Bíblica

now browsing by tag

 
 
Posted by: | Posted on: maio 25, 2013

Cântico dos Cânticos

Capa do livro Cântico dos CânticosFrei Luís de León (1527-1591) não escreveu nenhum tratado místico, mas a tradução que realizou do Cântico dos Cânticos – livro fundamental para toda corrente mística – é de tão suntuosa beleza e simplicidade que poderíamos dizer que sua mística advém de seu competente exercício de tradução, que segundo alguns deve ter influenciado São João da Cruz em seu Cântico Espiritual. Frei Luis de León é uma figura essencial para a compreensão do Renascimento espanhol. Somado a isso, foi o primeiro grande autor acadêmico que correu em defesa da obra de Santa Teresa de Ávila

Posted by: | Posted on: março 7, 2013

TERNURA E MISERICÓRDIA DE DEUS (LUCAS 15,11-32)

Carlos Mesters e Mercedes Lopes

por CEBI Publicações

A PARÁBOLA DO PAI COM SEUS DOIS FILHOS

 No texto de hoje, vamos refletir sobre uma parábola que Jesus contou para ajudar as pessoas a se fazerem uma ideia de Deus como Pai cheio de ternura. No tempo de Jesus, a ideia que o povo se fazia de Deus era de alguém muito distante, severo, como um juiz que ameaçava com castigo. Jesus revela uma nova imagem de Deus.

SITUANDO

O capítulo 15 do Evangelho de Lucas é um ponto central na longa caminhada de Jesus para Jerusalém. É como o alto da serra, de onde se vê o caminho percorrido e se enxerga o caminho que ainda falta. É o capítulo da ternura e da misericórdia acolhedora de Deus, que está no centro das preocupações de Lucas. As comunidades devem ser a revelação do rosto deste Deus para a humanidade.

Read More …

Posted by: | Posted on: janeiro 22, 2013

Realização da Palavra

A Palavra de Deus, contida na bíblia, não é apenas uma descrição da história do povo do passado. Ela não é também como um museu sem vida, desarticulada da realidade dos novos tempos. É palavra inspirada, de iniciativa divina, que falava no Antigo Testamento, mas também tem sua força de atuação no cotidiano da nossa vida moderna. É sempre atual e passível de interpretação.

É importante agora escutar e dar atenção ao que ela apresenta como itinerário para a vida de cada pessoa. Deve ser lida, conhecida, refletida, meditada, contemplada e colocada na prática do nosso agir. Não podemos buscar na bíblia apenas informações frias, mas deve nos formar na justiça e na prática da fé.

Muitos leem a Sagrada Escritura somente por curiosidade, sem levar em conta que seu objetivo é de nos reforçar na prática cristã e no discipulado, no encontro com a Pessoa de Jesus Cristo. Portanto, ter intimidade com a Palavra, vendo nela uma força provocadora de ações novas de vida e de transformação da realidade.

A nossa história de vida deve estar constantemente se recomeçando. Isto significa que situações melhores na convivência são possíveis de acontecer. Uma luz para isto pode ser encontrada na Palavra divina, que mostra os condicionamentos do ser humano, como também sua capacidade de estar sempre se revitalizando.

A Palavra tem em nós uma força libertadora. E, se liberta, deve transformar. Ela nos faz conquistar o que seja melhor, uma felicidade duradoura, que só é capaz passando por enfrentamentos de verdade e de justiça. Não pode ser palavra que leve ao intimismo, ao tomar a letra pela letra e nem ao fundamentalismo.

Viver a Palavra de Deus é anunciar um caminho de libertação, de superação de todos os vícios e práticas que não condizem com o bem das pessoas. É ir ao encontro daqueles que passam por grandes necessitados, tendo isto como opção de vida pelos mais pobres e sofredores, daqueles que vivem na espera das migalhas que sobrem das mesas fartas de muitos irmãos.

Dom Paulo Mendes Peixoto – Arcebispo de Uberaba.

Posted by: | Posted on: setembro 29, 2012

Abertura do 1º. Simpósio de Animação Bíblica da Pastoral – CNBB/SUL 1

Quero saudar a todos os irmãos e irmãs, presbíteros, religiosas/os, diáconos, leigos/as, seminaristas, assessores/as vindos a este Simpósio de Animação Bíblica da Pastoral, organizado e articulado pela Comissão de Bíblia e Catequese do nosso querido Regional Sul 1 da CNBB, de 28 a 30 de setembro de 2012, na grande metrópole de São Paulo.

