Artigos

now browsing by category

 
Posted by: | Posted on: dezembro 10, 2017

Síntese do Estudo 107 da CNBB – “Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade”

Esta síntese, que Dom Paulo Mendes Peixoto nos enviou, é muito importante e ajuda a compreender melhor o contexto no qual surgem as reflexões propostas pelo “Ano do Laicato”.

Apresentação

  • A Igreja é Povo de Deus, realidade fundada num só Senhor, numa só fé e num só Batismo (Ef 4,5).
  • Todos os membros têm uma mesma dignidade e não há desigualdade em Cristo e na Igreja. “Todos vós sois um” (Gl 3,28).
  • O importante para o povo sacerdotal é dar testemunho de Cristo e razão da esperança de vida eterna (I Pd 3,15).
  • A Igreja tem uma variedade de ministérios, carismas e serviços, formando uma diversidade, mas na unidade do Espírito Santo.
  • Por isto ela deve ser consoladora, samaritana, profética, serviçal e maternal.

Introdução

  • Celebrando os 50 anos do Vaticano II, a Igreja vive um “novo Pentecostes”, vendo os leigos como Igreja e não simples fieis.
  • Sua missão passa pelo mundo do individualismo onde deve ser servidora da humanidade, superando o relativismo, o laicismo e a dicotomia entre Igreja e mundo.
  • A Igreja deve ser sujeito eclesial, aggiornada para atender as exigências do mundo moderno, estando sempre em saída.
  • Toda ação da Igreja, para produzir bons frutos, tem que fazer um encontro pessoal com Jesus Cristo. Isto implica conversão e aprendizado.
  • O leigo em saída é a Igreja referenciada pelo Reino e direcionada para o mundo, onde deve se encarnar como fermento na massa, sal da terra e testemunha como luz.
  • É importante o leigo ter a consciência de ser Igreja e não somente de pertencer à Igreja, porque cada batizado é portador da graça e da tarefa de evangelizar.
  • A ação do leigo santifica a Igreja e o próprio mundo. Para isto ele deve superar o clericalismo, o individualismo (fechar-se em si) e o comunitarismo (fechar-se em grupo).
  • Ser sujeito eclesial não é uma realidade pronta, mas um dom que se faz tarefa permanente para toda a Igreja, em sua missão evangelizadora.

Read More …

Posted by: | Posted on: dezembro 8, 2017

Nos meandros do evangelista Marcos

No início de cada Ano Litúrgico, a Liturgia Dominical estabelece que se proclame um dos três Evangelhos Sinóticos: Mateus (Ano A), Marcos (Ano B), Lucas (Ano C). Ao de João, dá-se um espaço maior nos Ciclos do Natal e da Páscoa.

O Evangelho de Marcos se caracteriza por ser o mais antigo, o mais curto e o de mais fácil compreensão. Segundo a Tradição Católica e Copta, bem como alguns da Patrística (Hipólito, Clemente, Inácio de Antioquia, Pápias, Eusébio de Cesaréia), há um consenso que os nomes “Marcos e João Marcos” são a mesma pessoa. Sendo assim, ele é o filho de Maria, família rica de Jerusalém, em cuja casa os primeiros cristãos se reuniam para rezar (At 12,6-17). Seria a mesma sala “mobiliada, no andar de cima” onde Cristo celebrou a Última Ceia (cf. Mc 14, 12-16), onde teria acontecido o Pentecostes, com a presença de 120 pessoas (cf. At 1,12-15). Marcos seria, também, o “homem que carregava o cântaro de água” e que mostraria a sala para a Ceia (cf. Mc 14,13-14). Seria ele o “jovem envolto num lençol”, por ocasião da prisão de Jesus (14,51-52). Por fim, aquele que estava “sentado no sepulcro, vestido de branco” (16,5-8). Read More …

Posted by: | Posted on: dezembro 1, 2017

COROA DO ADVENTO

Desde a sua origem a Coroa de Advento possui um sentido especificamente religioso e cristão: anunciar a chegada do Natal sobretudo às crianças, preparar-se para a celebração do Santo Natal, suscitar a oração em comum, mostrar que Jesus Cristo é a verdadeira luz, o Deus da Vida que nasce para a vida do mundo. O lugar mais natural para o seu uso é família.

