EUCARISTIA – SACRAMENTO DO AMOR

Posted by: | Posted on: novembro 9, 2017

CONFRONTAR A VIDA COM O EVANGELHO:

Agora que refletimos sobre o verdadeiro significado da Eucaristia, nos perguntemos:

  • O que é preciso para participar do Banquete que o Senhor nos prepara em cada Missa?

No trecho do Evangelho de João (6,54-56), Jesus diz: 54”Quem come minha carne e bebe meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. 55Pois minha carne é verdadeira comida e meu sangue é verdadeira bebida. 56Quem come minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele”.

João afirma aqui que é preciso comer a carne de Cristo e beber o seu sangue.

Esta não é uma linguagem figurada, ao participar da comunhão eucarística, eu como e bebo, de fato, o corpo e o sangue de Cristo; e assim Jesus habita em mim, pois seu sangue corre em meu sangue e sua carne se une à minha carne.

Não podemos perder essa dimensão da Eucaristia.

Comer a Cristo é muito mais do que adiantar-nos distraidamente a cumprir o rito sacramental de receber o pão consagrado. Comungar com Cristo exige um ato de fé de especial intensidade, que se pode viver sobretudo no momento da comunhão sacramental, mas também em outras experiências de contato vital com Jesus.

O decisivo é ter fome de Jesus. Buscar no mais íntimo encontrar-nos com Ele. Abrir-nos à sua verdade para que nos marque com o seu Espírito e potencialize o melhor que há em nós. Deixar que Ele ilumine e transforme as zonas de nossa vida que ainda não foram evangelizadas[9].

  • Como nos preparamos para participar desse Banquete Celeste?

Quando vamos a uma Festa, nós buscamos sempre nos revestir com o melhor traje, pois isso mostra que estamos participando com vontade, com alegria, com prazer. Nós dedicamos tempo para nos preparar para aquela festa em especial.

Mas isso, não é só. Ao chegarmos no local, nós nos detemos a admirar a arrumação, os detalhes e a beleza do lugar. Nos confraternizamos com os outros convidados, mas principalmente nos apresentamos diante do dono da festa para entrar em comunhão com ele, pois estamos ali para celebrar com ele, alimentando nosso coração também com a sua alegria.

Assim, quando nos preparamos para celebrar a Eucaristia, a Missa, devemos fazer o mesmo, pois essa é a melhor Festa para a qual somos convidados. Devemos nos revestir do nosso melhor traje, não apenas externamente.

E ao nos congregarmos na Igreja, devemos estar atentos a tudo o que se prepara para nós:

No centro do espaço destinado à celebração encontra-se o altar, uma mesa coberta com uma toalha, que nos faz pensar num banquete. Junto ao altar é colocada uma cruz, que indica que naquele altar se oferece o sacrifício de Cristo: é Ele o alimento espiritual que ali recebemos, sob as espécies do pão e do vinho.

Ao lado do altar encontra-se o ambão, que é o lugar de onde se proclama a Palavra de Deus: e ele indica que nos reunimos ali para ouvir o Senhor que nos fala pelas Sagradas Escrituras, e, portanto, o alimento que recebemos é também a sua Palavra.

Na Missa, Palavra e Pão tornam-se uma só coisa, como na Última Ceia, quando todas as palavras de Jesus, todos os sinais que Ele tinha realizado, se condensaram no gesto de partir o pão e de oferecer o cálice, antecipação do sofrimento da cruz, a naquelas palavras: ‘Tomai e comei, isto é o meu corpo … Tomai e bebei, isto é o meu sangue.”[10]

Não basta estar presente na Igreja, não basta seguir as normas prescritas, não basta responder as orações, não basta fazer gestos, cantar, ouvir as leituras, ajoelhar-se; nada disso é suficiente para entrarmos em comunhão com Jesus.

É muito fácil assistir à missa e não celebrar nada no coração; ouvir as leituras correspondentes e não escutar a voz de Deus; comungar piedosamente sem comungar com Cristo; dar-nos a paz sem reconciliar-nos com ninguém[11].