vossa infinita bondade nos dais a graça de viver tão perto de vosso coração.

TFicai conosco, Senhor, pois longe de vós, nada poderemos fazer.

A – Queremos ser como Jesus, reparador dos estragos provocados pelos pecados.

TQueremos ser sol e chuva para todos, sem perguntar se merecem, mas unicamente se precisam.

A – Fazei com que nosso coração seja um novo Sacrário, morada de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que nosso corpo seja um templo do Espírito Santo.

T Guardai-nos de todo o mal, Senhor, e acompanhai nossos passos pelos caminhos que nos levam à feliz eternidade.

Ave Maria…, Glória ao Pai…

(Confirmar sempre o local e o horário da próxima novena).

Posted by: | Posted on: maio 17, 2012

6º Encontro da Novena de Pentecoste

Pai nosso que estais nos céus

(Para o dia 23 de Maio – Quarta-feira)

Acolhida e oração inicial

(Depois de acolher os participantes da novena, pode-se iniciar com um cântico).

A – Vamos iniciar esta novena invocando a Santíssima Trindade. Que nossos pensamentos sejam como os pensamentos de Deus Pai. Que nossos sentimentos sejam como os sentimentos de Jesus e que o nosso agir seja guiado pelo Espírito Santo:

T – Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

A – Nesta preparação para a festa de Pentecostes, queremos, em oração, ficar bem unidos com Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Espírito Santo nos dê a conhecer o rosto de Deus, fonte do amor e da bondade.

T – Vinde, Espírito Santo! Ensinai-nos a reconhecer a face de Cristo em nossos irmãos e irmãs. Vinde, Pai dos pobres, doador dos dons, luz dos corações. Fazei com que nossa oração nos aproxime mais do vosso mistério de amor.

 Deus nos convida

A – Prezados irmãos e irmãs, a Sagrada Escritura sempre nos lembra o convite amoroso que Deus nos faz para vivermos juntos como família. É freqüente a imagem do banquete, momento mais sagrado da partilha do pão e da amizade.

T – Deus nos convida para uma refeição em família. Quem partilha o pão partilha a vida.

A – Sentar-se à mesa e participar de uma refeição, é sinal de amizade e compromisso, de respeito e fidelidade. E por isso que nos Salmos encontramos o lamento de alguém que se sentiu traído e diz:

T – “Até aqueles que partilharam o pão em minha casa agora estão se voltando contra mim”.

A – Portanto, o que pedimos na oração do Pai-Nosso, “O pão nosso de cada dia nos dai hoje”, é ao mesmo tempo um pedido para que Deus nos dê o necessário para viver, mas é também um compromisso que estamos dispostos a assumir:

T – Quem recebe de Deus o pão de cada dia, deve corresponder a essa atitude de amor com gratidão e fidelidade.

A – Na Eucaristia, o banquete da vida, Jesus mesmo se fez Pão para sustentar a graça de Deus em nossos corações. Ele nos diz:

T – “Quem comer desse Pão viverá eternamente”.

A Palavra nos orienta

A – Pão é alimento, é fonte de vida. Na Eucaristia Cristo se faz alimento para nossa vida e vida eterna.

T – Em cada sacramento que celebramos, renovamos nossa comunhão com Cristo e nossa pertença à Comunidade-Igreja.

Cântico de aclamação ao Evangelho

Proclamação do Evangelho (Mc 14, 12-25)

 Reflexão

A – A Eucaristia, fonte e ponto alto da vida cristã, faz com que nossas paróquias sejam sempre comunidades eucarísticas que vivem sacramentalmente o encontro com o Cristo Salvador.

T – Em cada sacramento, celebramos uma etapa de nossa vida.

L1 – No Batismo celebramos a incorporação de um novo membro a Cristo e a seu corpo que é a Igreja.

T – Na Confirmação ou Crisma, o que celebramos?

L2 – Celebramos a confirmação do compromisso batismal e escolhemos pertencer de fato à Comunidade-Igreja.

T – E quando nos distanciamos da graça de Deus, como podemos buscar o perdão?

L3 – Na Penitência ou Reconciliação, celebramos a conversão que todos necessitamos para combater o pecado, que nos faz incoerentes com os compromissos batismais.

T – Quando experimentamos a fragilidade física, temos a Unção dos Enfermos.

L4 – Na Unção dos Enfermos celebramos nossa entrega nas mãos de Deus e o significado mais profundo de nossa pertença à comunidade de salvação.

T – Quem escolhe ser padre, recebe o Sacramento da Ordem.

L – No Sacramento da Ordem celebramos o dom do ministério apostólico que continua sendo exercido na Igreja para o serviço pastoral de todos os fiéis.

T – E para constituir famílias, dando continuidade à obra da criação, temos o Sacramento do Matrimônio.

