Sagrado Coração de Jesus

Para o dia da Festa do Sagrado Coração de Jesus, trazemos para vocês uma mensagem de Dom Eduardo Benes de Sales Rodrigues – Arcebispo de Sorocaba – com interpretação em Libras.

E também compartilhamos o link do blog “Catequistas em Formação” que traz a postagem da catequista Dinha Pinheiro, com a sugestão de um encontro de catequese cujo tema é o Sagrado Coração de Jesus. Para acessar o roteiro do encontro basta clicar no link abaixo

SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS – ROTEIRO DE ENCONTRO

Visita às famílias da catequese

A visita ás famílias que entregaram o pedido de catequese para seus filhos, que será realizada pelos catequistas, é de grande importância.Será o primeiro contato dos catequistas com seus catequizandos e suas famílias.

Havendo a possibilidade, o/a catequista deverá marcar a visita antecipadamente, por telefone, para que a família possa se programar, evitando que seja em horário inconveniente.

Também será muito bom se o/a catequista puder ir acompanhado por alguém da pastoral familiar (se houver na comunidade) ou por outro catequista. Lembrem-se: Jesus enviou os discípulos dois a dois (cf. Mc 6,7).

Essa visita tem por objetivo, além de levar informações e conhecer seus catequizandos, conhecer a realidade dessas famílias, saber se necessitam do apoio da comunidade para qualquer outra questão ou situação que estejam passando.

Uma comunidade catequizadora é responsável pelas famílias que catequiza e que deve cativar. Dar testemunho de Jesus é acolher o ser humano por inteiro, em todas as dimensões da sua vida, sem impor condições, apenas por solidariedade. (cf. Mc 2, 13-17; 5, 22-24.35-43; Mt 8, 5-13). É esse acolhimento integral e incondicional que atrai as pessoas para o encontro com Jesus e abre os corações à conversão.

Atividades para o Dia das Crianças.

Como o Dia das
Crianças é também Dia de Nossa Senhora Aparecida, podemos
fazer algumas atividades com as crianças que tenham como tema
Nossa Senhora Aparecida.

Essas
atividades não são para serem feitas durante a Celebração,
mas num salão ou pátio, com as crianças e pré-adolescentes.
Durante a festa para as crianças pode-se colocar estas
atividades:

Primeira
atividade: Quebra cabeça gigante

Preparação:
Se na comunidade tiver alguém com habilidade para desenho, peça
que essa pessoa faça um desenho de Nossa Senhora Aparecida em um
papel bem grande, ou em tecido, de modo que a imagem tenha
tamanho de 1 metro de altura. Caso não tenha quem faça esse
desenho, pode-se mandar fazer em uma oficina de faixas e banners
para propaganda. Essa imagem deverá ser colada em papelão ou
papel cartão grosso e depois recortada em vários pedaços (no
mínimo 1 pedaço para cada criança participante). Cortar de
forma irregular, para que sejam encaixadas depois como um quebra
cabeça. Esses pedaços não podem ser muito pequenos, mas ter um
tamanho suficiente para escrever atrás algumas frases. Numere as
peças na parte de trás, começando pelas que ficam em volta do
desenho e continuar seguindo a ordem de cada peça, deixando a
peça que tiver o rosto de Nossa Senhora por último.

À parte,
escreva a história do aparecimento de Nossa Senhora Aparecida em
frases (tantas frases quantos forem os pedaços). No Blog, na
História de Nossa Senhora Aparecida, há uma separação em
frases que pode ser usada). Depois copie cada frase nas peças,
seguindo a ordem das peças, de modo que a história estará
completa quando a imagem também estiver. Evite colocar o nome da
imagem nas frases. Somente na última peça ele será colocado.

Aplicação:
No dia da festa, convide as crianças para montar o quebra
cabeça, mas sem dizer de que se trata a imagem. Entregue uma
peça para cada criança (ou até duas peças para cada uma se
tiver mais peças que crianças, porém as peças entregues para
cada uma não devem ter numeração seguida.)

