Pastorais

now browsing by category

 
Posted by: | Posted on: junho 20, 2018

4ª Semana Brasileira de Catequese

A Comissão Episcopal para Animação Bíblico-Catequética da CNBB realizará de 14 a 18 de novembro de 2018, em Indaiatuba (Itaici-SP), a 4ª Semana Brasileira de Catequese.

Tema: 4ª Semana Brasileira de Catequese a serviço da Iniciação à Vida Cristã.

Lema: “Nós ouvimos e sabemos que Ele é o Salvador do mundo” (Jo 4,42)

Objetivo geral:

  • Compreender a catequese de inspiração catecumenal a serviço da iniciação à vida Cristã, buscando novos caminhos para a transmissão da fé, no contexto atual.

Read More …

Posted by: | Posted on: junho 14, 2018

Catequistas: a serviço da vida nova em Cristo

Padre Roberto Rubens da Silva

A iniciação cristã é a participação humana da vida em Deus. Uma existência despojada nas mãos do Pai. Jesus de Nazaré nos revela como deve ser essa vida. Ela envolve todo modo de viver do catequista, a imitação do mestre e, por excelência, o modo de caminhar na história que revela a existência em Deus. O caminho é longo. Ele é exigente e de profundo aprendizado e transformação. O Senhor, filho Deus, ajudou os discípulos a descobrirem e participarem da vida em Deus. Ele mesmo convidou os discípulos de João Batista, “vinde e vede”, revelando que sua morada é o lugar onde encontra-se o Pai e que por conta própria deveriam buscar a resposta da procura e o caminho.

O catequista, hoje, é o mistagogo desse processo, com a vida alicerçada no Mestre, ele realiza a vontade de Deus e conduz os evangelizandos ao Pai; ele contribui com os iniciandos à experimentar a vida nova no Espírito, conduzindo o catecúmeno diante do mistério da fé, à vida afetiva e definitiva no Pai. Esta é a obra que falta levar a termino o desígnio daquele que o escolheu. Read More …

Posted by: | Posted on: abril 19, 2018

Uma Santidade inserida no tempo: a chamada de Francisco

Faustino Teixeira (*)

No dia 9 de abril de 2018 foi divulgada a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate (GE) do Papa Francisco. A data do documento é 19 de março, por ocasião da solenidade de São José. Trata-se de uma exortação que abre pistas essenciais para o chamado à santidade. O mote é bem claro, vindo do evangelho de Mateus: “Alegrai-vos e exultai” (Mt 5,12). Uma palavra que vem dirigida “aos que são perseguidos ou humilhados por causa dele” (GE 1). O objetivo vem apresentado logo no início: “O meu objetivo é humilde: fazer ressoar mais uma vez a chamada à santidade, procurando encarná-la no contexto atual, com os seus riscos, desafios e oportunidades, porque o Senhor escolheu cada um de nós ‘para ser santo e irrepreensível na sua presença e amor’ (Ef 1,4)”.

Não se trata de um tratado sobre a santidade, mas de um convite, de uma chamada à santidade (GE 2). O documento compõe-se de cinco capítulos: A Chamada à santidade (I); Dois inimigos sutis da santidade (II); À luz do mestre (III); Algumas características da santidade no mundo atual (IV); Luta vigilância e discernimento (V).

A partir de uma primeira leitura do documento busco aqui sublinhar alguns pontos que me chamaram a atenção neste primeiro momento, o que não significa que esta leitura seja a definitiva nem que exclua outras possibilidades de pontuação. Falo aqui do que me tocou de forma particular. Minha intenção é deixar o texto falar, comentando aqui e ali o que me chamou a atenção. Read More …

Posted by: | Posted on: abril 5, 2018

A hora dos leigos? Mas de que leigos estamos falando?

Cesar Kuzma

A hora dos leigos? Sim, foi o que se pensou com o Concílio Vaticano II e, em 2016, o Papa Francisco resgatou esta ideia dos teólogos conciliares e disse praticamente a mesma coisa, em uma carta enviada ao Cardeal Marc Ouellet. Para o Papa, uma hora que está tardando a chegar.