Em nosso Brasil, com grande criatividade, multiplicaram-se experiências de serviço missionário sustentadas pela Palavra. Muitas comunidades conservaram-se vivas e dinâmicas alimentadas somente pela Palavra. O Espírito Santo sustentou toda esta vitalidade. O que se propõe a seguir são linhas de ação orientadas a um novo passo: a animação bíblica de toda a pastoral.

Primeiramente é preciso reconhecer que os interlocutores da ação pastoral são sujeitos e não somente destinatários. De fato, não recebem a Palavra para guardá-la para si mesmos, mas para anunciá-la (cf. Is 50,4). Como recorda o Senhor: “O que vos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia; o que escutais ao pé do ouvido, proclamai-o sobre os telhados” (Mt 10,27). Sendo assim, interlocutores da animação bíblica da pastoral são todos os membros do Povo de Deus: os leigos, enquanto presença da Palavra de Deus em forma de “fermento na massa”; os consagrados enquanto presença da Palavra de Deus na vivência dos conselhos evangélicos; os ministros ordenados enquanto presença da Palavra de Deus no exercício do tríplice múnus de ensinar, santificar e governar. Todos os membros do Povo de Deus, no entanto, são chamados a dar testemunho de acolhida e vivência da Palavra.

Para acontecer uma animação bíblica da pastoral indicamos que se crie alguns espaços importantes tais como: Comissões, com uma organização funcional, que ofereçam uma rede de serviços e ajudas práticas, facilitando a efetiva animação bíblica da pastoral; Equipes de assessoria da animação bíblica da pastoral; e Formação bíblica permanente (no tempo), sistemática (no currículo) e profunda (nos conteúdos) para assessores e multiplicadores da animação bíblica da pastoral.

No Eixo da Formação: a animação bíblica da pastoral, enquanto Caminho de Conhecimento e Interpretação da Palavra, encontra na catequese seu espaço vivencial, pois “a atividade catequética implica sempre abeirar-se das Escrituras na fé e na Tradição da Igreja, de modo que aquelas palavras sejam sentidas vivas, como Cristo está vivo hoje, onde duas ou três pessoas se reúnem em seu nome (cf. Mt 18,20). A catequese deve comunicar com vitalidade a História da Salvação e os conteúdos da fé da Igreja, para que cada fiel reconheça que sua vida pessoal pertence àquela história”.[1]

No Eixo da oração: A animação bíblica da pastoral, enquanto Caminho de Oração com a Palavra e Comunhão, encontra na liturgia seu lugar privilegiado, em que Deus continua hoje a se comunicar com seu povo que escuta e responde. Cada ação litúrgica, por sua própria natureza, está impregnada da Sagrada Escritura. Nela “a Palavra de Deus é celebrada como palavra atual e viva”.[2]

No eixo do anúncio: A animação bíblica da pastoral, enquanto Caminho de Evangelização e Proclamação da Palavra, nos impulsiona à caridade (cf. 2 Cor 5,14). “A missão da Igreja não pode ser considerada como realidade facultativa ou suplementar da vida eclesial. (…) É a própria Palavra que nos impele para os irmãos: é a Palavra que ilumina, purifica, converte; nós somos apenas servidores. Por isso, é necessário descobrir cada vez mais a urgência e a beleza de anunciar a Palavra para a vinda do Reino de Deus. (…) Não se trata de anunciar uma palavra anestesiante, mas desinstaladora que chama à conversão, que torna acessível o encontro com Ele, através do qual floresce uma humanidade nova”.[3]

No início deste nosso Simpósio recordaria que o Sínodo sobre a Palavra e a Verbum Domini constituem um novo Pentecostes para a Igreja. Que assim aconteça, também, com a acolhida e a prática deste Documento. Nossos bispos nos exortam para que estas linhas de ação influam eficazmente na vida e na missão da Igreja, particularmente na Catequese, na Liturgia e no Testemunho da caridade, contribuindo, assim, para a vivência profunda da Fé, pois sabemos que a “Igreja funda-se sobre a Palavra de Deus, nasce e vive dela”.[4]

Somos, na verdade, consagrados e enviados para anunciar a todos a Palavra que é Cristo. Tendo-a escutado, respondamos “com a obediência da fé” (cf. Rm 1,5; 16,26) e “o ouvido do coração”,[5] a fim de que as nossas palavras, opções e atitudes “sejam cada vez mais uma transparência, um anúncio e um testemunho do Evangelho”,[6] e vivamos por Ele (cf. 1Jo 4,9).

