Os biomas brasileiros

biomas_brasileirosMuitas pessoas perguntam o que significa “bioma”, que faz parte do tema da Campanha da Fraternidade deste ano de 2017. Como significado, bioma é o conjunto dos seres vivos de uma área. É entendido também como o conjunto de ecossistemas terrestres, como comunidade de plantas e animais de uma mesma formação, bem identificados em áreas diversas do território brasileiro.

A Campanha da Fraternidade, organizada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), fundamenta o tema com o texto bíblico, “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15), para dizer que toda espécie de vida presente no território brasileiro depende do respeito e conservação da terra. O caminho de libertação e salvação passa pela terra, porque ela é fonte de sustentação da vida.

O Texto Base da Campanha identifica seis biomas no país: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pantanal e Pampa. Cuidar de cada um deles significa cuidar da “casa comum”, nos dizeres do Papa Francisco. Sabemos da permanente destruição de cada um deles de forma irresponsável, sem medir as consequências que isso poderá trazer para o futuro das gerações. Continue lendo

Compreendendo a Quarta-feira de Cinzas e seu significado

Na quarta-feira após o carnaval, a nossa Igreja dá início a um novo tempo litúrgico, o Tempo da Quaresma, que é um tempo de penitência e de conversão.

E iniciamos esse tempo com a imposição das cinzas, que simbolizam o desejo de mudança, de abandono de tudo aquilo que nos aprisiona e nos impede de seguir os passos de Jesus.

Na celebração da imposição das cinzas, nos lembramos da finitude da nossa vida “Tu és pó e ao pó voltarás” (Gn 3,19), porém essa lembrança não deve ser motivo de tristeza, mas motivo de esperança pois lembramos também que Jesus, com sua morte e ressurreição, abriu as portas da vida eterna para todos que seguirem seus passos. Se na criação fomos moldados pelo barro, em Cristo somos resgatados pelo amor.

Dom Vilson Dias de Oliveira, DC –  Bispo da Diocese de Limeira, no enviou um excelente artigo sobre o significado da imposição das cinzas sobre os fiéis. O artigo está no link abaixo:

CLIQUE AQUI para abrir o artigo sobre a Quarta-feria de Cinzas – Explicações – 2017

Quaresma 2017 – Mensagem do Papa Francisco

francisco-quaresma_2017Estamos a pouco menos de um mês do início da Quaresma, tempo de refletir, de fazer penitência; tempo de conversão.

Os cristãos, de um modo geral, e os cristãos católicos de modo particular, não podem se eximir de viver a Quaresma tendo os olhos voltados para a Vida, Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus, e ao mesmo tempo ter os olhos voltados para a vida do irmão, especialmente os mais pobres e marginalizados.

O Papa Francisco, em sua “Mensagem para a Quaresma 2017″ diz:

“A Quaresma é o momento favorável para intensificarmos a vida espiritual através dos meios santos que a Igreja nos propõe: o jejum, a oração e a esmola. Na base de tudo isto, porém, está a Palavra de Deus, que somos convidados a ouvir e meditar com maior assiduidade neste tempo. / (…) / A Palavra de Deus é uma força viva, capaz de suscitar a conversão no coração dos homens e orientar de novo a pessoa para Deus. Fechar o coração ao dom de Deus que fala, tem como consequência fechar o coração ao dom do irmão. /  Amados irmãos e irmãs, a Quaresma é o tempo favorável para nos renovarmos, encontrando Cristo vivo na sua Palavra, nos Sacramentos e no próximo. (…) Que o Espírito Santo nos guie na realização dum verdadeiro caminho de conversão, para redescobrirmos o dom da Palavra de Deus, sermos purificados do pecado que nos cega e servirmos Cristo presente nos irmãos necessitados”.

A conversão quaresmal sinaliza uma mudança de vida cujo caminho passa pelo irmão, dom de Deus. Preparemo-nos para viver a Quaresma com disponibilidade e abertura ao dom da Palavra para que nossa conversão seja sinalizada pelo acolhimento ao dom dos irmãos.

