A LINGUAGEM DE UMA ORAÇÃO

Autor: Clemente Raphael Mahl

        Diz-se que, Hermano Contracto, um monge beneditino do século 11, sofria por ter um corpo deformado e que o mundo que então o cercava era o de grande miséria e de muitas doenças avassaladoras na Europa e que, apesar de tudo, ele era homem de fé inabalável e punha sua confiança em Maria, considerando-a intercessora junto a seu Filho, ambos capazes de transformar a grave situação para melhor. Compôs, então, em latim, a oração: Salve, Regina.

Salve, Regina, Mater misericórdiae, 

vita, dulcedo et spes nostra, salve.

Ad te clamamus, exsules filii Hevae.

Ad te suspiramus, gementes et flentes in hac lacrimarum valle.

Eia, ergo advocata nostra, illos tuos misericordes oculos

ad nos converte,

et Jesum benedictum fructum ventris tui,

nobis post hoc exilium ostende.

O clemens, o pia, o dulcis Virgo Maria.

        Quem a teria traduzido para o português? Não sabemos. O que sabemos é que a tradução é bastante fiel ao original. Continue lendo

Consagração de catequistas à Nossa Senhora

A ti, ó Mãe querida, quero consagrar a minha vida e a minha vocação. Consagro a ti o meu ministério, catequizar é a minha missão. Consagro os dons que de Deus recebi, consagro meu coração.

Consagro minha alegria de servir, o trabalho de minhas mãos. Consagro minha mente e minha boca, para que meus lábios proclamem com fé a minha devoção.

Tu que foste a primeira catequista, educando na fé o próprio Filho de Deus, intercede por mim a Jesus. Toma a minha mão e me leva até Ele, para que eu ande sempre pelos caminhos da Luz. Cobre-me com teu manto de amor, para que jamais desanime na caminhada, mesmo diante da cruz.

Ó Maria, mãe amada, abençoa minha jornada e ajuda-me a ser uma catequista dedicada. Agora e sempre, amém!