Temos uma Boa Nova para anunciar ao mundo de hoje: a Palavra de Deus, Jesus Cristo, que está presente entre nós. Ele é mensagem de salvação e de vida. Com São Paulo, não queremos saber nem pregar outra coisa, a não ser Jesus Cristo, para nós sabedoria e poder de Deus (cf. 1Cor 2,2).

Que a intercessão de Maria, modelo de quem viveu a plena obediência da fé e escutou com o ouvido do coração. Ela é o ícone perfeito da fé bíblica, da escuta e do acolhimento generoso e disponível à vontade do Senhor. “A sua fé obediente face à iniciativa de Deus plasma cada instante da sua vida. Virgem à escuta, vive em plena sintonia com a Palavra divina”.[7] Ela teve a vida totalmente modelada pela Palavra.

Que este 1º. Simpósio de animação Bíblica da Pastoral, que declaro aberto nesta noite do dia 28 de setembro de 2012, traga a todos nós, participantes deste evento, luzes de Deus, no sentido de abraçarmos ainda mais a Palavra de Deus em nossa vida e em nossas comunidades espalhadas em nossas dioceses e em nosso Regional. Bom Simpósio e felicidades a todos e todas.

Dom Vilson Dias de Oliveira, DC

Bispo Referencial da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética – CNBB/Sul 1

Referências:

  • [1] VD 74.
  • [2] VD 52.
  • [3] VD 93 (cf. 90-98).
  • [4] Cf. VD 3.
  • [5] RB Prólogo,1.
  • [6] Cf. PDV 26.
  • [7] VD 27.

VD = Verbum Domini

Posted by: | Posted on: setembro 26, 2012

Bíblia: palavra que Alimenta a fé

Abre a boca e eu te sacio” (Ez 2,8)

A perspectiva de vida caminha à luz de nossa ótica. Místicos dizem que os olhos são as janelas da nossa alma, do nosso coração. São os nossos olhares que veem o mundo e o refletem em nossas escolhas e atitudes. (cf. Gn 21,19). Observa-se que a Bíblia, infelizmente, não pode mudar a realidade por si só, se mantida em casa como um livro empoeirado em nossas estantes. Mas quando lida e meditada nos ajuda a refletir, a tomar consciência e a fortalecer a fé. Tal ocorre com a palavra que sai da boca de Deus: ela não volta sem causar efeito. (cf. Is 55,11).

Desse modo, à medida que cremos e alimentamos a consciência sobre a Palavra de Deus contida na Bíblia, Palavra Viva no meio de nós, mudamos a nossa realidade e a de outros irmãos. A fé nos leva a pensar no outro, a sermos capazes de fazer algo pelos outros, a sermos solidários e a viver a caridade, elementos essenciais de nossa fé cristã. (cf. Mc 2,2-5; Lc 8,43-48; Mt 8,5-13).

A boca fala daquilo de que o coração está cheio” (Mt 12,34). Nosso coração está cheio de AMOR? O AMOR só estará em nosso coração se a Palavra de Deus for alimento para nós.

Abre a boca e eu te sacio” (Ez 2,8). Porque ainda vivemos insatisfeitos? Estamos por ventura, nutrindo nosso coração de palavras vãs? Nosso paladar, por acaso, não coincide com o de Cristo? Para alguns, a Palavra de Deus pode se tornar amarga se o seu coração não estiver aberto (cf. Ez 3,3b). Contudo, Deus o sabe! Ele conhece o coração de cada um e suas ovelhas ouvem a sua voz, Ele as conhece e elas o seguem (cf. Jo 10,27).

Marcelo Moura (seminarista) – Diocese de São João da Boa Vista – Estudante do 3º Ano do curso de Teologia – PUC Campinas/SP (agosto de 2012)

Posted by: | Posted on: setembro 17, 2012

Exortação Apostólica “VERBUM DOMINI” – Bento XVI

Apresentamos algumas das passagens mais representativas da exortação apostólica pós-sinodal Verbum Domini, de Bento XVI, que recolhe as conclusões do Sínodo dos Bispos realizado no Vaticano em outubro de 2008, sobre “A Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja”. Esse texto foi publicado inicialmente em novembro de 2010 pelo site ZENIT.org e hoje o estamos replicando em virtude do Mês da Bíblia. Essa exortação apostólica é de fundamental importância para os catequistas que são servidores da Palavra e portanto, todos deveriam estudá-lo, juntamente com “DEI VERBUM, Constituição Dogmática do Concilio Vaticano II.

