setembro, 2017

now browsing by month

 
Posted by: | Posted on: setembro 30, 2017

CELEBRAÇÃO DO 26º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Na Liturgia do 26º Domingo do Tempo Comum, ano A, Jesus nos ensina a reconhecer a justiça das pessoas que não tem boa fama, mas praticam a justiça. Ensina-nos a denunciar, para o bem deles e de todos que sofrem sua influência, as que têm boa fama, os considerados santos, mas que não praticam a justiça, conforme o projeto do Pai. Jesus é o Filho que diz “sim” e faz o que o Pai decidiu. Todas as pessoas que acolhem e seguem concretamente Jesus cumprem a vontade do Pai.

A Celebração do 26º Domingo do Tempo Comum, enviada por Dom Vilson Dias de Oliveira, DC – Bispo da Diocese de Limeira, nos ajuda a compreender a Palavra de Deus desta liturgia, para que ela nos transforme.

CLIQUE AQUI para abrir a Celebração do 26º Domingo do Tempo Comum – Ano A – 2017

Posted by: | Posted on: setembro 29, 2017

Anjos e Arcanjos na Bíblia e no Catecismo da Igreja Católica

Embora a devoção aos anjos e arcanjos seja histórica e bíblica, e a existência deles seja uma verdade de fé, conforme o Catecismo da Igreja Católica, não há uma catequese apropriada, que dê sentido a ela. Por esse motivo fomos em busca de dados que possam ajudar catequistas a dar a razão dessa devoção e transmiti-la aos catequizandos com seu sentido original.

O que a Bíblia fala sobre Anjos e Arcanjos?

A palavra Anjo vem do grego “angelos” que significa “enviado”, “mensageiro” (Mt 11,10; Lc 7,24; 9,52; 1Cor 11,10 – anjos, aqui, seriam mensageiros de outras comunidades que poderiam escandalizar-se com penteados extravagantes). Neste sentido, Deus pode enviar profetas (Is 14,32) ou sacerdotes (Ml 2,7) como seus mensageiros. No Antigo Testamento, em textos anteriores à monarquia, o anjo é às vezes identificado com a providência divina ou o próprio Deus presente no meio dos homens (Gn 16,7; 22,11-18; 31,11-13; Ex 3,2-5; Jz 2,1-4).

A preocupação com a transcendência divina (Deus, um ser distante e diferente), leva a falar dos anjos como intermediários (Ex 14,19-20; 23,20-23; Nm 22,22-35; Jz 2,1-4; 6,11-24; 13,3-23; Gl 3,19-20). Eles são, portanto, os mediadores da Aliança.

Como se fosse um monarca oriental, cercado de cortesões, Deus passa a ser visto rodeado de anjos (Gn 28,12; 1Rs 22,19-23; Jó 1,6-12; Is 6,2-6; Mt 16,27; Jo 1,51), organizados numa verdadeira hierarquia (Gn 3,24; Is 6,2; Ef 1,21; Cl 1,16; 1Pd 3,22). Read More …

Posted by: | Posted on: setembro 27, 2017

A Bíblia na Catequese

A Bíblia é a primeira fonte da Catequese. Ela deve inspirar todo o processo catequético.

Mas, para trabalhar adequadamente com a Bíblia no processo catequético, o próprio catequista deve se formar para ter uma visão da Bíblia que realmente ajude os catequizandos, tanto crianças, jovens e adultos,  a alimentar sua vida cristã.

A Bíblia é um livro para adultos

A Bíblia é um livro escrito por adultos para adultos. Ela trata as pessoas como adultos. Deixa espaço para refletir e para decidir. Não dá receitas prontas, nem coloca grandes dogmas de fé. A Bíblia leva a descobrir a mão de Deus nos acontecimentos, alerta para a vivência da Aliança e deixa especo para se posicionar diante dela. Na própria Bíblia encontramos correntes diferentes, idéias às vezes opostas, releitura de antigos textos. A Bíblia é diferente de um catecismo que coloca as verdades da fé sem muita possibilidade de discussão ou de opiniões diferentes. Disto vemos também, que devemos ter um certo cuidado ao trabalhar a Bíblia com crianças. Exige uma abordagem própria conforme sua idade, sua experiência da vida etc. (É um assunto que pode ser abordado em outra ocasião)