A – No Matrimônio celebramos o amor entre o casal que, como graça de Deus, germina e cresce até a maturidade, atualizando a aliança de amor que fizeram ao se casar.

A partilha nos enriquece

1 – Nós temos valorizado os sacramentos como momentos de renovação da graça de Deus em nossas vidas?

2 – O que temos feito para que nunca falte o pão de cada dia na mesa dos pobres de nossa comunidade?

Cântico

A oração nos fortalece

A – Jesus nos ensina a buscar os dons de Deus e a zelar também pela vida de nossos irmãos e irmãs mais necessitados. Confiantes na bondade de Deus que sempre nos ampara em nossas fraquezas, apresentemos nossas preces:

L1 – Pela Igreja, para que saiba motivar todos os cristãos a viverem de maneira concreta a Eucaristia, partilhando o pão e a vida, rezemos:

T – Senhor Jesus, fazei nosso coração semelhante ao vosso.

L2 – Por todas as pessoas que dedicam a vida a serviço de Deus e dos irmãos, para que não se desanimem diante das incompreensões e até das calúnias, mas saibam confiar na graça de Deus que conduz as suas vidas, rezemos:

L3 – Por todas as pessoas que sofreram alguma decepção na comunidade, para que saibam reconhecer que as pessoas podem falhar, mas que Deus nunca falha em seu amor por nós, rezemos:

L4 – Pelo sacerdote que atende nossa comunidade e por todos os sacerdotes, para que sejam sempre iluminados pelo Espírito Santo e encontrem em nossa comunidade e em nossas famílias o acolhimento fraterno, rezemos:

(Outras preces da comunidade)

A – Rezando com Jesus queremos aprender com ele a buscar, junto com nossos irmãos, o pão de cada dia, valorizando a Eucaristia, o verdadeiro Pão da Vida, alimento que pode saciar de fato a fome da humanidade.

Rezemos:

T – Pai nosso que estais nos céus…

Maria caminha conosco

A – Quando Jesus, na cruz, disse a João “Eis aí tua Mãe” (Jo 19,27), não foi só a esse discípulo que a deixou. Logo após encontramos Maria orando com os apóstolos no cenáculo, à espera do Espírito Santo. Durante toda a história do cristianismo, Maria foi sempre a presença materna na família cristã.

T – Olhai por nós, ó Mãe querida. Abençoai e protegei nossas famílias.

L1 – Com o vosso carinho materno, ensinai-nos a olhar pelos irmãos e irmãs empobrecidos.

T – Ensinai-nos a partilhar o pão de cada dia. Pão que alimenta, pão da alegria, pão da fraternidade.

A – Intercedei a Deus por nós. Concedei-nos a graça de viver e crescer sempre em comunhão com Cristo e com os irmãos.

T – Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oração final

A – Nós vos agradecemos, Senhor nosso Deus, porque em vossa infinita bondade nos dais a graça de viver tão perto de vosso coração.

T – Ficai conosco, Senhor, pois longe de vós, nada poderemos fazer.

A – Queremos ser como Jesus, reparador dos estragos provocados pelos pecados.

T – Queremos ser sol e chuva para todos, sem perguntar se merecem, mas unicamente se precisam.

A – Fazei com que nosso coração seja um novo Sacrário, morada de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que nosso corpo seja um templo do Espírito Santo.

T Guardai-nos de todo o mal, Senhor, e acompanhai nossos passos pelos caminhos que nos levam à feliz eternidade.

Ave Maria…, Glória ao Pai…

(Confirmar sempre o local e o horário da próxima novena).

Posted by: | Posted on: maio 17, 2012

5º Encontro da Novena de Pentecoste

(Para a terça-feira, dia 22 de maio)

Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu

Acolhida e oração inicial

(Depois de acolher os participantes da novena, pode-se iniciar com um cântico).

A – Vamos iniciar esta novena invocando a Santíssima Trindade. Que nossos pensamentos sejam como os pensamentos de Deus Pai. Que nossos sentimentos sejam como os sentimentos de Jesus e que o nosso agir seja guiado pelo Espírito Santo:

T – Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

A – Nesta preparação para a festa de Pentecostes, queremos, em oração, ficar bem unidos com Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Espírito Santo nos dê a conhecer o rosto de Deus, fonte do amor e da bondade.

T – Vinde, Espírito Santo! Ensinai-nos a reconhecer a face de Cristo em nossos irmãos e irmãs. Vinde, Pai dos pobres, doador dos dons, luz dos corações. Fazei com que nossa oração nos aproxime mais do vosso  mistério de amor.

Deus nos convida

A – Ao celebrar este quinto dia da novena, chegamos ao meio da nossa caminhada para a festa de Pentecostes. Queremos estar como os apóstolos, em oração, para que venha também sobre nós o Espírito Santo.

T – Vinde, Espírito Santo, fortalecei a unidade da Igreja, família de Deus.