Depois que
todas as peças forem entregues, comece a montagem pela criança
que recebeu a peça número 1; ela deve ler a frase que está
atrás da sua peça e colocar no lugar. Pergunte se alguém sabe
dizer de que é a imagem. Continue a colocação das peças,
seguindo a ordem de numeração das mesmas, sendo que a criança
deve ler primeiro a frase da sua peça antes de colocá-la. Mesmo
que as crianças descubram de quem é a imagem continue com o
jogo até o final. Conclua a brincadeira cantando uma música de
Nossa Senhora Aparecida que todos saibam.

Segunda
atividade: Trilha de Nossa Senhora Aparecida

Preparação:
Primeiro prepare a história da imagem de Nossa Senhora Aparecida
em fichas, de modo que cada ficha da história corresponda a uma
casa da trilha e represente uma dificuldade ou um avanço ou a
permanência. (você encontra a história com as instruções no
Blog)

Providencie
também um dado grande para ser jogado durante o jogo (pode ser
feito de cartolina ou um dado desses de tecido e espuma por
dentro). Providencie também de seis a dez peões grandes (uma
para cada participante) que também podem ser feitos com
cartolina de cores variadas (cones de cartolinas diferentes).

No dia da
festa, desenhe no chão uma grande trilha, como do jogo que tem
esse nome, e divida essa trilha em várias casas, numerando cada
casa. No final da Trilha, coloque uma imagem de Nossa Senhora
Aparecida, mas deixe ela coberta, para que seja descoberta pelo
primeiro da equipe que chegar lá. (a sugestão de como separar a
história em fichas está no Blog, na História de Nossa Senhora
Aparecida)

Aplicação:
Se o número de crianças for grande, divida em equipes de seis a
dez participantes. Vai jogar uma equipe de cada vez, e depois
pode-se fazer um jogo com os vencedores de cada equipe. Comece
fazendo com que cada participante da equipe jogue o dado para
sortear a ordem de cada um durante as jogadas. O que tirar maior
número de pontos será o primeiro a jogar e assim por diante
até o último da rodada. O primeiro da equipe se coloca na
primeira casa e joga o dado, andando tantas casas quanto o
número que ficar para cima no dado. Chegando nessa casa vai ler
a ficha correspondente a ela e fazer o que a ficha indicar (avançar
algumas casas, voltar para trás ou ficar nessa casa mesmo).
Ganha o jogo quem chegar primeiro na última casa do jogo. O
prêmio poderá ser uma pequena imagem de Nossa Senhora Aparecida.

História de Nossa Senhora Aparecida

Essa história está em frases para que se possa usar no jogo de trilha e também podem ser usadas no
quebra cabeça
(retirando as frases que estão em vermelho).Esses jogos estão nas Atividades para o Dia das Crianças que sugerimos.

