UMA PARÁBOLA PARA OS NOSSOS DIAS (LUCAS 15,1-32)

O-pai-misericordioso-e-os-dois-filhosAutor: Pe. José Antonio Pagola – do livro “O Caminho Aberto por Jesus” – Editora Vozes

Em nenhuma outra parábola Jesus conseguiu penetrar tão profundamente no mistério de Deus e no mistério da condição humana. Nenhuma outra é tão atual para nós como esta do “pai bom”.

O filho mais moço diz ao pai: “Pai, dá-me a parte da herança que me cabe”. Ao reclamá-la, está de alguma forma pedindo a morte do pai. Quer ser livre, romper amarras. Não será feliz enquanto seu pai não desaparecer. O pai consente com seu desejo sem dizer nenhuma palavra: o filho deve escolher livremente seu caminho.

Não é esta a situação atual? Muitos querem hoje ver-se livres de Deus, ser felizes sem a presença de um Pai eterno em seu horizonte. Deus deve desaparecer da sociedade e das consciências. E, da mesma forma que na parábola, o Pai mantém silêncio. Deus não coage ninguém. Continue lendo

A Bíblia na Catequese


A Bíblia é a fonte primordial da Catequese, pois nela está contido o fundamento da educação na fé e as diretrizes da vivência cristã.

A Catequese deve despertar nos seus interlocutores a sede da Palavra como orientadora da própria vida, seta que indica o caminho transformador de quem quer seguir a Jesus.

Cada catequista tem a responsabilidade de conduzir os catecúmenos para o encontro com Palavra de Deus, orientando e apontando os pontos fundamentais da Bíblia; a revelação de Deus, que vai se apresentando na história do povo; as dificuldades e os desvios que são denunciados pelos profetas; a mensagem contida por trás das palavras e da cultura do povo; os ensinamentos e a proposta de vida que Jesus deixou; e a experiência das primeiras comunidades na propagação do Evangelho e na vivência cristã.

A Bíblia não é um livro de normas e dogmas, ela é uma referência de vida, uma proposta aberta na qual, ao mesmo tempo em que se revela, Deus espera a resposta prática de quem o encontra e o reconhece. Ela abre espaço para que se reflita e se tome uma decisão a partir do discernimento: o engajamento consciente baseado em fé sólida que gere a misericórdia e a caridade perfeitas. Continue lendo

SETEMBRO: MÊS DA BÍBLIA!

Criado na década de 1970, com a finalidade de instruir os fiéis sobre a Palavra de Deus, o Mês da Bíblia é celebrado, no Brasil, em setembro. Para o arcebispo de Curitiba (PR) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB, dom José Antônio Peruzzo, o Mês da Bíblia na Igreja no Brasil tornou-se espaço de vivência e experiência de fé nas paróquias.

Objetivos do mês da Bíblia

A cada ano, a CNBB divulga uma proposta de estudo de um dos livros da Bíblia, com um tema específico que ajude as comunidades paroquiais a crescerem no conhecimento da Palavra de Deus e na compreensão da sua mensagem nos dias e na realidade em que vivemos.

Assim, são objetivos deste mês dedicado ao estudo da Palavra de Deus:

  • Contribuir para o desenvolvimento das diversas formas de presença da Bíblia, na ação evangelizadora da Igreja, no Brasil;
  • Facilitar o diálogo criativo e transformador entre a Palavra, a pessoa e as comunidades.

Mês da Bíblia 2016

Com o tema “Para que n´Ele nossos povos tenham vida” e o lema “Praticar a justiça, amar a misericórdia e caminhar com Deus”, o Mês da Bíblia 2016 traz como proposta de estudo o livro do profeta Miqueias. Continue lendo

EVANGELHO DA MISERICÓRDIA: O BOM SAMARITANO (Lc 10,25-37)

bom-samaritanoO Evangelho do Bom Samaritano é, com toda a certeza, o Evangelho da Misericórdia, pois com essa história Jesus mostra qual é a vivência que o Senhor Deus espera de suas criaturas para que sejam semelhantes a Ele.

Ao ser interpelado por um doutor da Lei, isto é, por alguém que estudou e conhece bem a Palavra e os Mandamentos, Jesus responde com uma pergunta: “O que está escrito na Lei? Como é que tu lês?”.