No entanto, diante de algumas manifestações e expressões que estamos vendo atualmente, vale lançar outra pergunta: de que leigos exatamente se fala e se espera nesta hora? Se o futuro da Igreja passa pelo viés dos leigos, como se diz, há nesta afirmação uma intenção eclesiológica, mas é necessário ficar atento para não se desviar da atenção primeira e para fazer clarear a novidade que se percebe e se propõe. Por certo, não estamos à espera de leigos clericalistas, obsessivos e extremamente fundamentalistas, que caem num moralismo radical e inconsequente, e doutrinariamente incitam mais o ódio e a falta de comunhão eclesial, que carecem de um bom senso, desrespeitando expressões, participações e membros da mesma Igreja, recusando a intenção do Concílio que lançou esta espera, ao reafirmar, com toda a Tradição, que a Igreja é Mistério e é Povo de Deus (Lumen Gentium), e que deve estar atenta aos sinais dos tempos (Gaudium et Spes). O Concílio trouxe ao leigo autonomia e corresponsabilidade na missão, podendo este agir e atuar de um modo próprio, contudo no viver de uma koinonia e em busca de uma maturidade que se abre à ação do Espírito e se empenha em seguir os passos de Jesus, agindo no tempo e na história para fazer acontecer de modo antecipado, escatologicamente, a construção do Reino prometido e esperado.

Read More …

Posted by: | Posted on: março 14, 2018

INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ – Aprofundar a dimensão mística

Pe. Luiz Alves de Lima, sdb.

Sem deixar a dimensão social, aprofundar a dimensão mística

Podemos também refletir que, logo após o Concílio, a Igreja de um modo geral, e sobretudo no Brasil, foi guiada e impulsionada por todos os documentos conciliares, mas sobretudo pela grande documento Gaudium et Spes: diálogo com o mundo, vivência do Evangelho a serviço da transformação da humanidade, de um modo especial em favor dos pobres, com suas conseqüências sócio-políticas… daí nasceu a Teologia da Libertação, as práticas de uma pastoral transformadora e voltada diretamente para a situação concreta sofrida e desumana da maioria de nossos fiéis, para o engajamento sócio-político em nome do Evangelho… Nossa Conferência Episcopal ficou beneficamente marcada por essas grandes intuições do Concílio, sem deixar, naturalmente, tantas outras reformas conciliares!

Read More …

Posted by: | Posted on: março 6, 2018

Iniciação à Vida Cristã – Retorno à inspiração catecumenal

Pe. Luiz Alves de Lima, sdb.

O complexo processo que, desde o século II, prevaleceu na Igreja para iniciar os novos membros nos mistérios da fé, recebeu o nome de Catecumenato: era um conjunto de pregação (primeiro anúncio), práticas litúrgico-rituais, ensino, exercício de vida cristã e acompanhamento pessoal que levavam à verdadeira conversão ao Evangelho e incorporação na Igreja. Com a chegada da Cristandade (séc. V, VI…), desapareceu o complexo processo do catecumenato, ficando de pé, até hoje, o momento do “ensino-instrução” com o nome de catequese, e em geral dirigida à crianças. De fato, a comunidade cristã e a própria sociedade (ou civilização cristã) exerciam o papel de catecumenato social. A primeira experiência fundante da fé vinha da própria família e até da sociedade cristã, de um modo geral. A preocupação ficava reduzida à instrução doutrinal: e essa foi a herança que recebemos da cristandade.

Hoje, com raras exceções, nosso povo não possui uma experiência de fé transmitida pela família, na convivência do dia a dia, e muito menos pela sociedade. Não vivemos mais a cristandade. É necessário um trabalho missionário, de primeiro anúncio, de evangelização no sentido mais estrito da palavra: anunciar Jesus Cristo. A catequese, tal qual a recebemos e conhecemos como atividade de ensino e transmissão da fé, por mais que tenha sido renovada, não consegue realizar sozinha a iniciação cristã. Os frutos e as estatísticas aí estão… e continuamos a batizar, crismar, distribuir a Eucaristia abundantemente…  Read More …

Posted by: | Posted on: março 5, 2018

Catequese com adultos: formação permanente para a vida cristã!

"O adulto em constante crescimento" - Neuza Silveira de Souza

Sempre consideramos o adulto alguém que chegou à maturidade, conhecedor de seus direitos e deveres, atuando com responsabilidade, como se isso fosse natural a partir da idade adulta. Mas, a maturidade é uma situação dinâmica de contínua evolução. A vida inteira é um processo de crescimento.

O desenvolvimento de um adulto não se dá necessariamente segundo as fases “psicológicas” de amadurecimento da pessoa. É necessário considerar também as circunstâncias e acontecimentos concretos da vida. Seu amadurecimento será diferente conforme a situação econômica: pobreza ou bem-estar, emprego ou desemprego. Muito dependerá da vida familiar que o sujeito teve, ambiente afetivo ou não, presença ou ausência dos pais. Os acontecimentos pesam muito no desenvolvimento da pessoa, os êxitos ou frustrações, os traumas, rejeições etc. Não é possível classificar as pessoas em categorias rígidas. Cada etapa tem seus desafios. Read More …

Posted by: | Posted on: março 1, 2018

Passos Metodológicos para implementação da Iniciação à Vida Cristã

A Região Santana, da Arquidiocese de São Paulo realizou, entre os dias 19 e 22 de fevereiro, a Semana de Animação Bíblico-Catequética, onde refletiu sobre os “Passos Metodológicos para a implementação da Iniciação à Vida Cristã”. Foram quatro noites de palestras com assessores que atuam na área da Catequese.