  1. A história tem o seu início em meados
    de 1717, quando chegou a Guaratinguetá a notícia de que o
    conde de Assumar, D. Pedro de Almeida e Portugal, governador da
    então capitania de São Paulo e Minas de Ouro, iria passar pelo
    povoado a caminho de Vila Rica, em Minas Gerais. –
    Você também vai
    esperar o conde, permaneça nesta casa até a próxima jogada
    .
  2. Querendo oferecer ao conde o melhor pescado que
    pudessem os pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João
    Alves foram para o rio Paraíba do Sul e lançaram as suas redes.
    -
    Você
    vai pescar com eles, avance uma casa
  3. Depois de muitas tentativas infrutíferas,
    descendo o curso do rio chegaram ao Porto Itaguaçú, no dia 12
    de outubro. –
    A pesca não deu resultados, volte duas casas.
  4. Já sem esperança, João Alves lançou a
    sua rede nas águas e apanhou o corpo de uma imagem de Nossa
    Senhora da Conceição sem a cabeça. -
    Você esperar para ver
    o que acontece, continua no mesmo lugar
    .
  5. Em nova tentativa apanhou a cabeça da
    imagem. Envolveram o achado em um lenço. Daí em diante, os
    três humildes pescadores pescaram muitos peixes.
    Isso foi um milagre,
    avance 3 casas
    .
  6. Com o barco repleto de peixes voltaram
    para casa levando junto o corpo e a cabeça da imagem encontrada.
    -
    Você
    está voltando com eles para casa,avance 2 casas
    .
  7. Durante quinze anos a imagem permaneceu
    na residência de Filipe Pedroso, onde as pessoas da vizinhança
    se reuniam para rezar. –
    Você também vai rezar, permaneça nessa casa.
  8. A devoção foi crescendo entre o povo da
    região e muitas graças foram alcançadas por aqueles que oravam
    diante da imagem. –
    Você fica feliz com isso, avance uma casa.
  9. A fama dos poderes extraordinários de
    Nossa Senhora foi se espalhando pelas regiões do Brasil e muitas
    outras pessoas das vizinhanças vinham rezar ali.
    Você vai ajudar,
    avance uma casa
    .
  10. Certa noite que o tempo estava sereno,
    repentinamente as duas velas que iluminavam a Santa se apagaram
    e houve espanto entre os devotos. –
    Você quer ver o que acontece,
    continue nessa casa
    .
  11. Silvana da Rocha quis acendê-las
    novamente, mas nem tentou, pois elas acenderam por si mesmas. Foi
    o primeiro milagre, ocorrido por volta de 1733. -
    Você correu para
    contar aos outros, avance duas casas.
  12. A casa ficou pequena para tanta gente que
    vinha rezar. A família construiu um oratório no Porto de
    Itaguaçu. –
    Você
    vai ajudar na construção, continue nessa casa
    .
  13. Por volta de 1734, o vigário de
    Guaratinguetá construiu uma capela no alto do morro dos
    Coqueiros, com a ajuda do filho de Felipe, ela foi aberta
    visitação pública em 26 de julho de 1745. –
    Você também vai para
    lá, avance 3 casas.
  14. Em 20 de abril de 1822, em viagem pelo
    Vale do Paraíba, Dom Pedro I e sua comitiva visitaram a capela e
    a imagem de Nossa Senhora. –
    Você também quer ver o príncipe
    regente, espere nessa casa.
  15. Em 1834 foi iniciada a construção de
    uma igreja maior para acomodar e receber os fiéis que tinham
    aumentado muito. -
    Você vai ajudar na construção, permaneça
    nessa casa por duas jogadas
    .
  16. Em meados de 1850, um escravo chamado
    Zacarias, preso por grossas correntes, ao passar pela igreja onde
    se encontrava a imagem de Nossa Senhora, pede ao feitor
    permissão para rezar. –
    Você está curioso, fique nessa casa.
  17. Recebendo autorização, o escravo se
    ajoelhou diante de Nossa Senhora e rezou fervorosamente. Durante
    a oração, as correntes, milagrosamente, soltaram-se de seus
    pulsos deixando Zacarias livre. –
    Você correu para contar o milagre
    para todos, avance duas casas.
  18. Certo dia, um cavaleiro de Cuiabá,
    passando pelo lugar a caminho de Minas Gerais, viu a fé dos
    romeiros e começou a zombar. –
    Você deu risada com ele, não vai
    jogar por duas rodadas
    .
  19. O cavaleiro dizia que aquela fé era uma
    bobagem. Quis provar o que dizia, entrando a cavalo na igreja.
    Logo na escadaria, a pata de seu cavalo se prendeu na pedra da
    escada e derrubou o cavaleiro de seu cavalo. –
    Você também caiu com
    ele, não vai jogar na próxima rodada
    .
  20. Depois desse fato, a marca da ferradura
    ficou cravada na pedra. O cavaleiro arrependido pediu perdão e
    se tornou devoto. -
    Você ficou contente com o milagre, avance uma
    casa
    .
  21. A Igreja que estava sendo construída foi
    solenemente inaugurada e benzida no dia 8 de dezembro de 1868,
    quando esteve presente a princesa Isabel. -
    Você vai participar
    da festa, fique ai por duas rodadas
    .
  22. Em 6 de novembro de1888, a Princesa
    Isabel visitou novamente a basílica e ofertou à santa, em
    pagamento de uma promessa, uma coroa de ouro cravejada de diamantes e rubis,
    juntamente com um manto azul, ricamente adornado. –
    Você está admirando
    os presentes; fica nessa casa
    .
  23. No dia 8 de setembro de 1904, a imagem
    de Nossa Senhora foi coroada com a riquíssima coroa doada pela Princesa
    Isabel e foi colocado o manto anil, bordado em ouro e pedrarias,
    símbolos de sua realeza.
    Você vai à festa, avance uma casa.
  24. Nossa Senhora da Conceição Aparecida,
    foi proclamada Rainha do Brasil e sua Padroeira Oficial em 16 de
    julho de 1930, por decreto do Papa Pio XI. -
    Você já sabe de quem
    é esta história, avance uma casa
    .
  25. No dia 30 de junho de 1.980, foi
    decretado oficialmente como feriado nacional o dia 12 de outubro,
    dedicando este dia à devoção de Nossa Senhora Aparecida e
    reconhecendo-a oficialmente como padroeira dos Católicos do
    Brasil. –
    Parabéns,
    você chegou ao fim da jornada. Pode descobrir a imagem de Nossa
    Senhora
    .