Veja bem que a pergunta de Jesus não é genérica, mas bem pessoal: Como é que tu lês? Como é que você interpreta a letra da Lei? É aí que está o centro da questão. Continue lendo

O DESERTO

Texto extraído do livro de Santo Atanásio, sobre a vida de Santo Antão. 

deserto-1O deserto constitui, na revelação do Antigo e do Novo Testamento, um tema de atração particular. Sabemos que Israel teve no deserto as experiências mais imediatas da presença, do amor, da misericórdia de Deus, e que nele teve que lutar pela pureza de sua entrega, pela fidelidade a seu Deus. Para uma tradição, o deserto passou a ser inclusive um símbolo da relação mais pura, da frescura do primeiro amor entre Deus e Israel.

Na medida, porém, em que Israel se fez sedentário, foi variando sua compreensão do deserto, e não viu nele senão algo terrível, cheio de ameaças e feras, onde ninguém podia viver. Deste modo, a meditação de sua própria história fê-lo perder a visão idílica de sua peregrinação pelo deserto, e apercebeu-se de que essa época esteve cheia de pecado, de ofensa a Deus, a tal ponto que em certo momento o deserto chegou a ser símbolo do juízo condenatório de Deus. Já se vislumbra nisto a oscilação na consideração do deserto como habitação privilegiada de Deus e como lugar de sua ausência, horrível, cheio de perigos e tentações. Continue lendo

A Palavra de Deus é Luz para a Nossa Vida

Maria Aparecida de Cicco

Há um cântico católico que diz que a Bíblia é lâmpada para os nossos pés, luz para o nosso caminho.  Essa expressão “lâmpada para os nossos pés” é simbólica e muito apropriada, mas é preciso entender bem o seu significado.

Em primeiro lugar devemos entender o que é luz e o que é lâmpada:

  • Luz é uma energia radiante
  • Lâmpada é o instrumento que recebe essa energia e a propaga, iluminando o lugar que está escuro.

Assim sendo, podemos ver que lâmpada não é luz, mas contém a luz. Assim também a Bíblia, como a lâmpada, é o instrumento onde a Palavra de Deus, que é a luz que deve iluminar a nossa vida, está contida e de onde pode ser propagada. Continue lendo

SOBRE O TEMPLO DE SALOMÃO

Muro das Lamentações e Mesquita de Omar

Muro das Lamentações e Mesquita de Omar

Recebemos O belíssimo artigo “SOBRE O TEMPLO DE SALOMÃO”, do Pe. Gregório Teodoro, da Igreja Ortodoxa Antioquina e membro do MOFIC (Movimento de Fraternidade das Igrejas Cristãs). Nesse artigo ele apresenta a história do “Templo de Salomão”. É um artigo muito importante para todos os catequistas e agentes de Pastoral, tendo em vista o uso indevido que está sendo dado ao nome “Templo de Salomão”. Leiam o artigo e repassem essa informação tão importante.

O artigo está em PDF, para facilitar o seu compartilhamento.

Sobre o Templo de Salomão

 

Ascensão de Nosso Senhor Jesus Cristo

Autor: Pe. César Augusto dos Santos SJ

Ascensao de JesusCelebrar a Ascensão de Jesus é celebrar seu modo novo de estar conosco, do Emanuel, Deus Conosco, manifestar-se em nosso meio.

Certamente esse modo novo do Senhor se manifestar entre os homens passa pela Comunidade, por suas atitudes que dão continuidade á missão do Senhor e que asseguram a continuidade da construção do Reino de Justiça e de Paz.

O Livro dos Atos dos Apóstolos, do qual é tirada a primeira leitura desta solenidade, nos mostra Jesus dizendo aos seus discípulos que eles receberão o Espírito Santo e que Este os tornará suas testemunhas no mundo inteiro. Continue lendo

O cristianismo é a ‘religião da Palavra de Deus’

Artigo de D. Julio Akamine para o Jornal “O São Paulo”

Querido Leitor do Jornal O São Paulo, os parágrafos 101 a 119 do Catecismo da Igreja Católica trata da Sagrada Escritura. Gostaria de começar esta reflexão perguntando: o que é a Bíblia?

Etimologicamente falando, a palavra “Bíblia” significa conjunto de livros: trata-se, portanto, do substantivo coletivo de livro, ou seja, Bíblia significa biblioteca.

A Bíblia é, portanto, um conjunto de escritos. Mas não qualquer tipo de escrito. Os Escritos que fazem parte da Bíblia são inspirados por Deus. Somente os livros que são inspirados pelo Espírito Santo estão presentes nessa biblioteca, na Bíblia. Continue lendo