ROTEIROS DE ORAÇÃO DIÁRIA PARA 2017

Featured

RO-ABRIL-17Como fizemos, ao longo de 2016, vamos continuar a compartilhar aqui os excelentes Roteiros de Oração que o Centro Anchietanum produz. Em 2016 muitos catequistas enriqueceram sua espiritualidade com a meditação diária proposta pelos Roteiros de Oração, esperamos que neste ano também possam seguir esses Roteiros e também divulgar essa prática de leitura orante. Como no ano passado, no início de cada mês, em data não fixa pois depende da liberação do Anchietanum, postaremos o itinerário do mês corrente aqui abaixo. Continue lendo

ANO MARIANO

Featured

1-capaNeste ano, proclamado Ano Mariano, temos uma ótima oportunidade para refletir sobre o que os documentos oficiais da nossa Igreja dizem sobre a devoção à Maria Santíssima, Mãe de Deus.

Muito se fala sobre a devoção à Maria e entre tantas palavras devemos discernir o que de fato é palavra da Igreja. A palavra da Igreja sobre toda doutrina válida está clara nos Documentos da Igreja, e é neles que devemos procurar para refletir.

Dom Devair Araujo da Fonseca, Bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, preparou uma série de pequenos posts que trazem pequenos artigos retirados dos Documentos da Igreja sobre Maria. Ele inicia essa coleção com artigos do CIC (Catecismo da Igreja Católica), mas continua depois com os Documentos do Vaticano II e também de Encíclicas Papais. Pedimos a ele permissão, por ele concedida, para compartilhar aqui no Blog da Catequese, essas postagens, para que catequistas tenham acesso a esse material tão importante.

Artigos que se referem a Maria no CIC, alguns artigos mais longos são subdivididos em dois ou três parágrafos:

CIC - 484

 

ANO-MARIANO-1b

Hora de renascer

A Páscoa significa renascimento, superação das realidades de pecado, de injustiça e de morte. A força de tudo isso vem da fé em Jesus Cristo, agora ressuscitado e vivo em nosso meio. É um fato firmado no contexto de mistério, só entendido por aqueles que conseguem ler na Palavra de Deus as promessas de libertação do povo oprimido e cansado na sua trajetória de vida.

As primeiras comunidades cristãs entenderam a proposta de Deus. Por causa disso, elas tinham tudo em comum, conseguindo partilhar os seus dons e valorizavam a vida de cada pessoa. Era a prática da honestidade e da partilha. Não havia entre eles ninguém que fosse explorador e de conduta escusa no destino dos bens. Com isto, reinava entre eles o verdadeiro espírito de fraternidade. Continue lendo

Celebrações da Vigília Pascal e do Domingo de Páscoa

“Segundo uma antiquíssima tradição, esta noite é ‘em honra do Senhor’, e a vigília que nela se celebra, comemorando a noite santa em que o Senhor ressuscitou, deve ser considerada como ‘mãe de todas as santas vigílias’. Nesta vigília, de fato, a Igreja permanece à espera da ressurreição do Senhor e celebra-a com “os sacramentos da iniciação cristã” (CONGREGAÇÃO PARA O CULTO DIVINO. Paschalis Sollenitatis: preparação e Celebração das Festas Pascais. Documentos Pontifícios, 224, nº 77).

Nesta noite de alegria verdadeira, que o Cristo ressuscitado, vencedor da morte, dissipe as trevas do nosso coração e da nossa mente. Com toda a criação, celebramos a vitória da vida sobre a morte. Não procuremos entre os “mortos aquele que está vivo.

Celebremos a vida que vence a morte. Numa perspectiva mistagógica, através dos símbolos pascais do “fogo”, da “luz”, da “água” e da “terra” (pão e vinho). Somos mergulhados na morte e na vida nova do Ressuscitado. O Cristo ressuscitado suscite nova vida e nos dê a coragem de olhar para o futuro com esperança.

A Páscoa é a passagem das trevas para a luz e da morte para a vida. Somos convidados a superarmos os sinais de morte ainda presentes em nossos dias, como vimos no Tempo da Quaresma, com os nossos biomas. Pela morte e ressurreição de Cristo o pecado foi vencido. A injustiça e o egoísmo, a violência e o ódio não vencerão.