Além da coroa como tal com as velas, é uso antigo pendurar uma coroa (guirlanda), neste caso sem velas, na porta da casa. Em geral laços vermelhos substituem as velas indicando os quatro pontos cardeais. Entrou também nas igrejas em formas e lugares diferentes, em geral junto ao ambão. Cada domingo do Advento se acende uma vela. Hoje está presente em escolas, hotéis, casas de comércio, nas ruas e nas praças. Tornou-se mesmo enfeite natalino. Já não se pode pensar em tempo de Advento sem a coroa com suas quatro velas.

Simbolismo da Coroa de Advento
Pelo fato de se tratar de uma linguagem simbólica, a Coroa de Advento e seus elementos podem ser interpretados de diversas formas. Desde a sua origem ela possui um forte apelo de compromisso social, de promoção das pessoas pobres e marginalizadas. Trata-se de acolher e cuidar da vida onde quer que ela esteja ameaçada. Podemos dizer que a Coroa de Advento constitui um hino à natureza que se renova, à luz que vence as trevas, um hino a Cristo, a verdadeira luz, que vem para vencer as trevas do mal e da morte. É, sobretudo, um hino à vida que brota da verdadeira Vida.
(BECKHÄUSER, Frei Alberto, Coroa de Advento – história, simbolismo e celebrações, Vozes, 2006)

A mensagem da Coroa de Advento é percebida a partir do simbolismo de cada um de seus elementos. Read More …

Posted by: | Posted on: novembro 30, 2017

Ano do Laicato

Numa visão profética, a Igreja está convocando os cristãos leigos e leigas para um ano de reflexão, de revisão e de avaliação de seu papel laical na sociedade. Ela faz isso consciente da importância de todos os batizados no campo da evangelização. A riqueza da Igreja em saída, no dizer do Papa Francisco, tem reflexo profundo na vida de quem participa do sacerdócio batismal de Jesus.

O tempo definido vai da Festa de Cristo Rei de 2017 a Cristo Rei de 2018. É o “Ano do Laicato”, com o tema: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos numa ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino”, e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5,13-14). Tempo de criar paixão, encontro e seguimento de Jesus Cristo, numa Igreja comprometida com as realidades da cultura moderna.

Com esta matéria, queremos fazer um apelo forte e abrangente a todos os cristãos, principalmente os leigos e as leigas, para descobrir caminhos novos de evangelizar. As bases para isso estão nas palavras motivadoras do Papa Francisco. Na Evangelii Gaudium ele conclama a Igreja para ser mais presente no mundo, indo às periferias existenciais, ao encontro fraterno com as pessoas.

O Ano do Laicato vai dar espaço privilegiado para que os cristãos descubram sua vocação e missão no mundo. Não somos cristãos por acaso, sem compromisso com o Evangelho do Senhor. Enraizados em Jesus Cristo (cf. Cl 2,7), somos a Igreja que caminha na construção do Reino de Deus, que defende a vida e a dignidade das pessoas, porque vê nelas a imagem e a semelhança de Deus.

Será um ano de muita espiritualidade e de motivação para construir, na nova cultura, a esperança de um mundo melhor. Certamente seremos despertados para acreditar e ter a certeza de que um mundo melhor é possível. Deus quer a felicidade de seus filhos, e os convoca para divinizar suas ações concretas no mundo. As mudanças passam pelo testemunho concreto de cada cristão.

O Documento de Aparecida diz que os cristãos leigos e leigas são “verdadeiros sujeitos eclesiais” (n. 497). Significa que eles devem estar presentas nas realidades temporais, visualizando seu testemunho concreto de responsabilidade para com o anúncio da Palavra de Deus. Não podem ser uma luz apagada, escondida, sem compromisso social e alheios aos problemas que afetam a todos.