A – Como comunidade cristã, somos chamados a continuar as obras de Jesus, para que o mundo seja do jeito que o Pai planejou. O que garante a nossa união com Deus não são só as palavras, mas também as obras de amor.

T – “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus”.

A – Pertencer à família de Deus é colocar em prática o que pedimos na oração do Pai-Nosso:

T – “Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu”.

A – E Jesus mesmo nos diz: “Todo aquele que fizer a vontade de meu Pai, esse é meu irmão, é minha irmã, é minha mãe”.

T – Concedei-nos, Senhor, a graça de pertencer à vossa família.

A Palavra nos orienta

A – O convite de Deus é feito a cada um de nós, mas a resposta depende da nossa capacidade de corresponder à vocação que recebemos.

T – Que nossos ouvidos estejam atentos e que nosso coração acolha a Palavra de Deus.

Cântico de aclamação ao Evangelho

Proclamação do Evangelho (Mt 21, 28-32)

Reflexão

A – Para fazer a vontade de Deus, ou seja, para perseverar no caminho do bem, ninguém pode considerar-se forte pelas suas próprias forças, mas somente pela bondade e pela misericórdia de Deus.

T – Só quem experimenta o amor de Deus é capaz de amar como Jesus nos ama.

L1 – Não é vergonhoso conviver com as fraquezas. Jesus mesmo experimentou a fragilidade humana diante do sofrimento. Ele chegou a pedir ao Pai:

T – “Pai, se é possível, afaste-se de mim este cálice” (Mt 26, 39)

L2 – E para dar exemplo aos seus discípulos, para que eles não buscassem fazer a sua própria vontade, e sim a de Deus, Jesus acrescenta em seguida:

T – “Não se faça, porém, o que eu quero, mas o que tu queres”.

L3 – Noutra passagem Jesus diz: “Não desci do céu para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou” (Jo 6, 38).

T – Senhor, ajudai-nos a descobrir a grandeza do vosso amor e fazer sempre a vossa vontade.

L4 – Jesus sabe que fazer a vontade do Pai é agir em favor de cada um de nós, por isso ele diz: “E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que não se perca nenhum de todos aqueles que o Pai me entregou, mas que o ressuscite no último dia”.

T – Mesmo que nossas palavras sejam vacilantes, dai-nos, Senhor, firmeza para fazer a vossa vontade.

A – A vida de harmonia, fruto da vontade de Deus realizada no céu, inspira nosso esforço para construir, na terra, uma sociedade de Justiça e de Paz.

A partilha nos enriquece

1 – Em nosso agir, nós nos identificamos com qual dos filhos citados no Evangelho de hoje?

2 – O que consideramos mais importante para que a Igreja faça acontecer na terra a vontade de Deus?

Canto

A oração nos fortalece

A – Sabemos que a vontade de Deus é o que Cristo fez e ensinou: humildade na conduta, firmeza na fé, moderação nas palavras, retidão nas ações, misericórdia no relacionamento com as pessoas. Em oração, apresentemos a Deus nossas necessidades:

L1 – Para que sejamos mais abertos à ação do Espírito Santo e assim possamos trabalhar com humildade e alegria na obra de Deus, rezemos:

T – Ensinai-nos, Senhor, a fazer a vossa vontade.

2 – Por todas as pessoas que trabalham para promover a Justiça e a Paz, para que sejam sustentadas pela graça de Deus e possam contar com o apoio e a colaboração de toda a comunidade, rezemos:

L3 – Por todos os nossos parentes e amigos que já partiram para a eternidade, para que, tendo procurado fazer a vontade de Deus aqui na terra, participem com Cristo da glória eterna no céu, rezemos:

L4 – Por todas as pessoas que se dedicam a promover e defender a vida, ajudando os pobres, visitando os doentes e lutando pela justiça, para que sejam firmes na fé e perseverantes nas obras de caridade fraterna, rezemos:

(Outras preces da comunidade)

A – Dai-nos, Senhor, a graça de um coração aberto e acolhedor para fazer sempre a vossa vontade. Fazei-nos viver unidos com Jesus, em atitude de oração, com o coração voltado para a fonte do amor que é a Santíssima Trindade. Rezemos:

T – Pai nosso que estais nos céus…

Maria caminha conosco

A – No coração de Maria não havia lugar para mais nenhum desejo a não ser fazer a vontade de Deus, conforme ele lhe manifestava. Maria encontrou sua alegria em corresponder ao amor do Pai acolhendo com carinho o Filho que lhe foi confiado.

T – “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a vossa vontade”.

L1 – Maria canta a beleza de poder colaborar com Deus na obra de salvação de toda a humanidade. Ela sabe que o amor que Deus manifestou a ela será lembrado de geração a geração.

T – “Todas as gerações me chamarão de bem-aventurada”.