Os temas apresentados foram:

Reanimar as Lideranças para Evangelizar – por Maria Aparecida de Cicco, gestora do Blog da Catequese.

Acompanhar a Vida e a Missão da Comunidade Iniciadora – por Pe. Guilhermo Daniel Micheletti, da Diocese de Santo André, autor de vários livros destinados à Catequese e catequistas.

Aprender a Planejar para Evangelizar – por Pe. Paulo Cesar Gil, da Arquidiocese de São Paulo, coordenador da Animação Bíblico-catequética da Região Santana. No dia do encontro, por motivo de força maior, ele foi substituido pelo Pe. Andrès Gustavo Marengo, também da Arquidiocese de São Paulo, coordenador de Pastoral da Região Santana.

Celebrar com a Comunidade que Evangeliza – por Pe. Humberto Robson de Carvalho, da Arquidiocese de São Paulo, coordenador do Curso de Pós-Graduação lato sensu em Catequese da Unisal (Universidade Salesiana de São Paulo).

Os textos usados pelos palestrantes foram disponibilizados e postados aqui, para que todos os catequistas que seguem nosso Blog possam aproveitar e beber dessa fonte de formação.

CLIQUE AQUI para abrir o artigo: Reanimar as Lideranças para Evangelizar

CLIQUE AQUI para abrir o artigo: Acompanhar a Vda e a Missão da Comunidade Iniciadora

CLIQUE AQUI para abrir o artigo: Aprender a Planejar para Evangelizar

CLIQUE AQUI para abrir o artigo: Celebrar com a Comunidade que Evangeliza

Posted by: | Posted on: fevereiro 26, 2018

Iniciação à Vida Cristã – O Documento e suas particularidades I

Pe. Luiz Alves de Lima, sdb.

1 – MOTIVAÇÕES E RAZÕES: POR QUÊ INICIAÇÃO?

O capítulo I se detém sobre a importância e urgência do tema, suas motivações: por quê é necessário hoje o processo iniciático? O texto parte da indagação sobre Deus e sua procura: o ser humano vive à procura de respostas sobre a vida e, no fundo, sobre si mesmo. A esse mistério a fé cristã dá uma resposta cabal; para dela se apossar e vivê-la, é necessário um verdadeiro mergulho no mistério de Deus e nas diversas dimensões da vida cristã; não basta uma síntese doutrinal, um cursinho rápido e nem mesmo uma catequese isolada de outros aspectos da vida eclesial. Não se trata de “aprender coisas”, mas de aderir conscientemente a um projeto de vida, de ter um encontro pessoal com Jesus Cristo.

Mais que as crianças, os adultos são os que precisam de um processo bem vivido de iniciação É uma necessidade religiosa, mas também antropológica. Entrar num novo projeto de vida, religioso ou não, requer um processo de passos sucessivos de aproximação. Não é de hoje que as religiões assim procedem, num processo que mescla vivência, conhecimento e celebração. Assim, a pessoa se deixa envolver pelo clima do mistério e passa a agir de outro modo no campo pessoal, comunitário e social, envolvido pelo amor de Deus. Ritos, símbolos e celebrações sempre fizeram parte da história humana (cf DNC 116). Read More …

Posted by: | Posted on: fevereiro 26, 2018

Iniciação à Vida Cristã – Introdução

Pe. Luiz Alves de Lima, sdb.

1 – Descristianização e missionariedade

O tema da Iniciação à Vida Cristã se coloca dentro da preocupação missionária que perspassa hoje toda a Igreja, preocupada com a descristianização galopante tanto em paises de antiga (Europa) como de nova cristandade (Brasil). Não é um tema novo, mas desdobramento do Diretório Nacional de Catequese (2005), de Aparecida (2007: uma Igreja em estado de missão), da Missão Continental (2008)… e tantos apelos atuais da Igreja.

Por Iniciação Cristã se entende o processo pelo qual alguém é incorporado ao mistério de Cristo Jesus; não se reduz à catequese, mas inclui sobretudo a ação celebrativo-litúrgica. A catequese é um elemento, o mais longo e importante, do complexo processo pelo qual alguém é iniciado à fé cristã. Teologicamente falando a verdadeira iniciação se dá na celebração dos sacramentos do Batismo, Eucaristia e Crisma, chamados justamente, a partir do século XIX, de Sacramentos da Iniciação. Trata-se de uma iniciação que poderíamos chamar de sacramental. A estrutura catequética está em função dessa iniciação sacramental e vital. Read More …