Dom Paulo Mendes Peixoto – Arcebispo de Uberaba.

Posted by: | Posted on: novembro 29, 2017

Com o Tempo do Advento, começa um novo Ano Litúrgico

Novo ano litúrgico

Quatro domingos antes da Festa do Natal, a Igreja inicia o novo Ano Litúrgico com a celebração do 1º Domingo do Advento, diferentemente do ano civil, que só se iniciará em 1º de janeiro. Iniciando um novo Ano Litúrgico com o Tempo do Advento, a Liturgia da Igreja abre um novo ciclo para as leituras bíblicas dominicais, que são divididas em A, B e C lendo, por conseguinte, um evangelista sinótico em cada um desses ciclos, iniciando por Mateus, seguido por Marcos e Lucas respectivamente. Dessa forma, a cada 3 anos, completa-se a leitura dos três evangelistas sinóticos. Reservando as leituras do Evangelho de João para o período da Páscoa e algumas datas especiais. Neste ano de 2017, o ciclo de leituras será do ano B, que no seu conjunto são marcadas pelo evangelista Marcos. Read More …

Posted by: | Posted on: novembro 27, 2017

Encerramento do Ano Litúrgico: uma revisão de vida à luz da Catequese de Francisco

Com a Festa de Cristo Rei, celebrada neste 34º Domingo do Tempo Comum, iniciamos a última semana do Ano Litúrgico, que se encerra no próximo sábado, véspera do Primeiro Domingo do Advento, que inicia um novo Ano Litúrgico.

Assim como, ao encerrarmos o ano civil, costumamos fazer uma reflexão sobre o que foi bom ou não no ano que passou e estabelecer alguns propósitos e prioridades para o novo ano, tendo em vista uma vida melhor; assim também, ao concluirmos o Ano Litúrgico deveríamos fazer uma reflexão para enxergar onde caminhamos conforme o Espírito e onde caminhamos sem levar em conta o Evangelho de Jesus.

Durante este ano, o Papa Francisco nos apontou muitas maneiras de viver dando testemunho do Evangelho com nossa vida, em nossas ações. O tema de sua Catequese foi a Esperança Cristã.

Dando início a essa série de Catequeses, o Papa Francisco disse: Read More …

Posted by: | Posted on: novembro 24, 2017

Ano do Laicato: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino”

O “Ano do Laicato” tem seu início no último domingo do ano litúrgico, dia 26/11, data em que se comemora a Festa de Cristo Rei. A Igreja do Brasil fará a abertura, em todo território nacional, do Ano Nacional do Laicato, que se estenderá até dia 25 de novembro de 1918.

O arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Sergio da Rocha, saúda a realização deste ano como uma oportunidade de valorizar ainda mais a presença e a missão dos cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade. “Nós temos a alegria de começar no Brasil o Ano do Laicato, aprovado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, contando de modo especial com a Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato”, disse.

De acordo com o cardeal, toda Igreja no Brasil é convidada a vivenciar intensamente o Ano do Laicato por meio de orações, celebrações e reflexões, mas sobretudo incentivando e apoiando uma participação sempre maior dos cristãos leigos e leigas na vida da Igreja e da sociedade para que sejam de fato sal da terra e luz do mundo numa Igreja em saída.

O tema escolhido para animar a mística do Ano do Laicato é: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino”; e o lema “Sal da Terra e Luz do Mundo”, Mt 5,13-14. Segundo o Bispo de Caçador (SC), Dom Severino Clasen, presidente da Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato, já era desejo da comissão dar novo impulso, incentivo e estímulo a temática. Read More …

Posted by: | Posted on: novembro 21, 2017

Sacramentos da Iniciação à Vida Cristã

Neuza Silveira de Souza

Na contínua reflexão sobre o processo de Iniciação à vida cristã, somos chamados à vivência e à observância da unidade dos três sacramentos que nos introduzem no mistério de Cristo e da Igreja, bem como os demais sacramentos, pois todos eles rememoram o Cristo presente e atuante na práxis dos membros da comunidade.