A – Assim como Maria esteve firme ao pé da cruz, assim como permaneceu em oração com os apóstolos, assim como viveu a alegria de Pentecostes, que Maria permaneça conosco, todos os dias de nossas vidas.

T – Guardai-nos, ó Mãe querida, sob a vossa maternal proteção.

Oração final:

A – Nós vos agradecemos, Senhor nosso Deus, porque em vossa infinita bondade nos dais a graça de viver tão perto de vosso coração.

TFicai conosco, Senhor, pois longe de vós, nada poderemos fazer.

A – Queremos ser como Jesus, reparador dos estragos provocados pelos pecados.

TQueremos ser sol e chuva para todos, sem perguntar se merecem, mas unicamente se precisam.

A – Fazei com que nosso coração seja um novo Sacrário, morada de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que nosso corpo seja um templo do Espírito Santo.

T Guardai-nos de todo o mal, Senhor, e acompanhai nossos passos pelos caminhos que nos levam à feliz eternidade.

Ave Maria…, Glória ao Pai…

(Confirmar sempre o local e o horário da próxima novena).

Posted by: | Posted on: maio 16, 2012

4º Encontro da Novena de Pentecoste

(Para ser realizada no dia 21 de Maio – segunda-feira)

Venha a nós o vosso Reino

Acolhida e oração inicial 

(Depois de acolher os participantes da novena, pode-se iniciar com um cântico).

A – Vamos iniciar esta novena invocando a Santíssima Trindade. Que nossos pensamentos sejam como os pensamentos de Deus Pai. Que nossos sentimentos sejam como os sentimentos de Jesus e que o nosso agir seja guiado pelo Espírito Santo:

T – Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

A – Nesta preparação para a festa de Pentecostes, queremos, em oração, ficar bem unidos com Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Espírito Santo nos dê a conhecer o rosto de Deus, fonte do amor e da bondade.

T – Vinde Espírito Santo! Ensinai-nos a reconhecer a face de Cristo em nossos irmãos e irmãs. Vinde Pai dos pobres, doador dos dons, luz dos corações. Fazei com que nossa oração nos aproxime mais do vosso mistério de amor.

Deus nos convida

A – O terceiro pedido que fazemos na oração do Pai-Nosso é:

T – “Venha a nós o vosso Reino”.

A – Nesta súplica, pedimos que se nos torne presente o Reino de Deus. Pedimos, pois, que aconteça entre nós, aquele Reino ao qual Jesus serviu com tanta dedicação e amor.

T – Somos convidados por Deus a passar pela vida fazendo o bem, do jeito que Jesus nos ensinou.

A – Somos convidados a viver na dinâmica do Reino de Deus que começa neste mundo e se plenifica na eternidade. Um dia queremos ouvir o que Jesus nos prometeu:

T – “Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo”(Mt 25, 34).

A – Só há um caminho para entrar no Reino prometido por Cristo, o caminho da fidelidade no amor.

T – Dai-nos, Senhor, a graça da perseverança na fé, para que jamais nos afastemos da vossa presença.

A Palavra nos orienta

A – No Reinado de Deus o poder é exercido pelo amor e se traduz em serviço fraterno. Jesus deixou-nos o exemplo.

T – Nossa missão é fazer acontecer entre nós o seu Reino.

Cântico de aclamação ao Evangelho

Proclamação do Evangelho (Lc 22,24-30)

Reflexão

A – Jesus estabelece a diferença entre os valores conhecidos no mundo e os novos valores do Reino de Deus. Para a maioria das pessoas, quem tem poder domina sobre os outros, mas Jesus nos diz:

T – “Entre vós não deve ser assim. Quem quiser ser o maior que seja o servo de todos”.

LI – No seguimento de Jesus Cristo, aprendemos a praticar as bem-aventuranças do Reino. Com Cristo aprendemos a viver o amor e obediência filial ao Pai, a compaixão frente à dor humana, aproximidade aos pobres e aos pequenos.

T – Contemplamos a vida de Cristo para conhecer o que ele fez e para aprender o que nós devemos fazer.

L2 – Damos graças a Deus porque sua palavra nos ensina que, apesar do cansaço que muitas vezes acompanha o nosso trabalho, quando unimos o trabalho e a oração, damos a nossa contribuição para a santificação pessoal e a construção do Reino de Deus.

T – Como Jesus foi fiel à missão que recebeu do Pai, nós também queremos ser fiéis à missão que recebemos no batismo.

L3 – Quem é ganancioso e explorador vai-se distanciando de Deus e encontra a sua própria perdição. Jesus nos deu o exemplo de amor, humildade e santidade.

T – Que nós também sejamos mais humildes, mais fraternos e nais santos.

L4 – Quem descobre a felicidade de servir a Deus na pessoa dos irmãos e irmãs, aprende a ser feliz por amar sem esperar nada em troca.

T – As pessoas podem falhar, mas Deus nunca abandona quem a ele busca servir com alegria.