Objetivo: “Desejo assim indicar algumas linhas fundamentais para uma redescoberta, na vida da Igreja, da Palavra divina, fonte de constante renovação, com a esperança de que a mesma se torne cada vez mais o coração de toda a atividade eclesial.” (n. 1)

Religião da Palavra, não do livro: “A fé cristã não ser uma ‘religião do Livro’: o cristianismo é a ‘religião da Palavra de Deus’, não de ‘uma palavra escrita e muda, mas do Verbo encarnado e vivo’.” (7)

Tradição e Escritura: “É a Tradição viva da Igreja que nos faz compreender adequadamente a Sagrada Escritura como Palavra de Deus.” (17)

Sagrada Escritura, inspiração e verdade: “A Sagrada Escritura é ‘Palavra de Deus enquanto foi escrita por inspiração do Espírito de Deus’. Deste modo se reconhece toda a importância do autor humano que escreveu os textos inspirados e, ao mesmo tempo, do próprio Deus como verdadeiro autor.” (19)

Deus escuta o homem: “É decisivo, do ponto de vista pastoral, apresentar a Palavra de Deus na sua capacidade de dialogar com os problemas que o homem deve enfrentar na vida diária. (…) A pastoral da Igreja deve ilustrar claramente como Deus ouve a necessidade do homem e o seu apelo.” (23)

Exegese: “No seu trabalho de interpretação, os exegetas católicos jamais devem esquecer que interpretam a Palavra de Deus. A sua tarefa não termina depois que distinguiram as fontes, definiram as formas ou explicaram os processos literários. O objectivo do seu trabalho só está alcançado quando tiverem esclarecido o significado do texto bíblico como Palavra atual de Deus.” (33)

Antigo Testamento e judaísmo: “A compreensão judaica da Bíblia pode ajudar a inteligência e o estudo das Escrituras por parte dos cristãos. (…) O Novo Testamento está oculto no Antigo e o Antigo está patente no Novo. (…) Desejo afirmar uma vez mais quão precioso é para a Igreja o diálogo com os judeus.” (41/43)

Bíblia e ecumenismo: “Na certeza de que a Igreja tem o seu fundamento em Cristo, Verbo de Deus feito carne, o Sínodo quis sublinhar a centralidade dos estudos bíblicos no diálogo ecumênico, que visa a plena expressão da unidade de todos os crentes em Cristo.” (46)

Traduções, serviço ao ecumenismo: “A promoção das traduções comuns da Bíblia faz parte do trabalho ecumênico. Desejo aqui agradecer a todos os que estão comprometidos nesta importante tarefa e encorajá-los a continuarem na sua obra.” (46)

Escritura e Liturgia: “Exorto os Pastores da Igreja e os agentes pastorais a fazer com que todos os fiéis sejam educados para saborear o sentido profundo da Palavra de Deus que está distribuída ao longo do ano na liturgia, mostrando os mistérios fundamentais da nossa fé.” (52)

A homilia: “É preciso que os pregadores tenham familiaridade e contato assíduo com o texto sagrado; preparem-se para a homilia na meditação e na oração, a fim de pregarem com convicção e paixão.” (59)

Celebrações da Palavra de Deus: “Os Padres sinodais exortaram todos os Pastores a difundir, nas comunidades a eles confiadas, os momentos de celebração da Palavra. (…) Tal prática não pode deixar de trazer grande proveito aos fiéis, e deve considerar-se um elemento importante da pastoral litúrgica.” (65)

Acústica: “Para favorecer a escuta da Palavra de Deus, não se devem menosprezar os meios que possam ajudar os fiéis a prestar maior atenção. Neste sentido, é necessário que, nos edifícios sagrados, nunca se descuide a acústica, no respeito das normas litúrgicas e arquitetônicas.” (68)

Canto litúrgico: “No âmbito da valorização da Palavra de Deus durante a celebração litúrgica, tenha-se presente também o canto nos momentos previstos pelo próprio rito, favorecendo o canto de clara inspiração bíblica capaz de exprimir a beleza da Palavra divina por meio de um harmonioso acordo entre as palavras e a música. Neste sentido, é bom valorizar aqueles cânticos que a tradição da Igreja nos legou e que respeitam este critério; penso particularmente na importância do canto gregoriano.” (70)

