Crise, de quem a culpa?

Posted by: | Posted on: junho 5, 2018
Dom Paulo Mendes Peixoto

O apóstolo Paulo afirma que em Adão “todos pecaram” (Rm 5,12). Seria o mesmo quando citamos a profunda crise que o Brasil vem enfrentando? De certa forma, todos nós temos um pouco de culpa, porque os que mais contribuem para essa situação são aqueles que elegemos nas eleições. No centro de tudo está o “deus dinheiro”, mas também a irresponsabilidade na administração pública.

A paralisação dos caminhoneiros tem uma dimensão e um alcance muito grande, porque reflete a indignação de quase todos os brasileiros. Não pecamos tanto para merecer pagar tantos tributos, tantos impostos, sem poder contar com os benefícios que deveriam vir daí! É o fruto do pecado causado pelas injustiças instituídas do Estado brasileiro, causando injustiça social e sofrimento do povo.

A presença soberana de Cristo na história do povo hebreu trouxe esperança para muitos. Ele evidenciou a possibilidade de superação do mal, do pecado, daquilo que fragiliza a identidade das pessoas. Não conseguimos visualizar um construtor de esperança para o Brasil. Estamos “perdidos” em relação às próximas eleições. Está diante de nós um grande desafio, o escolher quem salvar o país.

Se a culpa pela má administração está em todos nós, cabe-nos agora ter postura de responsabilidade. Em outubro vamos votar novamente. Estamos na hora de eliminar do cenário político nacional e estadual todos os envolvidos com a corrupção. Vão estar aí os mesmos do passado e não vão ser diferentes numa nova gestão. Escolhamos pessoas novas e isentas de corporativismo.

Lamentavelmente muitas pessoas sucumbem diante das fragilidades e tribulações. Mas esse não deve ser o caso das pessoas de fé, de esperança e centradas nos ensinamentos de Jesus Cristo. A atual crise econômica, a dissonância entre os políticos e o povo e o aumento dos combustíveis veem causando indignação, mas também exigem compromissos mais sérios da parte de todos os brasileiros.

No âmago da questão, não podemos confundir o bem com o mal. A paralisação é um bem, mas não foi assumida por todos e, por isso, não consegue mudar o Brasil para melhor, porque continuam os enriquecimentos ilícitos à custa da desonestidade e da injustiça. O bem verdadeiro acaba sendo sufragado pela mercantilização do mal e a esperança de um mundo melhor fica fragilizada.

[Dom Paulo Mendes Peixoto é Arcebispo de Uberaba]





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *