Subsídio para o Dia do Leigo

Estamos prestes e concluir mais um ano de buscas, conquistas, perdas e alegrias. Aproxima-se a Solenidade de Cristo Rei, o Senhor Rei da terra e do céu. Queremos seguir a este Rei que nos chama para um Reino diferenciado, que desafia os cristãos a um maior compromisso a favor da cultura da vida, da superação das desigualdades sociais e das diferenças no acesso aos bens indispensáveis à vida.

Renovando as esperanças e direcionando a vida pelas veredas corretas nesse mundo, vamos celebrar o dia dos cristãos leigos e leigas com animação, encanto e esperança. Pela graça do batismo, somos incorporados a este Reino anunciado por Jesus Cristo. O texto de Estudos da CNBB, Edição revisada e ampliada 107A (n.3), procura definir com simplicidade quem é o leigo cristão: O Concílio Vaticano II definiu o cristão leigo de maneira positiva e afirmativa a sua plena incorporação à Igreja e ao seu mistério. Segundo o texto da Lumem Gentium, “Estes fiéis foram incorporados a Cristo pelo Batismo, constituídos Povo de Deus e, a seu modo, feitos partícipes do múnus sacerdotal, profético e régio de Cristo, pelo que exercem sua parte na missão de todo o povo cristão na Igreja e no mundo”. (n.31). Continue lendo

Encontros de Oração pelas Vocações – 1º dia

[Estimados amigos, celebrando o Dia Mundial das Vocações, queremos oferecer a todos a oportunidade de aprofundar a reflexão sobre o Tema deste ano “As vocações, dom do amor de Deus”. Por isso, vamos publicar três encontros de oração que foram preparados pelo pessoal da Pastoral Vocacional da Diocese de Divinópolis, MG, sobre a Mensagem do Papa Bento XVI (que está na página Documentos deste Blog) para a celebração deste dia. O tema Vocação é inerente à Catequese, pois a educação na fé tem por objetivo primordial ajudar os cristãos a responderem ao chamado de Jesus. Por isso,´será muito importante que se façam esses encontros com os adolescentes e jovens que frequentam a Catequese de todas as etapas. Como a oração não é emuito longa, poderão ser feita como encerramento do encontro de Catequese, deixando para isso em torno de 30 minutos.]

CARTILHA DA MENSAGEM DO PAPA – 2012

01.  ACOLHIDA

L(uma pessoa da casa): Irmãos e Irmãs de caminhada, com muita alegria acolho vocês para iniciarmos nossas reflexões em torno do tema: As vocações, dom do amor de Deus. Sinceramente, desejo que renovemos nossa certeza de que a fonte de todo o dom perfeito é Deus, e Deus é Amor e “quem permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele” (1º Jo 4,16).

T: Fomos amados por Deus, ainda “antes” de começarmos a existir!

02. ORAÇÃO       

A: Neste nosso 1º encontro, invoquemos, sobre nós, nossos trabalhos e todos os membros da Pastoral Vocacional de nossa querida Diocese, as luzes do Divino Espírito Santo.

T: Vinde, Espírito Santo… 

CANTO: Nós estamos aqui reunidos, como estavam em Jerusalém. / Pois só quando vivemos unidos, é que o Espírito Santo nos vem.

– Ninguém para esse vento passando, ninguém vê, e ele sopra onde quer. / Sua força reúne a Igreja, numa nova maneira de ser.

– De diversas culturas congrega, este povo o Divino conduz; / como fogo que aquece e ilumina, nos confirma no Cristo Jesus.

03. MOTIVAÇÃO

L1: A mensagem do Santo Padre, inicialmente, nos quer lembrar que a verdade profunda da nossa existência está contida neste mistério admirável: cada criatura, e particularmente cada pessoa humana, é fruto de um pensamento e de um ato de amor de Deus, amor imenso, fiel e eterno.

T: É a descoberta deste fato que muda, verdadeira e profundamente, a nossa vida.

 L2: Numa conhecida página das Confissões, Santo Agostinho exprime, com grande intensidade, a sua descoberta de Deus, beleza suprema e supremo amor, um Deus que sempre estivera com ele e ao qual, finalmente, abria a mente e o coração para serem transformados.

T: Trata-se de um amor sem reservas que nos precede, sustenta e chama ao longo do caminho da vida e que tem a sua raiz na gratuidade absoluta.