Atenção aos portadores de deficiência: “O Sínodo recomendou uma atenção particular àqueles que, por causa da própria condição, sentem dificuldade em participar ativamente na liturgia, como por exemplo os cegos e os surdos.” (71)

A animação bíblica da pastoral: “O Sínodo convidou a um esforço pastoral particular para que a Palavra de Deus apareça em lugar central na vida da Igreja, recomendando que ‘se incremente a pastoral bíblica, não em justaposição com outras formas da pastoral mas como animação bíblica da pastoral inteira’.” (73)

Dimensão bíblica da catequese: “A atividade catequética implica sempre abeirar-se das Escrituras na fé e na Tradição da Igreja, de modo que aquelas palavras sejam sentidas vivas, como Cristo está vivo hoje onde duas ou três pessoas se reúnem em seu nome.” (74).

Lectio Divina: “Nos documentos que prepararam e acompanharam o Sínodo, falou-se dos vários métodos para se abeirar, com fruto e na fé, das Sagradas Escrituras. Todavia prestou-se maior atenção à lectio divina, que ‘é verdadeiramente capaz não só de desvendar ao fiel o tesouro da Palavra de Deus, mas também de criar o encontro com Cristo, Palavra divina viva’.” (87)

Palavra de Deus e Terra Santa: “Os Padres sinodais lembraram a expressão feliz dada à Terra Santa: ‘o quinto Evangelho’. Como é importante a existência de comunidades cristãs naqueles lugares, apesar das inúmeras dificuldades! O Sínodo dos Bispos exprime profunda solidariedade a todos os cristãos que vivem na Terra de Jesus, dando testemunho da fé no Ressuscitado.” (89)

Anúncio e nova evangelização: “Há muitos irmãos que são ‘batizados mas não suficientemente evangelizados’. É frequente ver nações, outrora ricas de fé e de vocações, que vão perdendo a própria identidade, sob a influência de uma cultura secularizada. A exigência de uma nova evangelização, tão sentida pelo meu venerado Predecessor, deve-se reafirmar sem medo, na certeza da eficácia da Palavra divina.” (96)

Testemunho: “A Palavra de Deus alcança os homens através do encontro com testemunhas que a tornam presente e viva.” (97)

Compromisso pela justiça: “A Palavra de Deus impele o homem para relações animadas pela rectidão e pela justiça, confirma o valor precioso aos olhos de Deus de todas as fadigas do homem para tornar o mundo mais justo e mais habitável.” (100)

Direitos humanos: “Quero chamar a atenção geral para a importância de defender e promover os direitos humanos de toda a pessoa (…). A difusão da Palavra de Deus não pode deixar de reforçar a consolidação e o respeito dos direitos humanos de cada pessoa.” (101)

Palavra de Deus e paz: “No contexto atual, é grande a necessidade de descobrir a Palavra de Deus como fonte de reconciliação e de paz, porque nela Deus reconcilia em Si todas as coisas (cf. 2 Cor 5, 18-20; Ef 1, 10): Cristo ‘é a nossa paz’ (Ef 2, 14), Aquele que derruba os muros de divisão.” (102)

Palavra de Deus e proteção da criação: “O compromisso no mundo requerido pela Palavra divina impele-nos a ver com olhos novos todo o universo criado por Deus e que traz já em si os vestígios do Verbo, por Quem tudo foi feito (…). A arrogância do homem que vive como se Deus não existisse, leva a explorar e deturpar a natureza, não a reconhecendo como uma obra da Palavra criadora.” (108)

Internet: “No mundo da internet, que permite que bilhões de imagens apareçam sobre milhões de monitores em todo o mundo, deverá sobressair o rosto de Cristo e ouvir-se a sua voz, porque, ‘se não há espaço para Cristo, não há espaço para o homem’.” (113)

Diálogo inter-religioso: “A Igreja reconhece como parte essencial do anúncio da Palavra o encontro, o diálogo e a colaboração com todos os homens de boa vontade, particularmente com as pessoas pertencentes às diversas tradições religiosas da humanidade, evitando formas de sincretismo e de relativismo.” (117)

Diálogo e liberdade religiosa: “O respeito e o diálogo exigem a reciprocidade em todos os campos, sobretudo no que diz respeito às liberdades fundamentais e, de modo muito particular, à liberdade religiosa. Tal respeito e diálogo favorecem a paz e a harmonia entre os povos.” (120)

CLIQUE AQUI para abrir a Exortação Apostólica “VERBUM DOMINUM”

Posted by: | Posted on: setembro 5, 2012

Mês da Bíblia

A Igreja Católica tem dado especial destaque para o Livro Sagrado, de maneira toda especial, no mês de setembro, tendo como referência o patrono da bíblia, São Jerônimo, cuja memória é celebrada no dia 30 desse mês. Lembramos também a Semana da Pátria, torcendo sempre por um país preocupado com a liberdade e as condições dignas de seu povo.