CLIQUE AQUI para abrir a Celebração da Vigília Pascal – ano A – 2017

CLIQUE AQUI para abrir a Celebração do Domingo de Páscoa – ano A – 2017

VIA SACRA

via-sacra-vaticano-2017Compartilhamos com vocês a Via Sacra celebrada no Coliseu Romano, com o Papa Francisco. As reflexões da Via Sacra deste ano foram escritas pela biblista francesa Anne-Marie Pelletier, a pedido do Papa Francisco.

A Via Sacra escrita por Anne-Marie Pelletier para esta Sexta-feira Santa no Coliseu, poderia ser considerada como “não tradicional”. As Estações, de fato, espelham os momentos que a autora considerou como os mais significativos no caminho de Jesus ao Gólgota, como a negação de Pedro, o sofrimento de Cristo no qual são reconhecidos homens, mulheres e até mesmo “crianças violentadas, humilhadas, torturadas, assassinadas”, o silêncio do sábado.

Nas reflexões, Anne-Marie Pelletier quis dar um espaço particular às mulheres. Cita, por exemplo, Santa Catarina de Sena e Etty Hillesum e, entre as testemunhas de nosso tempo, recorda os monjes trapistas de Tibhirine, Argélia, assassinados em 1998.

Meditar com essa Via Sacra, certamente enriquecerá as nossas reflexões desta Sexta-feira Santa.

CLIQUE AQUI para abrir a VIA SACRA do VATICANO – 2017

Novidade da Páscoa

Desde os inícios da constituição do Povo de Deus, Abraão foi visto como o pai da fé e da esperança em Javé. Em Jesus Cristo essa fé em Deus tem uma dimensão de novidade, porque é plenificada com o fato concreto da Ressurreição. Fé que se transforma em dom divino, e nela a esperança se renova sempre, imprimindo novo dinamismo na trajetória que fazemos na vida terrena.

A novidade da Páscoa é a Ressurreição de Jesus Cristo, fato histórico comprovado por testemunhas oculares, como os apóstolos e pessoas presentes naquele tempo. É constatação do cumprimento da aliança, como está relatado nas palavras bíblicas: “Estabeleço minha aliança entre mim e ti e teus descendentes para sempre, uma aliança eterna, para que eu seja Deus para ti e para os teus” (Gn 17,7).

A Páscoa, quando bem observada, faz com que as pessoas vivam de modo novo, sem interesses egoístas, e mais preocupadas com “as coisas do alto” (Col 3,1). Deve ser para nós uma festa de equilíbrio, de superação das violências e práticas que desarmonizam a identidade cristã das pessoas. É festa de novidade, de quem luta por justiça e pela construção da dignidade humana na sociedade. Continue lendo

Celebração de preparação para a vivência do Tríduo Pascal

Estamos vivendo a Semana Santa. Os eventos cristãos que fazemos memória nesta semana formam, reunidos no Tríduo Pascal, a pedra fundamental da fé cristã. Assim sendo, é importante celebrar esse Tríduo com o coração preparado para acolher o mistério de Cristo morto e ressuscitado, na certeza de que nele está a nossa esperança de vida eterna.

Com o objetivo de nos prepararmos bem para viver o Tríduo Pascal, preparamos uma celebração que nos ajudará a refletir, e pode ser feita na quarta-feira santa. É uma celebração simples mas muito significativa. Ela foi preparada para ser feita na Igreja, mas pode ser feita em um grupo que se reúne para a Via Sacra, um grupo que se reúne para rezar o terço. Importante é nos prepararmos bem.

CLIQUE AQUI para abrir a “Celebração para a vivência do TrÍduo Pascal”

“Alike”

“Alike” é uma curta-metragem de animação dirigida por Daniel Martínez Lara & Rafa Cano Méndez.

Esta animação mostra, com muita sensibilidade, como uma educação que não leva em conta o universo criativo das pessoas vai aos poucos tirando a beleza e o sentido da vida, gerando frustrações e divisões. Educar é mais que transmitir conceitos, é dar testemunho com liberdade. É por meio da experiência, que às vezes pode ser até um fracasso, que uma pessoa é educada. A motivação, a alegria de descobrir novos horizontes por si mesmo, é o combustível que inspira ações e alimenta a liberdade de expressar sentimentos.