A Bíblia relata a experiência que o Povo da Bíblia tem de Deus

A Bíblia não é a Palavra de Deus que caiu do céu. Ela brotou da própria vida com suas lutas e sofrimentos, com suas situações e acontecimentos. É aí que o Povo da Bíblia foi descobrindo a mão de Deus, seu Rosto, seus apelos. A Bíblia foi escrita a partir da experiência de Deus que o Povo fazia na sua história, orientado pelos Profetas. Read More …

Posted by: | Posted on: setembro 25, 2017

Percepção humana

Não é tão fácil distinguir coisas que têm dimensões divinas, que fazem parte do Reino de Deus e as realidades do reino humano. Mas as duas se complementam, porque em ambas o objetivo é a prática de vida das pessoas. A forma da ação divina e do querer de Deus deve ser percebida pelas criaturas humanas. Suas decisões devem estar fundamentadas no livre-arbítrio e na responsabilidade.

A vida no mundo pode ter caminhos tortuosos, indignos e desproporcionais em relação aos princípios do querer divino. A vontade de Deus está expressa nas orientações dadas pelas palavras da Sagrada Escritura. Seu objetivo é chegar ao coração das pessoas para que elas superem todos os desvios que lhes causam sofrimento e incertezas de um futuro promissor e feliz. Read More …

Posted by: | Posted on: setembro 24, 2017

Discernir como Igreja: Iluminar

Esse é o título do terceiro capítulo do documento da CNBB n. 107, “Iniciação à vida cristã: Itinerário para formar discípulos missionários. No caminhar da nossa reflexão sobre os temas do documento percebemos como está sendo construído um itinerário que nos possibilita o entendimento para a realização da ação evangelizadora da Igreja de hoje, a fim de nos tornarmos sempre mais uma “Igreja casa da Iniciação à Vida Cristã”.

A Exemplo do itinerário apresentado por Jesus em seu encontro com a Samaritana, somos convidados a promover encontros semelhantes com os nossos catecúmenos e catequizandos. É oportunidade de provocar neles a grande alegria da experiência do encontro com o Messias e, com entusiasmo, partilhar com os outros, anunciar que ele já chegou e está presente no meio de nós. Uma forma de expressar a força da Igreja missionária e, ao mesmo tempo, gerar novos missionários. Ao promover uma efetiva “Iniciação à vida Crista”, é possível responder à urgência de se ter uma Igreja em “estado permanente de missão”. Read More …

Posted by: | Posted on: setembro 23, 2017

A Palavra de Deus na Vida da Igreja e do Povo

No último domingo do mês de setembro, a Igreja do Brasil celebra o Dia Nacional da Bíblia. Há 45 anos, no Brasil, o mês da Bíblia tem sido oportunidade para um mergulho mais profundo no conhecimento de um texto da Sagrada Escritura.

Neste ano de 2017, o tema do Mês da Bíblia é: “Para que n’Ele nossos povos tenham Vida”; e o Lema: “Anunciar o Evangelho e doar a própria vida (cf. 1Ts 2,8)”. Na reflexão desse tema, feita durante o mês, foram são dadas pistas para compreender melhor a Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses. Read More …

Posted by: | Posted on: setembro 23, 2017

CELEBRAÇÃO DO 25º DOMINGO DO TEMPO COMUM

A liturgia é o lugar privilegiado da proclamação e da escuta da Palavra de Deus. O Evangelho deste 25º Domingo do Tempo Comum nos leva a pensar no trabalho, na oportunidade de emprego, no sustento da família e na vida digna para todos. Angustia ao coração humano e sensível, muito mais à consciência dos cristãos, a multidão de desempregados, as pessoas que passam fome, a falta de moradias dignas, as injustiças sociais, e do outro lado, o número privilegiado de pessoas ricas e poderosas que pouco se importam com os que não têm pão, casa e emprego. É uma divisão complexa e fere profundamente o coração humano.

Mateus, na narração do Evangelho, nos conta a parábola da videira que é a imagem tradicional de Israel. A parábola revela a situação de desemprego existente na Palestina no tempo de Jesus. A jornada costumava ser de sol a sol e era paga diariamente. Os últimos são pessoas necessitadas, sem trabalho e sem salário. A Primeira Aliança ensina que o salário de um trabalhador não deve permanecer nas mãos do patrão até o dia seguinte (cf. Dt 24, 15; Lv 19,13); o ensinamento de Jesus ultrapassa significativamente essa lei. Suas advertências e sua promessa incluem a todos, primeiros e últimos.