A: Ouçamos, então, com o coração aberto, este belíssimo trecho de Santo Agostinho:

L3 (bem pausado): “Tarde Vos amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde Vos amei! Vós estáveis dentro de mim, mas eu estava fora, e fora de mim Vos procurava; com o meu espírito deformado, precipitava-me sobre as coisas formosas que criastes. Estáveis comigo e eu não estava convosco. Retinha-me longe de Vós aquilo que não existiria, se não existisse em Vós. Chamastes-me, clamastes e rompestes a minha surdez. Brilhastes, resplandecestes e dissipastes a minha cegueira. Exalastes sobre mim o vosso perfume: aspirei-o profundamente, e agora suspiro por Vós. Saboreei-Vos e agora tenho fome e sede de Vós. Tocastes-me e agora desejo ardentemente a vossa paz” (Confissões, X, 27-38).

Refrão (cantado): Ele me amou e se entregou por mim! (bis) / Ele me amou e se entregou por mim. Ele me amou… (2 X)

(tempo para reflexão pessoal – reler silenciosamente o texto acima)

04. ACOLHENDO A PALAVRA

Refrão Orante: Palavra de salvação, somente o céu tem pra dar / por isso o meu coração se abre para escutar! (bis)

* TEXTO BÌBLICO: 1ª Carta de João 4, 16 – 21

05. PARTILHANDO

a) De todo esse belíssimo texto de Santo Agostinho, qual frase mais me tocou? (repetir em voz alta)

b) Da mensagem de todo o texto, qual lição podemos tirar para nós e nossa caminhada como Pastoral Vocacional?

c) Por que é fundamental demonstramos, ao mesmo tempo, o amor a Deus e ao nosso próximo?

06. AVISOS

. Reforçar o dia, local e horário do próximo Encontro.

07. ORAÇÃO FINAL

A: Ao encerramos este nosso 1º Encontro, vamos demonstrar nossa alegria em termos nossos irmãos e irmãs como companheiros de caminhada.

(abraçar a quem está a seu lado e dizer): “Você foi amado(a) por Deus, antes mesmo de começar a existir!”

* Pai-nosso, Ave-Maria, Glória ao Pai.

* Canto final: à escolha do grupo.

Encontros de Oração pelas Vocações – 2º dia

01. ACOLHIDA

L(uma pessoa da casa): Mais uma vez, queridos irmãos e Irmãs em Cristo Jesus, sejam bem-vindos! Estamos reunidos para refletir o tema do 49º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, que foi celebrado no 4º domingo de Páscoa – 29 de abril, o domingo que carinhosamente é identificado como o do “Bom Pastor”.

T: As vocações, dom do amor de Deus!

02. ORAÇÃO

A: Para este nosso 2º encontro, invoquemos sobre nós, nossos trabalhos e todos os membros da Pastoral Vocacional de nossa querida Diocese, as luzes do Divino Espírito Santo.

T: Vinde, Espírito Santo…

CANTO: Nós estamos aqui reunidos, como estavam em Jerusalém. / Pois só quando vivemos unidos, é que o Espírito Santo nos vem.

– Ninguém para esse vento passando, ninguém vê, e ele sopra onde quer. / Sua força reúne a Igreja, numa nova maneira de ser.

– De diversas culturas congrega, este povo o Divino conduz; / como fogo que aquece e ilumina, nos confirma no Cristo Jesus.

03. MOTIVAÇÃO

L1: Cada vocação específica nasce da iniciativa de Deus, é dom do amor de Deus! É Ele quem realiza o “primeiro passo”, e não o faz por uma particular bondade que teria vislumbrado em nós, mas em virtude da presença do seu próprio amor “derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo” (Rm 5, 5).

T: Trata-se de um amor sem reservas que nos sustenta e chama ao longo do caminho da vida.

L2: Na abertura ao amor de Deus e como fruto deste amor, nascem e crescem todas as vocações. E é bebendo nesta fonte, durante a oração, através de uma familiaridade assídua com a Palavra e os Sacramentos, em especial a Eucaristia, que é possível viver o amor ao próximo, em cujo rosto se aprende a vislumbrar o de Cristo Senhor.

T: É a este amor que devemos abrir a nossa vida; cada dia, Jesus Cristo nos chama à perfeição do amor do Pai.

A: Vamos refletir, com bastante atenção, mais uma parte da mensagem do nosso Papa Bento XVI:

L3 (bem pausado): Em todo o tempo, na origem do chamamento divino está a iniciativa do amor infinito de Deus, que se manifesta plenamente em Jesus Cristo. Na história de amor que a Bíblia nos narra, Ele vem ao nosso encontro, procura nos conquistar – até a Última Ceia, até ao Coração trespassado na cruz, até às aparições do Ressuscitado e às grandes obras pelas quais Ele, através da ação dos Apóstolos, guiou o caminho da Igreja nascente”.