A – Senhor, que aconteça, entre nós, o vosso Reino. Que o amor supere o ódio, que a paz prevaleça em nossos lares e comunidades, que a vossa presença santifique o nosso mundo.

A partilha nos enriquece

1 – Qual é a principal missão que recebemos em nosso batismo?

2 – O que podemos fazer para que sejam mais visíveis, entre nós, os valores do Reino de Deus?

Cântico

A oração nos fortalece

A – Rezemos para que, guiados pelo Espírito Santo, possamos seguir os passos de Jesus e fazer acontecer, entre nós, o Reinado de Deus.

L1 – Para que o Espírito Santo venha tocar o coração de todas as pessoas de nossa comunidade e que possamos cultivar a presença de Cristo através de uma convivência fraterna e amorosa, rezemos:

T – Dai-nos, Senhor, a graça de pertencer ao vosso Reino de amor.

L2 – Para que, alimentando o amor de Cristo em nossos corações, sejamos mais fraternos e acolhedores em nossas famílias e comunidades, rezemos:

L3 – Para que o nosso agir, tanto na comunidade como no dia-a-dia de nossa vida, revele ao mundo que somos cristãos e buscamos viver e atuar como continuadores da obra redentora de Cristo, rezemos:

L4 – Por todas as pessoas que sofrem em nossa comunidade; os doentes, os desempregados, os casais em dificuldade no relacionamento e as pessoas que ainda não se despertaram para a fé, para que sejam amparadas pela misericórdia de Cristo, rezemos:

(Outras preces da comunidade)

Maria caminha conosco

A – Senhor, vós sois a fonte do verdadeiro amor e a vossa maneira de exercer o poder é amando a todos nós. Dai-nos, pela presença do Espírito Santo, a graça de promover e defender a vida de nossos irmãos, tornando presente o vosso reinado de amor e serviço fraterno. Rezemos:

T – Pai nosso que estais nos céus…

A – A exemplo de Maria, Mãe de Cristo e nossa Mãe, precisamos acreditar que o Espírito Santo age em todos osseguidores de Jesus, em todos os que o buscam com sinceridade de coração.

T – Vinde, Espírito Santo, fazei nosso coração semelhante ao coração de Maria.

L1 – Para que o Reino de Deus aconteça entre nós, precisamos ter o coração aberto para acolher o amor do mesmo jeito que Maria acolheu Cristo em sua vida.

T – Ensinai-nos, ó Maria, a viver e crescer com Cristo, em família e em comunidade.

A – Devemos manifestar nossa fé através de gestos concretos para que aconteça a união entre os cristãos. Maria nos ensina que não podemos limitar o Dom de Deus como um privilégio pessoal, pois o Espírito Santo age para promover a unidade em Cristo.

T – “Fomos batizados num só Espírito para formarmos um só corpo”. 

Oração final

A – Nós vos agradecemos, Senhor nosso Deus, porque em vossa infinita bondade nos dais a graça de viver tão perto de vosso coração.

T – Ficai conosco, Senhor, pois longe de vós, nada poderemos fazer.

A – Queremos ser como Jesus, reparador dos estragos provocados pelos pecados.

T – Queremos ser sol e chuva para todos, sem perguntar se merecem, mas unicamente se precisam.

A – Fazei com que nosso coração seja um novo Sacrário, morada de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que nosso corpo seja um templo do Espírito Santo.

T – Guardai-nos de todo o mal, Senhor, e acompanhai nossos passos pelos caminhos que nos levam à feliz eternidade.

Ave Maria…, Glória ao Pai...

(Confirmar sempre o local e o horário da próxima novena).

Posted by: | Posted on: maio 16, 2012

3º Encontro da Novena de Pentecoste

(Para ser realizado no dia 20 de maio, domingo)

Santificado seja o vosso nome

Acolhida e oração inicial

(Depois de acolher os participantes da novena, pode-se iniciar com um cântico).

A – Vamos iniciar esta novena invocando a Santíssima Trindade. Que nossos pensamentos sejam como os pensamentos de Deus Pai. Que nossos sentimentos sejam como os sentimentos de Jesus e que o nosso agir seja guiado pelo Espírito Santo:

T – Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

A – Nesta preparação para a festa de Pentecostes, queremos, em oração, ficar bem unidos com Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Espírito Santo nos dê a conhecer o rosto de Deus, fonte do amor e da bondade.

T – Vinde, Espírito Santo! Ensinai-nos a reconhecer a face de Cristo em nossos irmãos e irmãs. Vinde, Pai dos pobres, doador dos dons, luz dos corações. Fazei com que nossa oração nos aproxime mais do vosso  mistério de amor.

Deus nos convida

A – Antes de fazer qualquer coisa Jesus se colocava em oração e invocava a bênção de Deus-Pai, para, em seguida, agir guiado pelo Espírito Santo.