CLIQUE AQUI para abrir a Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma de 2017

Advento: Deus conosco

advento (1)

Com quatro semanas antecedendo o Natal, o Advento inicia um tempo novo na Igreja, um novo ano litúrgico. Este tempo nos prepara para acolher o Senhor que sempre vem, manifestando-se a nós. Essa manifestação se dá em dois aspectos: a manifestação em nossa carne ao nascer, que constitui sua primeira vinda, e sua manifestação gloriosa, no fim dos tempos, sua segunda vinda. Este duplo sentido determina a organização do tempo de Advento.

Advento: o Advento escatológico, que vai do primeiro domingo do Advento ao dia 16 de dezembro; o Advento natalício, como preparação mais imediata para a festa do Natal, do dia 17 ao dia 24 de dezembro. Nesse período, entramos em ritmo mais intenso de espera e esperança, de cuidadosa vigilância, como uma noiva que se enfeita, ansiosa e feliz, para a chegada de seu amado, como um incansável vigia anseia pelo amanhecer, como a terra seca deseja ardentemente a chuva benfazeja para o germinar das sementes. Aguardamos hoje a chegada do Senhor, aguçando nossa sensibilidade para perceber os inúmeros sinais que revelam a transparência de Deus em nosso tempo, ainda tão conturbado, e em nossa realidade humana, ainda tão desumana, violenta e sofrida: sinais evidentes de distanciamento do projeto de vida para o qual fomos criados.

Abrindo-nos à contemplação do mistério da encarnação, a liturgia vem ao encontro de nossa busca fundamental. Somos seres de desejo, inacabados, com sonhos de ser sempre mais, grávidos da utopia do Reino. O conjunto das celebrações nos mantém acordados e vigilantes, buscando a perfeição, para que as múltiplas vindas do Senhor hoje nos encontrem irrepreensíveis e repletos dos frutos da justiça. Continue lendo

NOVEMBRO, MÊS DE REFLETIR, AVALIAR, PARA RECOMEÇAR MELHOR!

povo a caminho para JesusEstamos iniciando o mês de novembro, e estamos a três semanas do encerramento do Ano Litúrgico. No dia 27 deste mês, nós vamos iniciar o Novo Ano Litúrgico, nos preparando para acolher Jesus que virá no Natal. Porém, antes disso, no dia 20 de novembro vamos encerrar o Jubileu da Misericórdia, com o fechamento das Portas Santas.

Este deveria ser um mês muito especial, tempo de rever o que passou e mais ainda de rever como passamos por este Ano tão privilegiado, no qual fomos chamados a refletir sobre a Misericórdia de Deus em nossa vida, e a vivência dessa misericórdia na relação com os irmãos, ou melhor, com os outros, com o próximo, em nosso cotidiano.

Cada Ano Litúrgico é uma possibilidade de crescermos no amor de Deus, de amadurecermos na Fé, de viver a plenitude do discipulado de Cristo. Continue lendo

Lutero, uma perspectiva ecumênica

Este artigo foi publicado pela Rádio Vaticano, em 29/10/2016

"O Espírito de Deus, que iniciou a obra da unidade, a levará também ao seu cumprimento, uma unidade não como a queremos nós, mas como a quer Ele" - EPA

“O Espírito de Deus, que iniciou a obra da unidade, a levará também ao seu cumprimento, uma unidade não como a queremos nós, mas como a quer Ele” – EPA

Em maio, foi lançado na Itália o texto reelaborado e ampliado de uma conferência do Cardeal Walter Kasper sobre Lutero, proferida em 18 de janeiro passado, no início da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, na Humboldt-Universität de Berlim, a convite da Fundação Guardini (Walter Kasper, Martin Lutero. Una prospettiva ecumenica, Brescia, Queriniana, 2016 ≪Giornale di teologia≫ 387, pagine 75, euro 8).