Refrão (cantado): Aquele que me chamou (bis), é fiel, é fiel! / Fiel é aquele que me chamou! (3 X) 

(tempo para reflexão pessoal)

04. ACOLHENDO A PALAVRA

Refrão Orante: Senhor, que a Tua Palavra, transforme a nossa vida / queremos caminhar com retidão na Tua luz! (bis)

* TEXTO BÍBLICO: Evangelho da Comunidade de João 13, 1 – 15

05. PARTILHANDO

a) Qual o sentido do Lava-pés para nós, hoje?

b) Enquanto membros da Pastoral Vocacional, o que mais temos aprendido de Jesus: será o Mestre e Senhor que se fez servo?

c) O nosso Papa reforça: amar a Deus e ao próximo – duas expressões do único amor. Como temos procurado ser fiéis a esta verdade?

06. AVISOS

. Reforçar o dia, local e horário do último Encontro.

07. ORAÇÃO FINAL                                                             

A: Ao encerrarmos este nosso 2º momento de reflexão, vamos, com alegria, abraçar e dizer a quem está ao nosso lado: “Onde não há amor, semeie amor e recolherá amor!”

* Pai-nosso; Ave-Maria; Glória ao Pai.

Encontros de Oração pelas Vocações – 3º dia

01. ACOLHIDA                       

A: Caros Irmãos e Irmãs em Cristo Jesus, sejam todos bem-vindos! Aqui estamos, como discípulos e missionários do Reino, mais uma vez reunidos. Que este momento nos ajude a ficarmos cada vez mais unidos a Deus e aos irmãos e irmãs.

T: Palavra, oração e Eucaristia constituem o tesouro precioso para se compreender a beleza duma vida totalmente entregue em favor do Reino.

02. ORAÇÃO

A: Neste nosso encontro final, sobre a Mensagem do nosso querido Papa para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações, invoquemos sobre nós, nossos trabalhos e todos os membros da Pastoral Vocacional de nossa querida Diocese, as luzes do Divino Espírito Santo.

T: Vinde, Espírito Santo…        

CANTO: Nós estamos aqui reunidos, como estavam em Jerusalém. / Pois só quando vivemos unidos, é que o Espírito Santo nos vem.

– Ninguém para esse vento passando, ninguém vê, e ele sopra onde quer. / Sua força reúne a Igreja, numa nova maneira de ser.

– De diversas culturas congrega, este povo o Divino conduz; / como fogo que aquece e ilumina, nos confirma no Cristo Jesus.

03. MOTIVAÇÃO

A: Agora, iremos “saborear” mais alguns ensinamentos de Bento XVI, presentes em sua Mensagem para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações:

(cada frase seja pronunciada bem pausadamente)

L1: “Na abertura ao amor de Deus e como fruto deste amor, nascem e crescem todas as vocações”.

L2: “O amor divino deve ser vivido, com particular vigor e pureza de coração, por aqueles que decidiram empreender um caminho de discernimento vocacional”.

L3: “O amor ao próximo, sobretudo às pessoas mais necessitadas e atribuladas, é o impulso decisivo que faz, de cada um de nós, geradores de comunhão entre as pessoas e semeadores de esperança.

T(cantando): De braços erguidos a Deus ofertamos, aquilo que somos e tudo que amamos. / Os dons que nós temos compartilharemos, aqueles que sofrem sorrir os faremos.

L4: “É importante que se criem, na Igreja, as condições favoráveis para fazer desabrochar muitos “sins”, respostas generosas ao amoroso chamamento de Deus”.

L5: “É tarefa da Pastoral Vocacional oferecer os pontos de orientação para um percurso frutuoso… Para isto, todos os seus membros devem se abrir constantemente à Palavra de Deus e cultivar uma oração pessoal e comunitária devota e constante”.

L6: “Mas o ‘centro vital’ de todo o caminho vocacional é a Eucaristia: é aqui, no sacrifício de Cristo, que o amor de Deus nos toca; e é aqui que aprendemos incessantemente a viver a ‘medida alta’ do amor de Deus.

T(cantando): Tua voz me fez refletir, deixei tudo pra te seguir, / nos teus mares, eu quero navegar! (bis)

04. ACOLHENDO A PALAVRA

A: A Bíblia Sagrada – Palavra de Deus na história da gente, falando da vida, será passada de mão em mão. Ao recebê-la, cada um irá beijá-la e erguê-la bem alto.

T(cantando): Cantemos, alegres, vibrantes, ergamos a Deus nossa voz, / acolhamos a sua Palavra que passa no meio de nós.

