APOIO DO BLOG DA CATEQUESE AO PAPA FRANCISCO E AO VATICANO

Pope Francis leads a mass of Assumption of Mary from the papal summer residence in Castelgandolfo south of RomeNos últimos dias a mídia vem divulgando a publicação de dois livros que teoricamente falam sobre escândalos no Vaticano. E todos nós, cristãos católicos já conhecemos bem o empenho do Papa Francisco na reforma da Cúria Romana e no trabalho de moralização e transparência que deseja implantar no Vaticano desde a sua eleição. Por esse motivo é preciso que sejamos firmes em responder àqueles que desejam distorcer e denegrir a imagem da nossa Igreja. Não se trata de fechar os olhos e muito menos de esconder os fatos, mas de ter consciência de que os homens que muitas vezes se colocam em cargos decisivos mesmo dentro da Igreja são também pecadores e se contaminados pelas tentações do mundo devem responder por seus atos, sem que isso deva manchar a Igreja como um todo. As informações que são veiculadas nesses dois livros foram obtidas de forma ilícitas e com o claro objetivo de denegrir o trabalho que o Papa Francisco vem fazendo. Os responsáveis pela divulgação dessas informações são pessoas que, apesar de trabalharem no Vaticano, mostram não estar comprometidos com o projeto do Papa Francisco, mas ao contrário, terem a intenção de prejudicar o Papa e atrapalhar a implantação do seu projeto. Assim também, os jornalistas que publicam essas informações em livros, têm o único interesse financeiro, uma vez que muito vão lucrar com a venda dos referidos livros. Continue lendo

DESCRIÇÃO DO LOGO DO JUBILEU DA MISERICÓRDIA

logo-ano-misericordia

(para ver melhor o logo, clique sobre ele para abrir a imagem em tamanho normal)

O logotipo e o lema colocados juntos oferecem uma feliz síntese do Ano jubilar.

O lema “Misericordiosos como o Pai” (retirado do Evangelho de Lucas, 6,36) propõe viver a misericórdia no exemplo do Pai que pede para não julgar e não condenar, mas perdoar e dar amor e perdão sem medida (cfr. Lc 6,37-38).

O logotipo – obra do Padre jesuíta Marko I. Rupnik – apresenta-se como uma pequena suma teológica do tema da misericórdia. Mostra, na verdade, o Filho que carrega aos seus ombros o homem perdido, recuperando uma imagem muito querida da Igreja primitiva, porque indica o amor de Cristo que realiza o mistério da sua encarnação com a redenção.

O desenho é feito de tal forma que realça o Bom Pastor que toca profundamente a carne do homem, e o faz com tal amor capaz de lhe mudar a vida.

Além disso, um detalhe não é esquecido: o Bom Pastor com extrema misericórdia carrega sobre si a humanidade, mas os seus olhos confundem-se com os do homem. Cristo vê com os olhos de Adão e este com os olhos de Cristo. Cada homem descobre assim em Cristo, novo Adão, a própria humanidade e o futuro que o espera, contemplando no Seu olhar o amor do Pai.

A cena é colocada dentro da amêndoa, esta também uma figura cara da iconografia antiga e medieval que recorda a presença das duas naturezas, divina e humana, em Cristo.

Os três ovais concêntricos, de cor progressivamente mais clara para o exterior, sugerem o movimento de Cristo que conduz o homem para fora da noite do pecado e da morte. Por outro lado, a profundidade da cor mais escura também sugere o mistério do amor do Pai que tudo perdoa.

Papa apela para que fiéis não sejam “cristãos de vitrine”

Papa Francisco
O pontífice participou, por videoconferência, do Terço Mundial, quando a Basílica de Nossa Senhora Aparecida e mais nove santuários do mundo fizeram oração simultânea (Foto: JMJ 2013/Creative Commons)

O papa Francisco participou hoje (12), por meio de videoconferência, do Terço Mundial, quando por quase seis minutos, a Basílica de Nossa Senhora Aparecida e mais nove santuários de todo mundo participaram simultaneamente da oração. O pontífice pediu que os fiéis não sejam cristãos “de vitrine”. Continue lendo

Nossa Senhora de Fátima na Praça de São Pedro

Chegou ao Vaticano no início da tarde de hoje, sábado 12 de Outubro, a estátua de Nossa Senhora de Fátima. A venerada imagem é colocada na praça de São Pedro para as celebrações da jornada mariana presididas pelo Papa Francisco no âmbito das iniciativas para o Ano da fé. No final da tarde está programado um momento de oração e de catequese com a participação de milhares de fiéis, à qual se seguirá amanhã de manhã a celebração da missa, no final da qual o Santo Padre fará o ato de entrega a Nossa Senhora. Proveniente do santuário da Cova da Iria, a estátua foi transportada até o aeroporto romano de Fiumicino por um voo da companhia aérea portuguesa Tap proveniente de Lisboa. No desembarque foi entregue à Aeronáutica militar italiana, que providenciou à transferência de helicóptero para o Vaticano. Aqui teve lugar uma pequena procissão da imagem mariana, com paragens na capela do mosteiro Mater Ecclesiae, residência de Bento XVI, e na Domus Sanctae Marthae, onde foi acolhida pelo Papa Francisco.