Numa Nação de imensos contrastes e desigualdades sociais, que a Palavra de Deus seja tomada como ponto de convergência. Ela consegue abrir caminho para encurtar as distâncias entre quem acumula e quem vive marginalizado, seja cego, surdo, coxo, mudo ou os desprovidos do essencial para uma vida digna e saudável.

Num desenvolvimento autenticamente sustentável, que ocasiona o bem para o seu povo, não pode haver acepção de pessoas, tratando o de “anel de ouro e bem vestido” com privilégios e o pobre, de roupa surrada, com ostracismo e no abandono. Não podemos agir com critérios injustos, sabendo que a injustiça é fonte de desqualificação da vida, causando morte.

A prática de Jesus foi sempre aquela de acolhida, de valorização e respeito pela pessoa humana. Por isto era muito procurado pelos carentes e deficientes de seu tempo, e curava a todos, dando-lhes condição de normalidade e vida digna. Fez surdo ouvir e mudo falar. Não via nisto uma ação anormal e de vaidade, mas sim a realização do bem.

A bíblia é o livro de excelência, da verdade, livro da Palavra e não da “letra”. A verdade e a Palavra vão além do livro, porque devem estar presente no coração de cada pessoa, marcando sua vida e qualificando seu modo de proceder. É inadmissível a mentira, os atos desonestos e ações travestidas de aparente verdade.

Deixemos que a Palavra de Deus caia profundo em nossos corações e em nossas mentes. Assim a vida será melhor, com mais coragem e motivação para construir uma cultura de paz, de superação das influências maléficas da sociedade secularista e destruidora. Tenhamos a Palavra como fonte de vida fraterna e solidária.

Dom Paulo Mendes Peixoto – Arcebispo de Uberaba.

Posted by: | Posted on: agosto 27, 2012

Bíblia da Vozes em novas versões

A tradicional Bíblia Vozes, publicada a partir de uma profunda revisão exegética e literária feita diretamente do grego, agora está sendo apresentada em novas versões, destinadas a públicos específicos.

Além de trazer: a introdução geral e particular para cada um dos livros bíblicos e amplos apêndices (leituras usadas na liturgia dominical, festiva e ferial; índice temático; vocabulário de termos bíblicos; tabela cronológica da história bíblica; etc.

Estas edições temáticas trazem um caderno especial com orações, mensagens e reflexões, voltadas para cada público alvo. Além disso, há também a indicação de passagens bíblicas específicas do tema retratado. Tudo isso envolto por bela diagramação e capa.

As duas primeiras dessas edições são:


 “Bíblia Sagrada – Mulher”
 

destinada à reflexão e aprofundamento da fé das mulheres e também daqueles que querem ter uma visão bíblica a partir do que os textos sagrados falam sobre e para a mulher, abrindo uma nova ótica de leitura bíblica.

A Bíblia Sagrada – Mulher ajuda na Leitura Orante das mulheres que encontram nessa forma de oração o alimento espiritual que vai transformar sua vida.

 “Bíblia Sagrada – Matrimônio”

destinada à reflexão e aprofundamento do Sacramento do Matrimônio, seu compromisso e suas consequências na formação da família, a partir da teologia bíblica encontrada nos textos.

Para a Catequese e catequistas estas duas edições são muito importantes, pois ajudam na formação, contribuindo com uma leitura mais ampla dos textos, trazendo enfoques que muitas vezes são ignorados.

Posted by: | Posted on: agosto 14, 2012

Encontro diário com Deus – 2013

 Orações e mensagens

Frei Edrian Josué Pasini (org.)

Neste livro, o convite para nos encontrar com Deus é feito dia a dia, na escuta de sua Palavra, que podemos traduzi-la em vida nova, em ações concretas de paz e de bem. Nele você irá encontrar as Orações, Mensagens, Liturgia da Palavra de cada dia. Incluí ainda, o Evangelho de todos os dias de cada mês, durante o ano todo de 2013.