Passa ou repassa!

A
catequista Andreza Cristina Maciel, da Paróquia Nossa Senhora do
Rosário, na Vila Tesouro, em São José dos Campos – SP, que
também tem um Blog de Catequese no endereço
http://catequesetesouro.blogspot.com/ postaram um joguinho para a
Catequese e nos autorizaram a partilhar esse jogo com todos
vocês. Tenho certeza de que vocês poderão aproveitar bem e
até aprimorar em suas comunidades.

“Este
joguinho é feto no último encontro do mês, englobando
perguntas sobre os assuntos trabalhados com as crianças.
Normalmente se coloca uma pergunta para completar um versículo
bíblico; o catequista diz o nome do livro, capítulo e
versículo. Coloca também duas perguntas sobre a missa, e/ou
pede para cantarem uma música. É claro que tudo isso vai variar
de acordo com os temas dos encontros realizados durante o mês.
Você pode preparar uma lembrancinha para a equipe vencedora do
dia ( um cartãozinho, um saquinho de balas,etc) e um prêmio
melhor para o final do ano, já que podemos ter os pontos
acumulados durante o ano, numa maneira de incentivá-los a não
faltar nem ficar sem prestar atenção aos encontros. A
experiência das catequistas que aplicam esse jogo é de que
algumas crianças estudam o conteúdo dos encontros pra “ganhar
o jogo ” e esperam ansiosas pelo dia do joguinho.”

Jogo
do Passa ou Repassa

Material:
Um bonito cartaz feito com 12 envelopes numerados. Cada envelope
deve conter uma pergunta. Se não for possível fazer o cartaz
usem os envelopes soltos mesmo, embora o cartaz chame mais
atenção.

Objetivos:
Avaliar o conhecimento adquirido durante os encontros e estimular
as crianças a não faltarem à Catequese e às Missas.

OBS:
lembrem-se que Catequese é educação da fé, portanto as
perguntas devem levar a respostas que mostrem conhecimento e
comprometimento com o seguimento de Jesus.