Os sacramentos são vistos como atos do próprio Cristo na ação da Igreja e, nesse sentido, são integrados no mesmo caminho de fé, como experiência vital e de crescimento no meio de uma comunidade eclesial. Assim sendo, somos chamados a repensar a nossa identidade cristã e a nossa missão. Uma prática renovadora dos sacramentos será o reflexo de uma Igreja transformada, feliz e convertida, mais conforme à mensagem e à prática de Jesus que nos convida à vida misericordiosa, fraterna e livre.

Diz o documento 107 em seu número 129: “A origem da relação entre os três sacramentos da Iniciação à Vida Cristã tem seu fundamento nas diversas manifestações de Cristo e do Espírito que nos leva à unidade do mistério pascal cumprida pela missão do Filho e consumada pela efusão do Espírito Santo”. Se hoje entendemos assim os sacramentos: manifestação visível de algo invisível, podemos dizer que Jesus Cristo é o Proto-sacramento: o primeiro e grande sacramento do amor de Deus-Trindade. Read More …

Posted by: | Posted on: novembro 20, 2017

Preparação para o Tempo do Advento!

Aproxima-se o Tempo do Advento, início do novo Ano Litúrgico. O ano que está terminando passou tão depressa que muitas vezes nem nos demos conta do seu transcorrer, deixando muitas prioridades, estabelecidas no seu início, sem conclusão. Mas, á apenas mais um ano que termina, e o reinício de um novo ano litúrgico nos abre a possibilidade de mudar a nossa trajetória de vida.

Refletindo sobre o Tempo do Advento, podemos também estabelecer prioridades mais coerentes com uma vida menos corrida e mais compartilhada.

Para auxiliar a preparação para vivermos bem o Advento, vamos publicar alguns artigos de formação sobre esse período, que terá início no dia 3 de dezembro, com o 1º Domingo do Advento, aqui nesta página. Esses artigos serão postados em PDF, para que dessa forma seja possível baixar no seu próprio computador  e ter acesso mais livre.

O primeiro artigo traz a definição, origem e a estrutura do Advento. Para acessar os artigos, à medida que os artigos forem postados, basta clicar sobre os títulos de cada artigo.

CLIQUE AQUI para abrir o artigo: Advento: tempo de preparação, de esperança e de renovação!

O segundo artigo que postamos sobre o Advento traz a sua Teologia.

CLIQUE AQUI para abrir o artigo: A Teologia do Advento!

O terceiro artigo sobre o Advento que trazemos é apresenta a Espiritualidade desse tempo litúrgico.

CLIQUE AQUI para abrir o artigo “A Espiritualidade do Advento”

Posted by: | Posted on: novembro 19, 2017

Dia Nacional da Consciência Negra!

Maria Aparecida de Cicco

“Se alguém disser que ama a Deus, mas odeia seu irmão, é um mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Este é o mandamento que dele recebemos: quem ama a Deus, ame também seu irmão.” (1 Jo 4,20-21)

Celebrando o Dia Nacional da Consciência Negra, não podemos nos deixar de confrontarmos o nosso coração com este trecho bíblico. O texto é definitivo: se não amamos nossos irmãos, sejam eles brancos, pretos, pardos, mulatos ou de qualquer outra etnia, mas dizemos amar a Deus, somos mentirosos!

O Dia da Consciência Negra foi instituído para que todos nós, possamos refletir sobre os erros que uma cultura distorcida de superioridade da raça branca causou e continua a causar nos dias de hoje.

Em nome dessa superioridade, povos foram escravizados, homens e mulheres foram violentamente despojados de sua dignidade, seres humanos foram perseguidos e mortos apenas por não terem a “pele branca”. Tratados como animais, considerados sem alma, foram subjugados, explorados e depois descartados. Read More …