Refrão: Cantai, cantai, irmãos. Cantai, com amor e fé, / a Palavra de vida, aclamemos de pé! (bis)

– A Bíblia é o Livro Sagrado e que muitos livros contém. / Ela é a verdade inspirada, é o nosso viver, nosso amém.

– Ergamos, bem alto, a Bíblia que temos em nossas mãos. / Com um beijo firmemos a crença em que Deus abençoa, irmãos.

– Presente se faz na história por sua Palavra e ação. / Nosso Deus que caminha com o povo, presente se faz no irmão.

* TEXTO BÍBLICO: Evangelho da Comunidade de Lucas 5, 1 – 11

05. PARTILHANDO

A: Vamos fazer uma grande partilha, como resultado do que foram todos esses nossos momentos de reflexão: de que forma, bem concreta, a mensagem do Papa nos motiva para continuar servindo à Igreja na Pastoral Vocacional?

(motivar para que o maior nº de pessoas possa participar, dando sua breve opinião)

06. MOMENTO FINAL

A: Para bem encerrarmos este momento de reflexão, a pessoa que está aqui presente e que está há mais tempo na caminhada de nossa Pastoral Vocacional, irá invocar a benção de Deus para todos nós:

– Que o Senhor nos abençoe e nos guarde!

T: Amém.

– Que o Senhor faça brilhar o seu rosto sobre nós e seja compassivo!

T: Amém.

– Que o Senhor mostre para nós a sua face e nos conceda a sua paz!

T: Amém.                                        

* Pai-nosso; Ave-Maria; Glória ao Pai.

(canto final/confraternização)

Encontro de Oração para catequistas

Preparação: Escolher o dirigente do encontro, que poderá ser o coordenador(a) da Pastoral da Catequese, ou um(a) catequista que tenha boa formação bíblica. Quem atuar como dirigente deve ficar atento para que todos tenham a possibilidade de expor o que pensam e o que sentem, mas tendo o cuidado de deixar claro que a mensagem de Deus é para cada um, pessoalmente, impedindo que alguém dite conselhos para outros.

1. Acolhida: (acolhida e breve partilha das expectativas)
Dirigente: Deus nos chamou e nos reúne para rezarmos e meditarmos sobre a nossa vocação. Cada um vai se apresentar dizendo o nome e a motivação para estar aqui. Depois da a apresentação de cada três catequistas cantamos o refrão:
Eis-me aqui Senhor, eis-me aqui Senhor. Pra fazer tua vontade, pra viver no teu amor, eis-me aqui Senhor!

2. Oração inicial: (invocando a luz do Espírito santo)
Dir.- Estamos reunidos para orar, para refletir e meditar sobre nossa vocação. Para que fomos chamados? O que representa em nossa vida esse chamado? Qual a resposta que o Senhor espera? Como estou respondendo a esse chamado?
São tantas perguntas cujas respostas só dependem de nós mesmos, da maneira como acolhemos o chamado, como nos abrimos à Palavra de Deus, aos ensinamentos do Espírito Santo.
Iniciemos o nosso encontro invocando o Espírito Santo, para que venha nos conduzir à verdade plena.
Oração ao Espírito Santo (Há uma sugestão na página de Orações)

3. Escuta da Palavra: (leitura lenta e atenta, seguida por um momento de silêncio – para que a Palavra possa calar no coração. Repetir o texto em mutirão, tentando lembrar tudo o que foi ouvido)
Dir.- Vamos ouvir uma passagem do Evangelho de Jesus Cristo: (Sugestões de textos entre os quais se pode escolher: Mc 1, 16-20; Mc 8, 34-38; Lc 10, 1-11; Lc 12, 4-12; Lc 14, 25-35
a Após a leitura, todos ficam em silêncio, ruminando a Palavra
Vamos fazer com que esta palavra de Jesus cale profundamente em nós, repetindo alguns versículos que tenham um sentido forte para nós.

4. O sentido do texto: (trocar impressões e dúvidas sobre o sentido do texto. Se necessário, ler novamente e esclarecer-se mutuamente. Um momento de silêncio para assimilar tudo o que foi dito e ouvido)
Dir.- O que o texto diz?
5. O sentido para nós (ruminar o texto e descobrir o seu sentido atual. Aplicar o sentido, ligando-o com outros textos da Bíblia. Situar o texto no plano de Deus que se realiza na história)
Dir. – O que o texto me diz?
        O que Deus me diz através do texto?
6. Rezar o texto (Ler de novo o texto com toda a atenção. Momento de silêncio para preparar a resposta a Deus. Rezar o texto, partilhando as luzes e forças recebidas)
Dir.- O que o texto me faz dizer a Deus?
        Como outros responderam a Deus?
? Moisés: Ex 3,1-12
? Samuel  1Sam 3,1-18
? Jeremias: Jr 1,4-10.17-19
? O jovem rico: Mt 19,16-22
? Paulo: At 9,1-22