T – Com a intimidade de Filho amado, Jesus chamava a Deus de “Abbá” que quer dizer: Paizinho.

A – Jesus veio ao mundo para nos mostrar o quanto Deus está próximo de nós e nos ensinar a viver o amor a Deus e aos irmãos.

T – Jesus dá início a uma nova fase da história, pois só através dele conhecemos a verdadeira face de Deus.

A – Em toda sua vida Jesus revelou a face do Pai. Ele mesmo disse: “Quem me vê, vê o Pai que me enviou”. Seu amor e sua bondade revelavam a presença de Deus, pois, onde está o amor, Deus aí está.

T – Ensinai-nos, Senhor, a mostrar a santidade do vosso nome, vivendo o amor, única forma de revelar a vossa presença.

A Palavra nos orienta

A – Pela boca de Zacarias o Espírito Santo fez ecoar palavras que revelam a grandeza do amor que Deus tem por nós.

T – Em cada pessoa que busca viver a fé, Deus renova sua presença na face da terra.

Cântico de aclamação ao Evangelho

Proclamação do Evangelho (Lc 1, 68-79)

Reflexão

A – Zacarias canta os motivos que temos para glorificar a Deus. Ele proclama o amor infinito de Deus que nos enviou seu próprio Filho para ser nosso Salvador.

T – “Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou seu povo e o libertou”.

L1 – Encantado com a graça de poder contemplar o Filho de Deus, Zacarias canta, bendizendo a Deus pelo que já fez na história e pelo que Deus vai realizar por meio do seu Filho que veio morar entre nós.

T – Deus é Santo, é perfeito no amor, e quer que todos nós sejamos santos também.

L2 – Quando, na oração do Pai-Nosso, fazemos o segundo pedido: “Santificado seja o vosso nome”, não estamos pedindo que o nome de Deus seja santificado pelas nossas orações, mas pedimos que o seu nome seja reconhecido como santo em todos os lugares.

T – Nós fomos santificados pelo batismo, por isso, devemos perseverar nesse caminho em que já demos os primeiros passos.

L3 – E Deus quem nos santifica. E ele que nos dá a graça de viver na sua presença e buscar crescer em santidade e amor. Santo Afonso, bispo e doutor da Igreja, ensina em seus escritos que toda santidade de uma pessoa consiste em amar a Jesus Cristo. Só o amor é o caminho possível para vivermos o chamado de Deus:

T – “Sede santos, porque eu sou santo”.

L4 – O Apóstolo São Paulo diz-nos que fomos santificados pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus. Portanto, santificar o nome de Deus é conservar, em nós, essa graça divina que do próprio Deus recebemos.

T – Quem vive com Cristo e se deixa guiar pelo Espírito Santo, faz com que o nome de Deus seja santificado entre nós.

A – Ajudai-nos, Senhor, a conservar em nós a graça da Santidade que recebemos pelo batismo. Que sejamos um só corpo e um só espírito, para a glória do vosso santo nome.

A partilha nos enriquece

1 – Segundo o nosso entendimento, o que significa ser santo?

2 – O que podemos fazer para que o nome de Deus seja santificado entre nós?

Cântico

A oração nos fortalece

A – Quando somos guiados pelo Espírito Santo, somos bondosos, compreensivos e fraternos. Confiantes na bondade de Deus, peçamos a graça de ter no coração os mesmos sentimentos que animaram a vida de Nosso Senhor Jesus Cristo:

L1 – Pelo Papa, pelos nossos bispos, pelo nosso pároco e por todas as pessoas que exercem alguma atividade na Igreja, para que santifiquem o nome de Deus, deixando-se guiar pelo Espírito Santo, rezemos:

T – Aumentai, Senhor, nossa capacidade de amar, para que seja santificado o vosso santo nome.

L2 – Por todos os jovens de nossa comunidade, para que sigam, com fé e confiança, o caminho do bem apontado por Nosso Senhor Jesus Cristo, rezemos:

L3 – Por todas as crianças, para que encontrem nas famílias um ambiente de amor e compreensão, favorecendo o crescimento no amor a Deus e aos irmãos, rezemos:

L4 – Por todas as pessoas que receberam o Sacramento do Batismo, para que vivam a fé com alegria e assim revelem ao mundo a santidade de Deus, rezemos:

(Outras preces da comunidade)

A – Ajudai-nos, Senhor, a viver com dignidade a nossa fé, sendo compreensivos na família, sendo amigos no trabalho e na escola, sendo atenciosos com quem precisa de nós, trilhando o caminho da santidade e santificando o mundo, pelo poder do vosso Santo Nome. Rezemos:

T – Pai nosso que estais nos céus…

Maria caminha conosco

A – Maria soube santificar o nome de Deus, pois, em tudo ela soube revelar o amor e a bondade do Criador de todas as coisas. Ela acolheu o Filho de Deus e fonte de toda santidade.