As regras:

1. Dividir a turma em duas
ou mais equipes, com 6 ou 7 membros cada uma;

2. Sortear pra ver qual a
ordem de participação das equipes. Dessa forma, vão se
intercalando as equipes.

3. Cada equipe, na sua vez,
escolhe um envelope e recebe a pergunta que está dentro dele.
Terão 1 minuto para dar a resposta. Se essa equipe não souber a
resposta, outra poderá responder, sempre fazendo um sorteio
entre as demais equipes que disserem que sabem a resposta, para
que ninguém seja prejudicado.

Sobre
a pontuação:

  • Cada resposta certa
    vale 10 pontos;
  • Cada resposta errada
    valerá 10 pontos para o outro grupo que acertar;
  • O grupo que pegar a
    pergunta de outro que não soube a resposta e errar a
    resposta, perde 5 pontos.

Esse jogo é feito mensalmente, e os
pontos de cada grupo são acumulados até o final do ano. Depois
do primeiro mês, alterna-se a equipe que inicia o jogo, deixando
a equipe ganhadora do mês anterior por último e, se houver mais
que duas equipes, sorteando a ordem entre as demais.

Dinâmica para falar sobre o Espírito Santo

       Vamos celebrar a Festa de Pentecostes. E falar sobre o Espírito Santo para as pessoas que ainda não têm maturidade na fé é sempre difícil, uma vez que é algo que se sente, não que se vê. Reconhecer a ação do Espírito Santo é uma experiência sensitiva, espiritual, para a qual as palavras são insuficientes.
       Mas, podemos aplicar uma dinâmica que ajude os catequizandos a compreenderem de que forma o Espírito Santo age no coração das pessoas.

Material necessário:

  • Uma vela (pode ser uma velinha votiva)
  • Um pratinho (para colocar a vela)
  • Um tubo redondo com 10 a 12 cm de diâmetro e 20 cm de altura, aberto nas duas pontas (pode ser um pedaço – 20 cm – de cano de água de 4 polegadas)
  • Um pedaço de cartão grosso ou madeira, maior que a boca do tubo.

No dia do Encontro:
Preparar o local de modo que as cadeiras fiquem em círculo, em volta de uma mesa. Depois da acolhida e da oração inicial, fazer a leitura do Evangelho de João 20, 19-22. Pedir aos catequizandos que reflitam sobre o que Jesus faz. Jesus soprou o Espírito Santo sobre os apóstolos e os enviou ao mundo para que? Essa ordem de Jesus foi apenas para aqueles que lá estavam? O Espírito Santo foi dado somente a eles? Mostrar que todos recebem o Espírito Santo pelo Batismo e pela Crisma.
Questionar: Se todos recebem o Espírito Santo, por que há pessoas que não vivem conforme o Espírito.

Dinâmica:

  1. Pedir a atenção de todos e mostrar a vela que está sobre a mesa. Dizer que essa vela acesa simboliza o Espírito Santo no coração das pessoas. Acender a vela e pedir que um de cada vez se aproxime e coloque a mão próxima da vela. Depois que todos fizeram a experiência, perguntar o que sentiram: calor, ardência. Comparar isso com o que sente aquele que tem o Espírito no coração e também o que sentem as outras pessoas que se aproximam deste, pois quem tem o Espírito no coração é acolhedor e solidário.
  2. Colocar a vela debaixo do tubo deixando a ponta de cima aberta. Pedir que um de cada vez se aproxime, encoste a mão no tubo, chegando próximo e olhando dentro. Depois que todos fizeram isso, perguntar se a vela ainda está acesa, se eles estão vendo ou se sentiram o calor da vela. Mostrar que a barreira que foi colocada impediu que a chama fosse vista ou seu calor fosse sentido. Comparar com aqueles que tendo o Espírito no coração, apesar de nutri-lo com orações (continuar ligado a Deus) não se abrem para as outras pessoas, mantendo o coração fechado. Mostrar que apesar da chama não se apagar, ela já não é mais tão forte, está fraca, sem calor.
  3. Tampar a parte de cima do tubo por alguns instantes, até que o ar que havia dentro dele seja consumido e a vela se apague. Enquanto isso questionar o que acontece com as pessoas que receberam o Espírito Santo, mas não manteve nem mesmo o contato com Deus. Destampar e deixar que cada um possa verificar que a vela se apagou. Comparar com as pessoas que se afastam de Deus e por isso não alimentam o Espírito que está no seu coração.