Dedicado à irmã Ingeborg, falecida em 28 de janeiro, e lançado também na Alemanha (Patmos Verlag) e na Espanha (Sal Terrae), o pequeno livro – do qual trazemos a conclusão – é uma síntese inteligente e ecumenicamente relevante.

No prólogo o autor, que de 2001 a 2010 presidiu o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, reconhece que “para os católicos, Lutero foi por muito tempo simplesmente um herético, aquele que carrega a culpa da divisão da Igreja ocidental, com todas as suas consequências negativas, até hoje”. Continue lendo

VOCÊ SABE SER CRISTÃO E CRISTÃ NESTE MOMENTO POLÍTICO?

Ou você faz parte daqueles cristãos católicos que afirmam com convicção que religião e política não se misturam?????

Estamos na véspera das eleições municipais em nosso país, momento importante na vida de todos os cidadãos e cidadãs, pois a cidade onde vivemos depende da escolha que fazemos nas urnas para ser um lugar melhor.

Como pessoas que assumem sua cidadania, temos que ter compromisso verdadeiro com a transformação da sociedade, buscando que ela seja mais justa e mais humana. Por isso, nosso voto deve ser consciente e o candidato que escolhermos deve ser aquele que representa nossos ideais. Ao votarmos em determinada pessoa, estamos escolhendo essa pessoa para falar e agir em nosso nome.

E eu pergunto a vocês: Você escolheria uma pessoa sem preparo, uma pessoa que diz uma coisa e faz outra, uma pessoa que só pensa nos próprios interesses e que faz qualquer coisa para alcançar seus objetivos, você escolheria uma pessoa assim para defender você em um tribunal? Continue lendo

UMA PARÁBOLA PARA OS NOSSOS DIAS (LUCAS 15,1-32)

O-pai-misericordioso-e-os-dois-filhosAutor: Pe. José Antonio Pagola - do livro “O Caminho Aberto por Jesus” – Editora Vozes

Em nenhuma outra parábola Jesus conseguiu penetrar tão profundamente no mistério de Deus e no mistério da condição humana. Nenhuma outra é tão atual para nós como esta do “pai bom”.

O filho mais moço diz ao pai: “Pai, dá-me a parte da herança que me cabe”. Ao reclamá-la, está de alguma forma pedindo a morte do pai. Quer ser livre, romper amarras. Não será feliz enquanto seu pai não desaparecer. O pai consente com seu desejo sem dizer nenhuma palavra: o filho deve escolher livremente seu caminho.

Não é esta a situação atual? Muitos querem hoje ver-se livres de Deus, ser felizes sem a presença de um Pai eterno em seu horizonte. Deus deve desaparecer da sociedade e das consciências. E, da mesma forma que na parábola, o Pai mantém silêncio. Deus não coage ninguém. Continue lendo

A Bíblia na Catequese


A Bíblia é a fonte primordial da Catequese, pois nela está contido o fundamento da educação na fé e as diretrizes da vivência cristã.

A Catequese deve despertar nos seus interlocutores a sede da Palavra como orientadora da própria vida, seta que indica o caminho transformador de quem quer seguir a Jesus.

Cada catequista tem a responsabilidade de conduzir os catecúmenos para o encontro com Palavra de Deus, orientando e apontando os pontos fundamentais da Bíblia; a revelação de Deus, que vai se apresentando na história do povo; as dificuldades e os desvios que são denunciados pelos profetas; a mensagem contida por trás das palavras e da cultura do povo; os ensinamentos e a proposta de vida que Jesus deixou; e a experiência das primeiras comunidades na propagação do Evangelho e na vivência cristã.

A Bíblia não é um livro de normas e dogmas, ela é uma referência de vida, uma proposta aberta na qual, ao mesmo tempo em que se revela, Deus espera a resposta prática de quem o encontra e o reconhece. Ela abre espaço para que se reflita e se tome uma decisão a partir do discernimento: o engajamento consciente baseado em fé sólida que gere a misericórdia e a caridade perfeitas. Continue lendo