7. Contemplar, comprometer-se: (expressar o compromisso a que a Leitura Orante nos leva. Resumir tudo numa frase para levar consigo durante todo o dia)
Dir.- Como vou dar a minha resposta a Deus?
a Orações espontâneas, feitas a partir da frase construida

8. Um Salmo: (Escolher um salmo que expresse tudo o que foi vivido no encontro. Rezar o Salmo para encerrar o encontro)
Dir. – Pedir a bênção e a proteção de Deus e de Maria.

 

Como realizar um retiro de Catequese

Um retiro de Catequese deve ser um momento especial de
vivência da fé, onde o catequizando tem a oportunidade de sentir a presença de
Deus em sua vida de modo mais intenso.

Assim um retiro de catequese deve transpirar espiritualidade,
levando ao encontro consigo mesmo e com o Espírito que o anima.  Para isso, é importante que quem organize
esteja atento a todos os detalhes  que
podem propiciar o ambiente necessário a essa experiência.

Planejar, escolher, preparar, acolher, vivenciar e enviar  são ações imprescindíveis num retiro.

1.   
Planejar: “Quem se põe a construir
sem antes sentar para calcular…”(cf Lc 14,28). Para que um retiro seja uma
experiência de fé é preciso planejar bem, estabelecendo o
objetivo principal, o caminho a seguir, os meios para alcançá-lo.

Exemplo: um retiro para a vivência do perdão.

Objetivo: descobrir o perdão de Deus como dom gratuito de amor.

Caminho: evangelho do Filho pródigo – Lc 15, 11-24

Meios: encenação do evangelho, meditação, dinâmica de perdão.

2.    Escolher:
é preciso escolher quem, onde, quando e como tudo será feito.

Quem vai participar, quem vai se colocar a serviço, quem vai
assessorar, buscando pessoas da comunidade, que sejam próximas do processo
catequético e comunguem dos  mesmos
ideais da comunidade. De nada adianta levar pessoas importantes para falar aos
adolescentes e jovens se essas pessoas não falarem a mesma língua da comunidade
e não forem conhecidas por eles.

Aonde se realizará
o retiro, escolhendo um local que seja propício à meditação ao silêncio,
tranqüilidade. Um lugar que tenha espaço agradável, bonito e aconchegante, onde
os catequizandos se sintam bem.

Quando será  realizado o retiro, levando em conta que deve
ser num momento importante para a vida de fé. Ex.: um retiro para a vivência do
perdão  antes da celebração do sacramento
da penitência (alguns dias ou mesma algumas horas antes), dando sentido para
ambos.

Como realizar o
retiro, buscando os recursos materiais que irão dar condições para que tudo
corra bem e não falte nada.

3.    Preparar:
desde o convite para participar do retiro até a lembrança de despedida, tudo
deve ser preparado com antecedência e com muito amor. Fazer os convites com
capricho e carinho. Entregar esses convites pessoalmente. Preparar o ambiente
com flores, quadros, imagens que reflitam o tema. Preparar a alimentação, fazer
as mensagens de incentivo que vão ser entregues ao longo do dia. Essas mensagens  são estratégicas e ajudam a refletir.

4.    Acolher:
no dia do retiro, durante todo o tempo, os catequizandos  devem sentir-se acolhidos. O acolhimento não
pode ser restrito à chegada, quando recebem as boas vindas, mas deve ser
constante em todo tempo. Acolher é estar atento aos sentimentos e necessidades
de todos, é ter uma palavra amiga e carinhosa em todos os momentos, é ajudar
nas dificuldades de cada um.

5.    Vivenciar:
o retiro deve levar á vivência da espiritualidade, num processo crescente de
participação pessoal. É preciso que tudo colabore para que haja uma verdadeira
experiência de fé. Não uma catarse emocional coletiva, onde o que fica é apenas
uma emoção momentânea, mas uma experiência pessoal e profunda, que leve à confiança
plena em Deus.

6.    Enviar:
“Senhor, é bom estarmos aqui…” (cf. Lc 9,30) os participantes de um retiro sempre
se sentem felizes após essa experiência, mas não podem ficar parados, devem
descer a montanha e voltar para casa, para a vida cotidiana, onde serão
testemunhas do que vivenciaram e sentiram no mais íntimo, não por palavras, mas
com a vida transformada.