Explicar que o Espírito não foi embora, está lá, mas já não consegue aquecer o coração dessas pessoas. No entanto, se elas se aproximarem de Deus e das outras pessoas que estão repletas do Espírito, essa chama vai se acender novamente.

Conclusão:

Ler o texto do Pentecostes, Ato dos Apóstolos 2, 1-6, e mostrar que aqueles que recebem o Espírito Santo de Jesus devem ir ao mundo, às outras pessoas e dar testemunho do seu amor.

Via Sacra da Catequese

A Quaresma é
um período propício para trabalhar a espiritualidade dos
catequizandos, preparando-os para viver o Tríduo Pascal e a
Festa da Ressurreição. As crianças e adolescentes que
participam da Catequese, muitas vezes não têm uma clara
compreensão, o dos acontecimentos da Paixão de Cristo. Por esse
motivo é importante aproveitar o Tempo da Quaresma para educá-los
de forma simples e compreensível para a vivência desse período
de preparação das Celebrações da Morte e Ressurreição de
Jesus.

A Via Sacra
pode ser um excelente exercício de espiritualidade e ao mesmo
tempo de formação cristã. Para tanto é necessário estarmos
atentos ao fato de que ela deve ser motivante, isto é, deve
despertar o interesse e levar à vivência de uma espiritualidade
penitencial adequada à faixa etária dos catequizandos.

O exercício
da Via Sacra não pode ficar apenas na memória das passagens da
Paixão de Jesus, mas ser atualizada tendo como pano de fundo o
tema da Campanha da Fraternidade e a realidade que vivem as
crianças e adolescentes da comunidade. Por isso, é importante
que os/as catequistas preparem as orações e comentários tendo
em vista essa realidade e não utilizando fórmulas prontas, que
na maioria das vezes são destinadas a adultos.

Sugestão de Via Sacra na
Catequese:

Preparação:

No início da
Quaresma, convide os catequizandos a prepararem 15 cartazes. Essa
preparação pode fazer parte dos encontros de reflexão sobre a
Campanha da Fraternidade, como o primeiro encontro que foi
proposto pelo nosso Blog e que se destina ao VER.

Esses cartazes
terão temas específicos e devem ser numerados de 1 a 15,
representando as seguintes situações, relacionadas a cada
Estação da Via Sacra, nessa ordem.

nessa ordem:

  1. Indústrias, caminhões e
    carros soltando fumaça escura e poluente.
  2. Ruas, praças, praias e
    lugares públicos cheios de lixo jogado pelo chão.
  3. Queimadas.
  4. Mães carregando seus
    filhos, em aflição por enchentes.
  5. Pessoas ajudando a socorrer
    vítimas de enchentes.
  6. Pessoas ajudando a limpar
    áreas degradadas e a reconstruir casas.
  7. Imagem de rios poluídos,
    com lixo e mortandade de peixes.
  8. Imagens de desmoronamento
    causado por enchente, vendaval ou terremoto.
  9. Imagens de pessoas que
    estão comprando mais que o necessário; consumismo.
  10. Desmatamento.
  11. Animais em situação de
    extinção, sem lugar para se abrigar (tráfico, matança,
    etc.)
  12. Situação de morte da
    Natureza, seca, aridez do solo.
  13. Retirantes, pessoas que
    são obrigadas a deixar suas casas e sua terra e ir
    embora para outro lugar.
  14. Pessoas em luta pela
    preservação do Meio Ambiente.
  15. Coisas que estão sendo
    feitas para preservar a vida no planeta.