Fonte: site L’Osservatore Romano – http://www.osservatoreromano.va/portal

A Igreja é mulher e mãe

Isabella Ducrot (2012)A Igreja é «mulher» e «mãe», recordou o Papa Francisco na manhã de 12 de Outubro, ao receber na sala Clementina os participantes no seminário de estudos promovido pelo Pontifício Conselho para os Leigos, por ocasião do 25º aniversário da Mulieris dignitatem de João Paulo II. Ao reiterar que através da maternidade Deus confiou à mulher «de maneira totalmente especial o ser humano», o Pontífice alertou contra o risco de reduzir esta dimensão a um simples «papel social» e contra o perigo de «promover uma espécie de emancipação que, para ocupar os espaços tirados ao masculino, abandona o feminino». A mulher — ressaltou — conserva «uma sensibilidade especial pelas “coisas de Deus”, sobretudo para ajudar a compreender a misericórdia, a ternura e o amor que Deus tem por nós». E também por isso a sua presença na Igreja deve ser mais valorizada, evitando em particular a transformação do seu «papel de serviço» numa simples tarefa de «servidão».

Fonte: site de L’Osservatore Romano – http://www.osservatoreromano.va/portal

Padre Lombardi oferece mais detalhes sobre renúncia do Papa

VATICANO, 11 Fev. 13 / 11:39 am (ACI/EWTN Noticias).- Em uma conferência de imprensa na Sala Stampa do Vaticano, o porta-voz da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, ofereceu à imprensa mais informações a respeito do anúncio da renúncia ao ministério petrino de Bento XVI, feito neste 11 de fevereiro pelo próprio Santo Padre em um consistório no Vaticano.

Pe. Lombardi citando o Cânon § 332 do código de direito canônico, que prevê a possibilidade que o Romano Pontífice renuncie de seu ofício.

No 28 de fevereiro às 20:00h, horário de Roma, o Papa vai se retirar oficialmente. A partir desse momento o período de “sede vacante”, terá início.

Em sua entrevista com Peter Seewald, o Santo Padre havia dito sobre a possibilidade de que um Papa renuncie. Quando um Papa chega à conclusão de que ele não pode mais realizar a missão confiada a ele, “ele pode e deve renunciar”, dizia o Papa ao jornalista alemão.

Lombardi prometeu mais detalhes nos próximos dias sobre como vai ser organizado o conclave que elegerá um novo Papa.

De acordo com o Pe. Lombardi, o Papa irá para Castel Gandolfo e depois ele se transladaria para um mosteiro dentro do Vaticano (habitado até agora por freiras de clausura) para uma vida de oração.

“Ele não vai, obviamente, participar do Conclave”, afirmou o porta-voz.

“O Papa deixará o cargo e os preparativos para o Conclave terão início”, disse o Pe. Lombardi. Por enquanto, tudo o que o Pe. Lombardi pôde afirmar é que o conclave teria início em março, e que a Igreja poderia ter um novo papa no tempo da Páscoa.

O anúncio de Bento no final do Consistório público para a promulgação da causa de três novos santos, foi como “um trovão em céu sereno”, afirmou o decano do Colégio Cardinalício, o Cardeal Angelo Sodano, em declarações reunidas pela Rádio Vaticano.

O anúncio foi feito em latim, e ao tomar a palavra, o Card. Sodano disse: “Santidade, recebemos sua mensagem quase que completamente incrédulos. Permita-me dizer-lhe, em nome de todos os seus colaboradores, que estamos mais do que nunca solidários com o senhor, como estivemos nesses luminosos oito anos do seu pontificado”.

O Decano do colégio cardinalício afirma que antes de 28 de fevereiro, dia em que Bento XVI deseja concluir seu serviço como Papa, “teremos modo de expressar-lhe melhor os nossos sentimentos”. “Certamente, as estrelas no céu continuam sempre brilhando e assim brilhará sempre em meio a nós a estrela do seu pontificado”, concluiu o Cardeal que ofereceu ao Pontífice um longo e caloroso abraço.