TEnsinai-nos, ó Maria, a acolher Cristo em nossas vidas.

L1 – Na Anunciação do Anjo, Maria ficou perturbada, sem saber o que estava para acontecer, mas confiou em Deus. Ela acolheu a ação do Espírito Santo em sua vida para que se realizasse a vontade do Pai do céu.

T – Ensinai-nos, á Mãe querida, a confiar sempre em nosso Deus.

L2 – Na visita a Isabel Maria já cantou, com alegria, a sua confiança em tudo o que Deus iria realizar no mundo, através de seu Filho Jesus. Ela anunciou, sob o impulso do Espírito Santo, o plano maravilhoso de salvação que Deus tem para todos nós.

T – Dai-nos, é Mãe, a vossa coragem e a vossa fé, para que possamos santificar o nome de Deus em toda a terra.

A – Com Maria queremos aprender a confiar em Deus e a fazer sempre a sua vontade.

TO desejo de Deus é que vivamos como irmãos, na santidade e na paz.

Oração final 

A – Nós vos agradecemos, Senhor nosso Deus, porque em vossa infinita bondade nos dais a graça de viver tão perto de vosso coração.

T – Ficai conosco, Senhor, pois longe de vós, nada poderemos fazer.

A – Queremos ser como Jesus, reparador dos estragos provocados pelos pecados.

T – Queremos ser sol e chuva para todos, sem perguntar se merecem, mas unicamente se precisam.

A – Fazei com que nosso coração seja um novo Sacrário, morada de

Nosso Senhor Jesus Cristo, e que nosso corpo seja um templo do Espírito Santo.

T – Guardai-nos de todo o mal, Senhor, e acompanhai nossos passos pelos caminhos que nos levam à feliz eternidade.

Ave Maria…, Glória ao Pai…

(Confirmar sempre o local e o horário da próxima novena).

Posted by: | Posted on: maio 15, 2012

2º Encontro da Novena de Pentecoste

(Para o dia 19 de Maio – Sábado)

Pai nosso que estais nos céus

Acolhida e oração inicial

(Depois de acolher os participantes da novena, pode-se iniciar com um cântico).

A – Vamos iniciar esta novena invocando a Santíssima Trindade. Que nossos pensamentos sejam como os pensamentos de Deus Pai. Que nossos sentimentos sejam como os sentimentos de Jesus e que o nosso agir seja guiado pelo Espírito Santo:

T – Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

A – Nesta preparação para a festa de Pentecostes, queremos, em oração, ficar bem unidos com Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Espírito Santo nos dê a conhecer o rosto de Deus, fonte do amor e da bondade.

T – Vinde, Espírito Santo! Ensinai-nos a reconhecer a face de Cristo em nossos irmãos e irmãs. Vinde, Pai dos pobres, doador dos dons, luz dos corações. Fazei com que nossa oração nos aproxime mais do vosso  mistério de amor.

Deus nos convida

A – Nesses dias da Novena, vamos rezar e refletir sobre os pedidos que Jesus nos ensina a fazer ao Pai, na oração do Pai-Nosso. São sete pedidos. O número sete significa totalidade, portanto, Jesus nos ensina a pedir tudo o que necessitamos.

T – Cada pedido que fazemos a Deus, desperta em nós o compromisso de canalizar nossa forças para fazer acontecer, entre nós, o que pedimos em oração.

A – Começamos a oração fazendo uma saudação e demonstrando uma atitude de fé:

T – Pai nosso que estais nos céus.

A – A palavra céus, no plural, indica todos os lugares. Portanto, proclamamos que Deus é Pai de todos nós e que ele está em todos os lugares.

T – Ensinai-nos, Senhor, a reconhecer a vossa presença em cada pessoa e em toda a natureza criada.

A Palavra nos orienta

A – O Salmo que vamos meditar hoje nos mostra que Deus se faz presente em todas as coisas por ele criadas. E o ponto alto da criação é a pessoa humana, criada à sua imagem e semelhança.

T – Senhor, ajudai-nos a reconhecer a vossa presença e caminhar sob a vossa proteção.

Cântico de invocação ao Espírito Santo

Leitura Bíblica (Salmo 139)

Reflexão

A – Todas as coisas criadas, o céu e a terra proclamam a glória de Deus. E coroando a criação está o ser humano, criado à imagem e semelhança do Criador.

T – “Senhor, se subo aos céus ou se me prostro nos abismos eu te encontro lá”.

LI – Só Deus pode conhecer todo o nosso ser. Só ele pode penetrar e conhecer os nossos pensamentos. Por isso, o Salmista suplica:

T – “Vede se estou no mau caminho e guiai-me pelo caminho da eternidade”.

L2 – Jesus, ao ensinar os discípulos a rezar, ensina também a conhecer a Deus como Pai e a proclamar que somos seus filhos e filhas.