Escolha um dia para fazer a Via Sacra, que poderá
ser na Igreja, na Capela ou mesmo na rua ou numa praça.
Importante é arrumar o lugar com as imagens das estações da
Via Sacra tradicional, colocadas lado a lado, mas deixando uma
distância adequada para que se possa caminhar entre elas.

Escolhas aquelas crianças e adolescentes que
irão ajudar na Via Sacra: para levar o crucifixo, para levar a
vela e um para cada cartaz.

Dia do Encontro:

Inicie esse Encontro de Oração dando as boas
vindas e explicando o que é a Via Sacra. Faça uma oração
inicial e convide todos a irem cantando até a Primeira Estação.
Lá, ao lado da imagem da Via Sacra, ficará a criança com o
cartaz correspondente (número 1) bem a frente, de modo que todos
vejam as duas imagens; ao lado delas ficará a criança com o
crucifixo e a outra com a vela. Isso vai se repetir em cada
Estação, colocando ao lado de cada estação o cartaz
correspondente. Diante da Estação se reza a jaculatória
própria da Via Sacra.

Em cada Estação o/a catequista explica o
significado da imagem da Paixão de Cristo e faz a ligação
entre ela e a do cartaz, mostrando que assim como Cristo foi
condenado injustamente e sofreu aquela Paixão, também a vida de
todos os seres no nosso planeta está agonizando injustamente
pela ação dos seres humanos, vivendo a sua Paixão.

Depois da explicação, faz-se uma oração
pedindo a Deus misericórdia pelos erros cometidos e ajuda para
mudar de vida. Em seguida se segue cantando para outra estação.
O refrão cantado entre uma oração e outra pode ser o
tradicional, o Manual da Campanha propõem que ele seja
completado com uma frase que fala do tema da Campanha:

A morrer crucificado / teu Jesus é condenado /
por teus crimes, pecador / por teus crimes pecador: / A viver sem
o cuidado / o planeta é condenado / ajudai-nos, Deus de Amor /
ajudai-nos Deus de Amor.

Como se trata de uma Via Sacra com crianças,
sugiro que se use um refrão mais apropriado:

A morrer crucificado / meu Jesus é condenado /
por injusto pecador / por injusto pecador: / A viver sem o
cuidado / o planeta é condenado / ajudai-nos, Deus de Amor /
ajudai-nos Deus de Amor.

Ao longo da Via Sacra, os catequizandos devem
perceber que a vida no planeta está ameaçada, mas que há
esperança, pois assim como Cristo venceu a morte e ressuscitou,
podemos vencer a poluição e a destruição da natureza e fazer
ressurgir uma vida nova.

Essa Via Sacra poderá ser repetida com as
crianças, nas sextas-feiras da quaresma, sempre convidando
crianças diferentes para ajudarem e, a partir do segundo
encontro, convidando os próprios catequizandos a fazerem a
explicação das Estações.

Terceiro Encontro da Campanha da Fraternidade

Este é o terceiro encontro sobre a Campanha
da Fraternidade. Nos encontros anteriores demos sugestões sobre
como trabalhar o Ver e Julgar, agora teremos uma sugestão para
trabalhar o Agir.

Preparação:

Preparar artigos de revistas e jornais que
apresentem soluções viáveis para as questões que envolvem a
sustentabilidade da vida no planeta.

Fazer um grande painel para colocar os
artigos trazidos pelos catequizandos.

O Encontro:

Fazer a acolhida e a oração de abertura do
encontro. Depois fazer uma breve retrospectiva dos dois encontros
anteriores.

Dinâmica:

Pedir a todos que apresentem os artigos que
trouxeram (que foram pedidos no encontro anterior). Colocar os
artigos no grande painel. Convidar todos para olharem o painel e
perceberem quantas ações estão sendo realizadas em benefício
da sustentação da vida.