Fonte: ACI-DIGITAL – http://www.acidigital.com/noticia.php?id=24841

Papa Bento XVI anuncia a sua renúncia ao papado

Por CNBB / RÁDIO VATICANO

A Rádio Vaticano divulgou a informação de que o papa Bento XVI anunciou nesta segunda-feira que renunciará ao cargo no dia 28 de fevereiro. Eis o texto integral do anúncio:

“Caríssimos Irmãos, convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idôneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer de ânimo; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado. Por isso, bem consciente da gravidade deste ato, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20,00 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.
Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus”.

Vaticano, 10 de Fevereiro de 2013.

BENEDICTUS PP XVI

Morre cardeal Martini, um grande pastor da nossa Igreja

O cardeal italiano Carlo Maria Martini morreu nesta sexta-feira, em Milão, aos 85 anos, depois de ter encarnado entre os progressistas da Igreja católica a esperança de uma abertura maior ao mundo moderno, embora sempre tenha formulado suas críticas e propostas de forma sutil.

Eminente intelectual, especialista da Bíblia, autor de dezenas de livros e contribuições teológicas diversas, era muito respeitado para além da esfera progressista, tanto por João Paulo II quanto por Bento XVI, dois meses mais velho que ele, que o visitou em junho em Milão. O cardeal jesuíta sofria há 10 anos com o Mal de Parkinson.

Esta grande figura da Igreja esteve entre os “papabile” durante o conclave de abril de 2005 que elegeu finalmente Joseph Ratzinger. Mas suas posições a favor de uma instituição eclesiástica mais aberta e em diálogo com o mundo, assim como seu estado de saúde, enfraqueceram suas chances desde o início dos votos.

O cardeal, que nasceu no dia 15 de fevereiro de 1927 em Turim, foi ordenado sacerdote no dia 13 de julho de 1952. Exegeta de formação, foi nomeado pelo papa Paulo VI reitor do Instituto Bíblico, onde permaneceu até 1968, e depois reitor da prestigiada Universidade Pontifícia Gregoriana em Roma. No fim de 1979, João Paulo II o nomeou arcebispo de Milão, a maior diocese da Europa, que dirigiu por 22 anos.

Entre outras tomadas de posição, criticou duramente em 2008 a encíclica “Humanae Vitae” do papa Paulo VI, que rejeitava a contracepção, considerando que a Igreja se “afastou muito das pessoas”.

Sua opinião era muito ouvida dentro da Igreja pela acuidade de suas análises e por seu humanismo, e denunciou “a tentação” de alguns católicos de “se refugiar” em novos movimentos da Igreja, fornecendo a eles um “valor absoluto” e transformando-os em verdadeiras “ideologias”. Também denunciou as “novas pestes” da sociedade, como a droga, e também a corrupção e a solidão.

Considerava que uma “evolução” no âmbito do celibato dos sacerdotes era possível, sem que a Igreja de Roma renunciasse inteiramente ao tema, o que teria “consequências mais negativas que positivas”.

Amigo de João Paulo II, discordou dele em algumas questões, sobretudo morais. Trocou uma carta com o escritor Umberto Eco sobre a fé. Em 1999 “teve um sonho”: convocar um novo Concílio, um Vaticano III, porque achava que o Vaticano II (1962/65) estava, de certa forma, obsoleto. Em 2007 afirmou que não realizaria a missa em latim, quando ela foi autorizada novamente pela Igreja sob o papado de Bento XVI.

Antes de se aposentar, em julho de 2002, à idade canônica de 75 anos, realizou seu sonho: ir a Jerusalém. Neste ano também anunciou que sofria de Parkinson. Voltou à Itália em 2008, onde se retirou em uma casa de estudos jesuítas em Gallarate, no noroeste de Milão.

Notícia enviada por D. Vilson Dias de Oliveira, DC – Bispo da Diocese de Limeira

Nota do Blog da Catequese: 

O Cardeal Martini foi um Pastor lúcido e fiel à mensagem do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Foi um homem de Deus que jamais se deixou seduzir pela sede de poder. Mesmo sendo cardeal, nunca deixou de se dedicar a pregar retiros para as crianças que estavam na Catequese em sua arquidiocese. Foi um conceituado pregador que sempre baseou sua pregação na Palavra de Deus e na misericórdia para com os irmãos. Seus livros, muitos voltados à alimentar a espiritualidade dos cristãos, são uma verdadeira fonte de meditações transformadoras que nos ajudam a nos tornarmos melhor imagem de Jesus no mundo de hoje. Recomendo em especial o livro “Reencontrando a si mesmo”, publicado pelas Edições Paulinas em 1998. Um itinerário de meditação quaresmal que ajuda no crescimento e amadurecimento da Fé.