O vídeo “Alike” é uma crítica ao sistema educacional “padronizado” que não deixa espaço para a criatividade e as diferenças. No entanto, é também um alerta válido para a Catequese que pode nos levar ao questionamento:

Que tipo de catequese estamos fazendo? Nossa catequese está gerando vida e alegria, ou está apenas distribuindo diplomas? Nossos catequizandos fazem a experiência verdadeira de vida cristã, de comunhão, de vida comunitária? Eles são livres para se expressar, para questionar? São incentivados a descobrir o sentido da fé e da vida por si mesmos? Eles veem no catequista a imagem de alguém que vive a própria fé com alegria e liberdade?

Se isso não acontece, a catequese perde o seu sentido, torna-se apenas um “passaporte” para os sacramentos que, assim como as viagens internacionais, acontecerão apenas em “ocasiões especiais”.

www.alike.es

DOMINGOS DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR

imagem simbolizando o Domingo de Ramos, com uma cruz feita de ramos dobrados e palmasCom a celebração do Domingo de Ramos, iniciaremos a Semana Santa de 2017. Podemos olhar a nossa caminhada quaresmal e compreender que a pedagogia litúrgica nos mostrou a importância do nosso compromisso com os biomas brasileiros. Diante dos poderes do mal, que destroem a natureza e impedem a vida de tantas pessoas, queremos pedir coragem para levantarmos nossa voz e proclamarmos a defesa da vida.

Que o Senhor nos ajude a reavivar a esperança dos que perderam o sentido da vida diante da destruição, da morte e da opressão. Neste Ano Mariano, peçamos a proteção de Nossa Senhora Aparecida, na celebração dos 300 anos do seu encontro nas águas do Rio Paraíba, para que ela possa nos fortalecer na defesa da vida e da Casa Comum.

A Celebração do Domingo de Ramos e Paixão do Senhor que postamos aqui foi enviada por D. Vilson Dias de Oliveira, DC – Bispo da Diocese de Limeira.

CLIQUE AQUI para abrir a Celebração do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor – ano A – 2017

Ramos nas mãos

Domingo-de-RamosA Semana Santa começa fazendo alusão aos ramos que as pessoas levam para as celebrações do domingo que a antecede. Simboliza a forma singela usada para acolher, na cidade de Jerusalém, Aquele que seria o alvo dos holofotes de toda a semana. Jesus entra na cidade, de forma triunfal, sendo acolhido com ramos, tapetes e gritos de “Hosana” pela grande multidão que O apreciava.

Começa ali um clima de amargura e sofrimento, provocado pelas autoridades de então. Por isso Jesus é chamado de “Servo sofredor”, porque Ele assumiu na carne as realidades da Paixão, que culminou com sua morte na cruz. Ele assumiu em Si o sofrimento do povo, principalmente dos pobres, dos indefesos e marginalizados de todos os tempos e lugares, maltratados por más administrações. Continue lendo

Tive fome e me destes de comer!

dar-e-receber-amorNa Bíblia temos muitas passagens que nos exortam à prática da esmola. Você pratica a esmola? É a favor ou contra ela?

Alguns são contra dar esmolas ou alimento aos moradores de rua. Sustentam que isso suja a cidade, que isso “não dá futuro” e causa transtornos para outras pessoas. Defendem que seria melhor doar recursos para organizações que obedeçam às regras da assistência social. Ajudar tais organizações é uma coisa boa, mas simplesmente abolir a prática da esmola seria nos privar da oportunidade de um contato pessoal com os pobres. A esmola é um convite para fazer uma parada, para olhar nos olhos do pobre e oferecer-lhe algo de nós mesmos.

A prática da esmola insere um pouco de compaixão em nossa cidade que se desumaniza e se embrutece. Ter uma atitude de misericórdia é preparar uma cidade melhor e mais humana para as próximas gerações. É um gesto pequeno, mas pode também ser um passo de amor, um aproximar-se afetiva e pessoalmente daqueles que não são amados, não são queridos, não são desejados por ninguém. Continue lendo