Em seguida pedir a eles que enumerem quais
dessas ações, ou outras, podem ser realizadas na comunidade e
qual o papel que cada um vai assumir para colaborar na
divulgação e na realização dessas ações.

Mostrar que a sustentação da vida no
planeta depende do modo de agir de cada um e de todos em conjunto.
Essa é uma responsabilidade que cabe a adultos, jovens,
adolescentes e crianças, cada um fazendo a sua parte.

Conclusão;

Escrever num cartaz as resoluções que a
turma decidiu por em prática na comunidade e deixar bem visível
durante o ano todo nos encontros, retomando de tempos em tempos
para saber como anda o trabalho do grupo.

Concluir o encontro rezando a Oração da Campanha da Fraternidade de 2011

Segundo Encontro sobre a Campanha da Fraternidade

Prosseguindo a reflexão sobre a Campanha da
Fraternidade dividida em 3 partes, o VER, o JULGAR, e o AGIR,
vamos apresentar  hoje a sugestão de encontro que, sempre
adaptados à realidade e à idade daqueles a quem se destinam,
pode ser usado para o segundo passo: o JULGAR.

Julgar a realidade à luz da Palavra
de Deus

Preparação:

Trazer os cartazes que foram feitos no encontro
anterior. Preparar também o cartaz da Campanha da Fraternidade
para ser apresentado.

O Encontro: Julgar a realidade da vida
no nosso Planeta

Acolhida:

Dar as boas vindas a todos e, e recolher os
cartazes que foram trazidos, colocando-os no chão, espalhados e
distantes o quanto for possível, com o lado que mostra o projeto
original de Deus para cima.

Oração:

Iniciar o encontro, fazendo entrar o
cartaz da Campanha cantando a primeira estrofe e o refrão do
hino da CF 2011.

Reflexão:

Convidar todos a olharem bem os cartazes
que estão no chão. Enquanto olham, fazer a leitura do texto de
Gn 2, 4b-9.15 – o segundo relato da Criação. Ao final fazer
alguns instantes de silêncio.

Em seguida, perguntar aos catequizandos (ou
participantes) o que o texto diz. (sublinhar as palavras e
informações que são chaves, como por exemplo o fato de que o
ser humano foi feito do pó da terra, e que Deus o colocou no
Jardim do Eden para cultivá-lo e guardá-lo).

Depois perguntar qual é o projeto de
Deus que aparece nesse texto, e qual a mensagem que Deus nos
deixa.

Dinâmica:

Depois que todos falaram, convidá-los a se
colocarem sobre os cartazes (o número de cartazes deve ser
suficiente para que sobre cada um fique uma ou duas pessoas no
máximo)
. Pedir que as pessoas se afastem novamente e então,
começar a falar sobre a ação do ser humano que destrói a
natureza. Por exemplo, falar sobre o desmatamento. Ai, virar o
cartaz que tem as florestas destruídas, concluindo que naquele
lugar o ser humano não poderá mais viver. Convidar a se
colocarem novamente sobre os cartazes, deixando de lado aqueles
que mostram a destruição.

Continuar com essa dinâmica, virando pouco a
pouco os cartazes. As pessoas terão dificuldade de se colocarem
sobre os cartazes, até que começam a não caber todos e muitos
ficam fora.

Quando a situação ficar crítica, e muitos não
puderem ficar sobre os cartazes, perguntar o que estão sentindo
e o que perceberam com a dinâmica.

Comparar o que acontece com a realidade com o
projeto de Deus, deixando que cheguem às próprias conclusões,
mas sempre incentivando a verem que há coisas boas sendo feitas.

Conclusão do encontro:

Pedir a todos que no próximo encontram
tragam artigos e sugestões sobre o que se pode fazer para mudar
a realidade e viver o projeto de Deus.

Oração: Rezar a Oração da
Campanha da Fraternidade