Mensagem do Papa Francisco aos participantes do Simpósio Internacional sobre Catequese

Posted by: | Posted on: julho 13, 2017

O Papa Francisco enviou uma mensagem aos catequistas reunidos no Simpósio Internacional sobre Catequese, que acontece em Buenos Aires, entre os dias 11 e 14 de julho de 2017.

Uma mensagem que compartilhamos com vocês pela sua beleza e profundidade. A tradução da mensagem foi feita pelo Blog da Catequese, pois o texto original foi publicado pelo Vaticano apenas em espanhol e italiano.

Após as saudações, o Papa Francisco escreve:

São Francisco de Assis, quando um de seus seguidores insistia para que o ensinasse a pregar, respondia-lhe desta forma: “Irmão, quando visitamos os doentes, ajudamos as crianças e damos comida aos pobres, já estamos pregando”. Nesta bela lição está compreendida a vocação e missão do catequista.

Em primeiro lugar, a catequese não é um “trabalho” ou uma tarefa externa à pessoa do catequista, mas se “é” catequista e toda a vida gira em torno desta missão. Na verdade, “ser” catequista é uma vocação de serviço na Igreja; que se recebeu como um dom do Senhor, que por sua vez, será transmitido aos demais. Por isso, o catequista deve constantemente regressar àquele primeiro anúncio ou “kerygma”, que é o dom que transformou sua própria vida. É o anúncio fundamental que deve ressoar sempre na vida do cristão, e mais ainda naquele que é chamado a proclamar e educar na fé. “Nada é mais sólido, mais profundo, mais seguro, mais denso e mais sábio do que esse anúncio” ( Evangelii Gaudium , 165). Este anúncio deve acompanhar a fé que já está presente na religiosidade do nosso povo. É necessário assumir todo o potencial de misericórdia e amor que envolve a religiosidade popular para se transmitir não apenas os conteúdos da fé, mas também para criar uma verdadeira escola de formação na qual se cultive o dom da fé que foi recebido, de modo que os atos e as palavras reflitam a graça de ser discípulos de Jesus.

O catequista caminha por Cristo e com Cristo, não é uma pessoa que parte de suas próprias ideias e gostos, mas se deixa olhar por Ele, com aquele olhar que inflama o coração. Quanto mais Jesus ocupar o centro de nossas vidas, tanto mais nos faz sair de nós mesmos, nos descentraliza e nos torna mais próximos dos outros. Esse dinamismo do amor é como o movimento do coração”, sístole e diástole’; Se concentra para encontrar-se com o Senhor e imediatamente abre-se para fora, saindo de si mesmo por amor, para dar testemunho de Jesus, falar de Jesus, e pregar Jesus. O exemplo Ele mesmo nos dá: ele se retirava para orar ao Pai e imediatamente saia ao encontro dos famintos e sedentos de Deus para curá-los e salvá-los. Daqui nasce a importância da catequese “mistagógica” que é o encontro constante com a Palavra e os Sacramentos e não algo meramente ocasional como prévia da celebração dos Sacramentos da iniciação cristã. A vida cristã é um processo de crescimento e integração de todas as dimensões da pessoa num caminho comunitário de escuta e de resposta. (cf.  Evangelii Gaudium , 166).

O catequista é também criativo; busca diferentes formas e meios para proclamar Cristo. É bonito crer em Jesus, porque ele é “o caminho, a verdade e a vida” ( Jo  14 : 6) que preenche nossa vida com alegria e júbilo. Essa busca de dar a conhecer Jesus como suprema beleza nos leva a encontrar novos sinais e formas para a transmissão da fé. Os meios podem ser diferentes, mas é importante manter em mente o estilo de Jesus, que se adequava às pessoas que tinha diante de si para aproximar delas o amor de Deus. É preciso saber “mudar”, adaptar-se para tornar a mensagem mais próxima, mesmo que ela seja sempre a mesma, porque Deus não muda, mas renova todas as coisas n’Ele. Na busca criativa para dar a conhecer Jesus, não devemos ter medo porque ele vai à frente de nós nesta tarefa. Ele já está no homem de hoje, e aí nos espera.

Caros catequistas, vos agradeço por aquilo que fazem, mas principalmente porque vocês caminham com o Povo de Deus. Encorajo-vos a ser mensageiros alegres, guardiões da bondade e da beleza que resplandecem na vida fiel do discípulo missionário.

Jesus vos abençoe e a Virgem Santa, verdadeira “educadora da fé”, cuide de vocês.

E por favor, não se esqueçam de orar por mim.

Cidade do Vaticano, 05 de julho de 2017

Francisco