A parábola do bom patrão mostra que Jesus estava muito engajado e por dentro da vida e do sofrimento de seu povo. Mostra também que Ele é um profeta, porque, do cotidiano da vida Ele arranca a novidade de sua mensagem, indo além, da realidade. Com essa parábola, Jesus nos revela quem é Deus: Pai bondoso que age além da justiça e da compreensão humana. O importante é que todos tenham o necessário para viver bem e serem felizes. Na justiça do Reino de Deus, não há lugar para discriminações.

A Celebração do 25º Domingo do Tempo Comum, enviada por Dom Vilson Dias de Oliveira, Bispo da Diocese de Limeira – SP, aprofunda ainda mais a reflexão da Liturgia desse domingo, propiciando melhor conhecimento da Palavra e atualização desta para a nossa realidade. É um bom subsídio para a catequese e também para aqueles que irão presidir as Celebrações da Palavra, nas comunidades onde não há sacerdotes.

CLIQUE AQUI para abrir a Celebração do 25º Domingo do Tempo Comum – ano A – 2017

Posted by: | Posted on: setembro 22, 2017

Criptograma Bíblico

Mais uma boa dinâmica para o Mês da Bíblia, ou mesmo para um encontro no qual se pretende ensinar os catequizandos a manusear a Bíblia e reconhecer as indicações dos textos bíblicos.

É importante que todo cristão católico compreenda que não se procura um texto bíblico pelo número da página em que ele está, mas se acostume a procurar levando em consideração o Livro, o capítulo e o versículo, pois essa é a indicação correta.

Por isso, a aplicação desse criptograma é uma boa forma de trabalhar essa questão. Educar para uma consulta correta e adequada da Bíblia será mais fácil e mais produtivo se usarmos a procura dos textos de forma lúdica, como propõe este criptograma.

Oferecemos o criptograma em PDF, para facilitar a sua impressão, para distribuir aos catequizandos. E também uma folha com a solução do criptograma, para o catequista, que deverá verificar se todos o resolveram corretamente.

O criptograma pode ser resolvido durante o encontro, ou melhor ainda, entregar para que resolvam em casa e tragam resolvido no próximo encontro.

CLIQUE AQUI para abrir o arquivo do Criptograma Bíblico

CLIQUE AQUI para abrir o arquivo de Solução do Criptograma Bíblico

Este Criptograma é criação de Maria Aparecida de Cicco,exclusivamente para o Blog da Catequese Vozes – autorizado apenas o uso pastoral (cópias impressas para serem usadas em encontros catequéticos). Proibido reproduzir em revistas de criptogramas, no todo ou em partes.

Posted by: | Posted on: setembro 18, 2017

Tomar cuidado

Por falta de cuidado e por irresponsabilidade social, muitas pessoas reduzem suas atitudes, praticamente egoístas, sem se darem conta das consequências e dos prejuízos que podem causar à população. No mesmo nível, suas tratativas com Deus não passam de critérios simplesmente humanos. Até parece que a vida humana tem seu fim na morte, levando para a sepultura a própria condenação.

Os homens precisam aprender como devem se comportar no mundo, evitando ter que pagar caro pelas suas práticas espúrias e desconcertantes para a vida comunitária. Além da justiça humana, muito fragilizada na cultura brasileira, terão também que enfrentar a justiça divina, que não usa da força policial, mas a consciência individual e coletiva, e não falha. O peso desta é muito mais sofrido. Read More …

Posted by: | Posted on: setembro 17, 2017

Retornar a Jesus com a prática da Iniciação Cristã

A cada passo dado nos deparamos com novos desafios que nos surpreendem e exigem novas formas de comunicar e expressar uma linguagem de fé que promova comprometimento, com ajuda da comunidade, na educação para iniciação progressiva à vida cristã.

Jesus, ao longo de sua vida missionária, quebrou estruturas para restituir a dignidade dos filhos de Deus. Identificado como o servo sofredor, traz a salvação. Realiza a vontade do Pai de salvar a humanidade como messias que ama. Apresenta-nos o Reino dos céus e a vontade do pai. É o mistério de Deus se revelando no modo específico de ser humano de Jesus. Através dele, Jesus, como sujeito concreto, singular, e por meio de sua corporeidade, Deus quis mostrar-nos a “plenitude da revelação”. E o que é revelado por meio da humanidade de Jesus é o conhecimento do modo de ser de seu Pai. Read More …