T – Ao dizer Pai nosso, queremos lembrar que somos todos irmãos.

L3 – Que Deus nos dê um coração aberto para acolher nossos semelhantes como nossos irmãos; aqueles que trabalham ao meu lado, aqueles que nos incomodam no trânsito, aqueles que vêm ao nosso encontro só para pedir, aqueles que estão marginalizados pelas ruas.

T – Ensinai-nos, Senhor, a reconhecer a pessoa humana como o bem mais precioso de toda a criação.

L4 – E o Espírito Santo presente em nós que nos orienta para viver como filhos e filhas de Deus. Por isso, podemos dizer que é este mesmo Espírito que nos faz todos irmãos e irmãs.

T – Vinde, Espírito Santo, fazer de nós filhos amados de Deus- Pai e irmãos solidários uns dos outros.

A – Ajudai-nos, Senhor, a lembrar sempre que estás presente em todos os lugares; em todos os momentos de nossa vida, em todas as situações, olhando a cada um de nós com um amor infinito.

A partilha nos enriquece

1 – De que maneira nós percebemos a presença de Deus no mundo?

2 – Temos facilidade para sentir a presença de Deus nas coisas bonitas do mundo. Mas, como interpretamos a presença de Deus nas pessoas que sofrem?

Cântico

A oração nos fortalece

– Unidos como família de Deus, rezemos ao Pai para que possamos sentir pulsar o amor de Cristo em nossos corações. Confiantes no poder do Espírito Santo que conduz nossa vida, apresentemos as nossas preces.

L1 – Para que tenhamos ouvidos atentos e coração aberto para acolher a Palavra de Deus que pode transformar nossa vida, rezemos:

T – Senhor, transformai-nos, por vosso Espírito Santo!

L2 – Por todas as pessoas que vivem longe da Igreja, para que sejam atraídas pelo amor de Cristo revelado na comunidade, rezemos:

L3 – Por todas as pessoas que foram batizadas, para que busquem, através dos sacramentos, a renovação da graça de Deus em suas vidas, rezemos:

L4 – Por todas as pessoas que ainda não crêem em Jesus Cristo, para que o Espírito Santo toque os seus corações, despertando para a vivência da fraternidade humana, rezemos:

(Outras preces da comunidade)

A – Os dois mandamentos mais importantes da Lei de Deus são:

Amar a Deus e amar ao próximo. Pela oração fortalecemos nossa união com Deus e lhe prestamos culto, pelo serviço fraterno nós revelamos ao mundo que realmente somos de Deus e seguimos os mandamentos de Cristo. Renovando a comunhão com Deus e com os irmãos, rezemos:

T – Pai nosso que estais nos céus…

Maria caminha conosco

A – Maria está inserida na história da salvação como Mãe de Cristo e Mãe da Igreja. Através de Maria contemplamos a melhor maneira de viver como filhos e filhas de Deus.

T – Ser cristão é viver essa aliança de amor que une o céu e a terra.

LI – Em Maria de Nazaré se unem o testemunho das mulheres do Antigo Testamento e a esperança cristã daqueles que, crendo em Jesus, se colocam ao lado do povo no caminho da fé.

T – Quem, a exemplo de Maria, acolhe Cristo, busca viver o amor e promover a fraternidade.

L2 – A missão profética proclamada no Magnificat pela força do Espírito Santo atinge o seu ponto alto e se unifica em Jesus que se doa no calvário para ressuscitar no terceiro dia.

T – “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos”.

A – A misericórdia divina anunciada por Maria atualiza na história a palavra dos profetas enquanto proclama a ação misericordiosa de Deus. Essa ação de Deus se faz presente na pessoa de Jesus e se prolonga através dos seus seguidores, na vivência do amor, da justiça, do direito, da paz, da segurança; gerando abundância de bens e a alegria da liberdade.

T – Dai-nos, ó Mãe querida, a graça de revelar a presença de Deus em todos os lugares, em todos os momentos.

Oração final

A – Nós vos agradecemos, Senhor nosso Deus, porque em vossa infinita bondade nos dais a graça de viver tão perto de vosso coração.

TFicai conosco, Senhor, pois longe de vós, nada poderemos fazer.

A – Queremos ser como Jesus, reparador dos estragos provocados pelos pecados.

TQueremos ser sol e chuva para todos, sem perguntar se merecem, mas unicamente se precisam.

A – Fazei com que nosso coração seja um novo Sacrário, morada deNosso Senhor Jesus Cristo, e que nosso corpo seja um templo do Espírito Santo.

T Guardai-nos de todo o mal, Senhor, e acompanhai nossos passos pelos caminhos que nos levam à feliz eternidade.

Ave Maria…, Glória ao Pai…

(Confirmar sempre o local e o horário da próxima novena).